i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Comportamento

Pai se matricula na mesma faculdade que filho autista para que jovem não abandone os estudos

O suboficial da Força Aérea Brasileira Eduardo Cabral prestou vestibular, foi aprovado e ingressou na turma do filho para ajudá-lo a superar as dificuldades em sala de aula

  • PorRaquel Derevecki
  • [13/02/2019] [04:51]
Eduardo Cabral ingressou na faculdade em agosto de 2016 para incentivar o filho autista  Érick Cabral, de 23 anos. Foto: Arquivo Pessoal
Eduardo Cabral ingressou na faculdade em agosto de 2016 para incentivar o filho autista Érick Cabral, de 23 anos. Foto: Arquivo Pessoal| Foto:

O que um pai faria ao ver o filho autista desistir da faculdade por não conseguir relacionar-se com os colegas? Depois de acompanhar as dificuldades do estudante Erick Cabral em toda carreira acadêmica e comemorar com ele o ingresso à Faculdade Tecnológica (Fatec) de Guaratinguetá – no interior de São Paulo -, o pai Eduardo Cabral, de 49 anos, não aceitou que o filho largasse os estudos. “Ele é muito inteligente, passou no vestibular dessa faculdade estadual e estava indo bem. Então, decidi fazer faculdade com ele para incentivá-lo”, relata.

>> Morador de rua pede uma lâmina de barbear e ganha transformação: “o importante é ajudar”

Militar da Força Aérea Brasileira (FAB) por 30 anos, o suboficial estava prestes a ingressar na reserva e teria mais tempo para acompanhar o filho. No entanto, sabia que o retorno à sala de aula seria difícil e exigiria muita disposição.

“Eu nunca tinha feito faculdade, precisaria de responsabilidade para acompanhar a turma e ainda teria que me adaptar à juventude porque sou de uma geração bem diferente. Só pensei nele e fui”.

O militar prestou vestibular para Gestão Comercial, viu seu nome na lista dos aprovados e começou a frequentar as aulas ao lado do filho em agosto 2016. “Ele entrou no curso de Gestão Empresarial, que é diferente, mas conseguiu migrar para o mesmo curso que eu. Então, começamos juntos como colegas de turma”, conta o pai.

A atitude emocionou professores como Camila Martinelli, que havia ministrado algumas aulas para Erick no início do curso e percebido as limitações do rapaz. “O Erick sempre foi participativo e inteligente, mas tinha muita dificuldade na parte interpessoal, principalmente nas dinâmicas em grupo”, afirmou.

A participação do rapaz em sala de aula mudou com a presença do pai no local. “O Eduardo chamava a atenção do filho para as aulas, o apoiava, incentivava e tinha posição firme com ele para que prestasse atenção porque aquilo era importante. Uma atitude muito bonita”, elogia a mestre em tecnologia da informação.

O pai realizava as atividades em grupo com o filho e ainda o incentivava a prestar atenção nas aulas. Foto: Arquivo Pessoal
O pai realizava as atividades em grupo com o filho e ainda o incentivava a prestar atenção nas aulas. Foto: Arquivo Pessoal

Com o tempo, ela viu que o pai não precisava mais chamar a atenção de Erick e até recebia ajuda do filho em algumas aulas. “Aquela relação em que o filho buscava aprovação do pai para tudo se transformou em amizade e cumplicidade”, relata a professora, que via Erick auxiliar o estudante mais velho nas matérias de tecnologia e computação gráfica. “Ele tinha mais experiência, então auxiliava o pai. É uma relação muito construtiva em que um complementa o outro”.

>> Pais de crianças autistas desenvolvem formas criativas para se comunicar com os filhos

Para Eduardo, a experiência é gratificante e também ajuda a divulgar o autismo. “Sempre foi muito difícil encontrar uma instituição que estivesse preparada para receber nosso filho. Tínhamos que trocá-lo de escola com frequência e minha esposa também dava aulas para ele em casa para ajudar. Foi difícil”, afirma o pai, que sente falta de material de apoio e de professores especializados.

“O autismo é mais frequente do que se imagina, mas as instituições ainda não estão preparadas para trabalhar com isso. Precisamos mudar essa realidade”.

Pai e filho estão atualmente no último semestre do curso de Gestão Comercial – que tem duração de três anos – e agora enfrentarão o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para chegar à graduação, prevista para agosto de 2019. Após a formatura, os dois pretendem atuar juntos na área. “Minha esposa abriu uma administradora de condomínios recentemente, e queremos trabalhar com ela”, afirma o pai.

LEIA TAMBÉM

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.