Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Crianças devem, sim, ajudar nas tarefas domésticas

Ajudar os pais em algumas tarefas diárias, como regar as plantas e organizar os materiais escolares, contribui para desenvolver noções de responsabilidade

Incentivar uma criança de cinco anos de idade a ajudar em algumas tarefas domésticas, como regar as plantas e organizar os próprios brinquedos pode parecer cedo demais, certo? Pelo contrário. É nessa fase que as crianças começam a desenvolver noções de responsabilidade e, assim, o momento se torna ideal para que os pais mostrem aos filhos a importância de certos hábitos.

A atribuição de algumas tarefas diárias desperta na criança o sentimento de autoconfiança e o senso de colaboração, explica a psicanalista Juliane Kravetz. Ao guardar seus materiais escolares e brinquedos, por exemplo, os pequenos aprendem a cuidar dos próprios pertences enquanto fortalecem o vínculo de convivência com os pais.

Ao mesmo tempo, é importante garantir que tudo seja feito com diversão, já que nessa fase as crianças precisam brincar diariamente para estimular o desenvolvimento e a criatividade. “Essas responsabilidades são, antes de tudo, atividades e não devem ser encaradas como uma obrigação excessiva. Para incentivar a criança, os pais podem incluir os filhos em tarefas do dia a dia, como ajudar a organizar e dobrar as roupas e regar as plantas”, diz Juliane.

Outras atividades, como dar ração aos pets e ajudar a por a mesa para as refeições – sempre certificando-se de que a criança não manuseie objetos pesados e perigosos, como pratos de porcelana e talheres – são algumas das tarefas que os pequenos têm capacidade de realizar, mas sempre acompanhados dos pais ou responsáveis.

Sem forçar o aprendizado

A especialista lembra que o incentivo à criança jamais deve ser posto como uma ordem. Em vez de forçar seu filho a guardar os materiais escolares na mochila, por exemplo, realize a tarefa junto com ele, explicando carinhosamente porque é preciso manter a organização dos seus pertences. Além disso, faça com que a criança se sinta importante na realização da tarefa; assim, ela associará a ação a algo positivo.

O mesmo vale caso a criança se recuse a colaborar. Juliane reforça que a participação dos pais é essencial, assim como a rotina. “Ao longo do tempo, a criança se adapta às tarefas no cotidiano e de repente isso se torna automático. É um processo e cada criança responde de um jeito.”

Cada idade, uma tarefa certa

Confira as tarefas específicas para cada faixa etária sugeridas pela Escola Montessori:

Dos dois aos três anos

– Guardar os próprios brinquedos em caixas;

– Guardar os livros na estante do quarto;

– Colocar a roupa suja dentro do cesto;

– Ajudar a levar alguns pratos (de plástico ou materiais que não quebram) para a mesa;

– Tirar o pó de algumas superfícies do quarto;

Dos quatro aos cinco anos

– Colocar a ração no pote do animal de estimação da família;

– Arrumar os brinquedos no quarto;

– Ajudar a arrumar a cama;

– Ajudar a secar a louça;

– Regar as plantas da casa;

– Preparar um lanche simples;

Dos seis aos sete anos

– Recolher o lixo pela casa;

– Dobrar toalhas;

– Ajudar a varrer o chão;

– Preparar uma salada simples;

– Descascar batatas e cenouras;

– Substituir rolo de papel higiênico;

Dos oito aos nove anos

– Ajudar a lavar a roupa;

– Estender e dobrar a roupa seca;

– Tirar pó de móveis maiores;

– Guardar as compras;

– Ajudar no preparo de refeições maiores;

– Levar o cachorro para passear;

– Limpar toda a mesa.

Dos 10 aos 11 anos

– Limpar o banheiro;

– Passar o aspirador nos tapetes;

– Limpar a cozinha;

– Buscar a correspondência;

– Aprender a costurar pequenos remendos;

A partir dos 12 anos

– Ajudar a passar roupa;

– Ajudar nas compras da casa;

– Limpar vidros e janelas;

– Ajudar mais ainda no preparo das refeições;

– Pintar paredes;

– Fazer um bolo;

– Tomar conta dos irmãos mais novos.

LEIA TAMBÉM

>> Criança mimada é falta de educação, sim. E a culpa é dos pais

>> Seu filho é rejeitado na escola? Veja como ajudá-lo

8 recomendações para você

Deixe seu comentário