i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Comportamento

Conheça a médica que salvou centenas de crianças com câncer

Flora Mitie Watanabe foi uma das primeiras oncologistas pediátricas do país

  • PorAmanda Milléo
  • 23/01/2019 06:00
"A relação do oncologista pediátrico com os pacientes perdura por anos, mesmo depois do tratamento". (Foto: Camila Hampf Mendes / hospital Pequeno Príncipe / Divulgação)
"A relação do oncologista pediátrico com os pacientes perdura por anos, mesmo depois do tratamento". (Foto: Camila Hampf Mendes / hospital Pequeno Príncipe / Divulgação) | Foto:

Crianças diagnosticadas com câncer no Brasil chegam a ter 80% de expectativa de cura, atualmente. A chance é especialmente grande entre aquelas que recebem diagnóstico precoce e têm acesso aos tratamentos mais adequados. Em 1970, porém, quando Flora Mitie Watanabe, uma das primeiras médicas a trabalhar com a especialidade de oncologia dentro da pediatria, o cenário era bem diferente.

“Na metade da década de 1970 não tínhamos tratamento específico, então as crianças com leucemia e outros tumores que chegavam no hospital acabavam morrendo. Aí o dr. Eurípides [Ferreira de Paiva, médico hematologista e primeiro a realizar transplante de medula óssea no Brasil] chegou e falou: ‘leucemia tem cura sim, a gente faz um transplante de medula óssea’: foi como se abrisse um mundo totalmente novo na medicina”, lembra a médica, uma das primeiras oncopediatras do Brasil. 

Flora, que hoje tem 68 anos, conta os desafios da época que começou a trabalhar na área, quando até encontrar os pacientes pelo hospital era difícil. “Eu via que uma criança havia operado um tumor abdominal lá na [ala] cirúrgica e passava a visita por lá. Depois ouvia dizer sobre outra criança com suspeita de câncer, que estava na ortopedia, e ia para lá. Até conseguirmos uma enfermaria da hematologia, íamos atrás dos doentes, porque ninguém os encaminhava”, conta a médica, que trabalha há mais de 40 anos no Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba.

Na época, o atendimento era guiado pensando apenas nas três especialidades gerais: pediatria, cirurgia e ortopedia. “Se a criança recebia o diagnóstico de tumor, operava e ia embora, não existia tratamento. Se o tumor era no osso, por exemplo, nos perguntávamos: ‘dá para amputar?’ Se fosse possível, era feita a amputação. Se o tumor voltasse, aí não tinha mais o que fazer, e o paciente morria, explica.

>> Sintomas comuns em crianças esconderam diagnóstico de câncer da pequena Sophia

Com os pacientes: sempre a verdade

Entre ser cirurgiã e pediatra, a dra. Flora optou pela especialidade que atenderia as crianças e, foi além, optou pela oncologia pediátrica (Foto: Camila Hampf Mendes/ hospital Pequeno Príncipe / divulgação)
Entre ser cirurgiã e pediatra, a dra. Flora optou pela especialidade que atenderia as crianças e, foi além, optou pela oncologia pediátrica (Foto: Camila Hampf Mendes/ hospital Pequeno Príncipe / divulgação)

Flora aprendeu durante a profissão a importância de sempre falar a verdade aos pacientes, mesmo nos momentos mais difíceis. “Enganar não vai funcionar, principalmente se for um adolescente. Com as crianças, quando elas já podem entender, eu olho para elas e digo: ‘fique calmo, seu exame tem essa alteração, mas está tudo certo, vamos dar um jeito’. Se a mãe está chorando, o pai apavorado, imagina a criança, né? Então eu sempre falo com ela primeiro”, revela a oncologista.

Ela lembra o caso de um menino, então com nove anos, que chegou bastante arredio e acabou virando seu amigo.

“Ele chegou para a primeira consulta, tava quieto e perguntei: ‘você não tem nada para falar?’ e ele: ‘primeiro, eu não vou tomar remédio. Segundo, não vou internar. E terceiro, não quero saber de você’. Eu respondi: ‘então está bem, você está sendo bem sincero, eu vou ser também. Primeiro, você vai internar, sim. Você é de menor e não tem como recusar. Segundo, vai tomar remédio, sim, e isso você não tem como escapar. E terceiro, não gosta de mim? Tudo bem, mas vai ter que aguentar outro médico”, diz Flora, que completa: “Ele internou, claro, e hoje é um grande amigo meu. É briguento até hoje, mas manda mensagem de saudades e querendo me ver”

Da época da faculdade, ela lembra com saudades do cirurgião que a mostrou a medicina como ela é: o dr. Antonio Camargo, então diretor do hospital São Lucas. “Ele me chamava de ‘filha’ e ensinou a mim e aos meus colegas todas as rotinas da instituição.” Para o professor, o lugar de médico era sempre no hospital.

“Ele dizia que médico tinha que ser ‘rato de hospital’ e e que não tinha isso de ‘não ter o que fazer’. Cansei de ir para o centro cirúrgico ajudar a lavar o material para aprender o nome das pinças, entender para o que se usa, quando não se usa. Foi bom, aprendia a ter disciplina. Ele era rigoroso com os estudantes e brincalhão com os pacientes”, diz a médica, que também gosta de tratar seus pacientes de forma irreverente.

>> Conheça os sinais do câncer infantil

Descendentes de japoneses, Flora Watanabe é uma das primeiras da família a se tornar médica (Foto: Camila Hampf Mendes/ hospital Pequeno Príncipe / divulgação)
Descendentes de japoneses, Flora Watanabe é uma das primeiras da família a se tornar médica (Foto: Camila Hampf Mendes/ hospital Pequeno Príncipe / divulgação)

Natal com as crianças e carona pra rodoviária

A amizade com as crianças e famílias sempre mexeu com o emocional da pediatra, especialmente em épocas de fim de ano. Na tentativa de tornar a estadia dos pequenos mais confortável, ainda mais em anos anteriores à criação do Estatuto da Criança e do Adolescente [quando pais e visitantes não eram permitidos dentro dos hospitais com as crianças], Flora costumava levar as crianças que ficavam na enfermaria sozinhas para a própria casa, para curtirem as festas de Natal com os seus filhos.

“Começou, na verdade, assim: o irmão do dr. Eurípides sempre se vestia de Papai Noel e passava a visita no hospital. Um ano, alguém decidiu dar uma festa para as crianças fora do hospital, e levaram todo mundo para uma chácara. Com o tempo, as famílias começaram a vir, mas algumas crianças mais pobres ficavam sozinhas, ou das famílias que moravam em outras cidades. Eu falava: ‘coloca uma roupa bonitinha e vem comigo’. Eles ficavam lá com meus filhos, alguns até dormiam em casa”, lembra a especialista.  

As práticas eram tão diferentes que, antes, quando os pais não poderiam vir buscar uma criança que recebia alta do hospital – muitos porque viviam em cidades distantes –, era a própria médica quem levava a criança até a rodoviária e suplicava ao motorista do ônibus por cuidado. “Eu dizia para o motorista: ‘olha, é o seguinte, eu sou médica, aqui estão meus documentos, essa criança tem que ir para tal lugar e, quando chegar lá, o senhor desce com o menino e espera Fulano vir buscar’. Hoje eu não teria mais coragem, mas na época, se não fizesse assim, a criança ficava internada e não ia para casa. Sempre deu certo, o anjo da guarda sempre protegeu”, diz.

Infância na lavoura e dom para cuidar

A infância de Flora foi na lavoura. Seus avós imigraram do Japão fugindo da guerra, passaram por São Paulo e pelo litoral do Paraná até se estabelecerem na região metropolitana de Curitiba. Ainda criança, uma madrugada mudou o destino da família. Seu avô fez todos levantarem e irem proteger a plantação de tomates com peças de roupas, lençóis e toalhas. Naquele ano, a geada veio forte e acabou com as plantações de todos os vizinhos, menos a de sua família. O dinheiro da safra garantiu a melhora de vida das gerações futuras.

Há mais de 40 anos na profissão, dra. Flora ainda se diz apaixonada pela escolha na pediatria oncológica (Foto: Jonathan Campos / Gazeta do Povo / arquivo)
Há mais de 40 anos na profissão, dra. Flora ainda se diz apaixonada pela escolha na pediatria oncológica (Foto: Jonathan Campos / Gazeta do Povo / arquivo)| Gazeta do Povo

Há mais de 40 anos na profissão, Flora ainda se diz apaixonada pela escolha na pediatria oncológica (Foto: Jonathan Campos/ Gazeta do Povo/ Arquivo)

O pai da médica não pode estudar e por isso, a educação dos filhos sempre foi a prioridade: tirar notas altas na escola eram uma exigência para Flora e seus quatro irmãos. Desde a infância, sempre foram estimulados a ler. “Não tinha televisão e líamos tudo, em português, em japonês. A maior bronca da minha vó era para gente parar de ler.”

“Você podia pedir qualquer coisa para o pai, como um tênis, um sapato, mas era sempre ‘não’ a resposta. Agora, se eu falasse que queria uma enciclopédia que custava uma fortuna, ele dizia sim. Esse era o que valia para ele, o trabalho, a dedicação, o estudo”, lembra a médica. 

A escolha por Medicina foi algo natural para Flora, que sempre gostou de cuidar dos outros. “Fui a primeira da família a tentar Medicina [depois, outros dois irmãos se tornaram médicos]. Fiz na Católica e, na época, estavam construindo a faculdade no Prado Velho. Meu pai ajudou na construção”, relata Flora.

LEIA TAMBÉM:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.