Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Colar de âmbar para bebês: terapêutico ou perigoso?

Embora não tenha comprovação científica, uso do acessório tem sido usado na tentativa de diminuir dores de cólicas e dentição em bebês

Entre os benefícios do uso do colar estaria a diminuição das dores do nascimento dos dentes e melhora no sono em bebês. Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Parana - AGP

Você já deve ter visto algum bebê usando o acessório. Popular entre famosas e mães adeptas de terapias alternativas, a procura pelo colar de âmbar báltico explodiu nos últimos anos. A promessa do adorno é aliviar dores comuns aos pequenos, como cólicas e aquelas típicas da fase da dentição. Enquanto as defensoras do acessório garantem que ele realmente funciona, entre a comunidade médica a eficácia do apetrecho para uso terapêutico gera discussão.

O que é o âmbar báltico?

Resina fóssil produzida por pinheiros, o âmbar báltico vem sendo utilizado como acessório terapêutico há algumas décadas em países da Europa. Entre entusiastas das terapias alternativas, acredita-se que o material possua propriedades analgésicas devido à presença de ácido succínico em sua composição.

Amplamente utilizado na indústria farmacêutica, o ácido succínico é conhecido por suas propriedades imunoestimulantes, analgésicas, cicatrizantes e anti-inflamatórias. Pelo fato de estar presente no âmbar, a crença de que a resina libere a substância por meio do contato com a pele acabou se difundindo e os acessórios artesanais feitos com o produto conquistaram uma parcela importante de famílias antenadas nas novidades do mercado voltado à saúde infantil.

Segundo os adeptos do colar de âmbar, no entanto, os benefícios só aparecem com o âmbar original, importado da bacia do Mar Báltico, que compreende países como Lituânia, Letônia e Estônia, principais produtores e exportadores de âmbar do globo.

<< Bela Gil lança caixa de papelão para bebês no Brasil, mas será que ela é segura?

Para saber se o produto é original, é possível fazer alguns testes simples como pingar acetona sobre as contas (se for original ela vai soltar uma substância viscosa) ou colocá-las em água salgada (se for original a “pedra” vai boiar). Essas “truques” ajudariam a identificar a legitimidade do produto.

Uso do acessório se popularizou entre famílias adeptas de práticas alternativas. Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Parana – AGP

Pediatras recomendam cautela

Sem evidências científicas que comprovem a eficácia do uso do acessório, a comunidade médica ainda diverge sobre o tema. Segundo o pediatra e secretário geral do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRMPR), Luiz Ernesto Pujol, além de não recomendado, o uso das peças de âmbar pode trazer riscos para as crianças.

“É preciso ter muito cuidado com terapias de aventura, principalmente quando envolvem o uso de acessórios como colares, que podem se prender a objetos e apertar o pescoço da criança ou até mesmo arrebentar, trazendo o risco dos pequenos engolirem as peças”, alerta.

O ácido succínico, presente no âmbar báltico, possui diversas propriedades medicinais. Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Parana – AGP

Apesar das conhecidas propriedades medicinais do ácido succínico presente no âmbar, segundo Pujol, o simples contato do material com a pele não seria suficiente para surtir efeito analgésico. “Para que seja utilizado como remédio, o ácido succínico precisa passar pelo processamento adequado. Não basta simplesmente encostar o âmbar na pele”, diz.

O que diz quem já usou

Sophia tem um ano e meio. Filha da autônoma Letícia Ribas, 23, a pequena dorme hoje em média 5 horas por noite: tempo considerado excelente pela mãe, já que, nem sempre foi assim. “Ela dormia pouco, chorava muito de madrugada, acordava de hora em hora. Quando completou dois meses resolvi comprar o colar de âmbar pra ver se funcionava e fiquei surpresa com o resultado”, afirma a mãe, que também observou efeitos benéficos quando os primeiros dentinhos da pequena começaram a surgir. “Ela não reclamou, não teve febre e nem aquelas explosões que as crianças costumam ter nessa fase”, disse.

<< Bebê nasce com mecha branca no cabelo e faz sucesso nas redes sociais; Conheça a condição

Satisfeita, ela não pretende interromper o “tratamento” tão cedo. “Na maior parte do dia ela fica com o colarzinho no pescoço. Só tiramos na hora de dormir. Para fazer efeito o âmbar precisa ficar em contato com a pele por um longo período e, como não incomoda, a gente deixa”, revela.

Já para Aline de Oliveira Gonçalves, 40, o colar de âmbar não vingou. Há dois anos a jornalista comprou uma peça na tentativa de aliviar as dores que seu filho Tomás, então com 6 meses, sentia por conta dos novos dentinhos que nasciam. O tratamento não deu certo.

“Eu tinha expectativa de que o colar ajudasse pelo menos um pouco. Não aconteceu absolutamente nada. Ele sentia muitas coceiras, dores e teve febre também”, afirma a mãe que, ainda insistiu por 8 meses antes de desistir por completo do tratamento alternativo. “Passei a usar só como acessório”, revelou.

<< Por que as mães se isolam socialmente nos primeiros meses de vida do bebê?

Na dúvida da eficácia ou não do produto, o âmbar báltico é encarado com curiosidade pela maioria das pessoas. “Não nos fez mal nenhum. Muito pelo contrário. Graças ou não ao colarzinho de âmbar, sei que a Sophia não sofreu tanto na fase da dentição quanto já vi outras crianças sofrerem. Se me perguntassem, certamente falaria bem do acessório”, finaliza Letícia.

LEIA TAMBÉM:

8 recomendações para você

Deixe seu comentário