Comportamento

Já quebrou as promessas de ano-novo? A gente te ajuda a entrar nos trilhos

Fazer exercícios, parar de fumar e começar uma nova dieta são as resoluções mais comuns para o ano

(Foto: VisualHunt)

O início de uma vida nova, com mais dinheiro, saúde, qualidade de vida e felicidade parece uma realidade palpável para muita gente na noite da virada do ano. Enquanto os fogos pipocam o céu, várias promessas são feitas, mas poucas sobrevivem à ressaca do dia seguinte. Na sociedade do imediatismo, em que todos querem mudanças rápidas que não exijam grandes esforços, mudar de hábitos se tornou um suplício, principalmente porque não se abre espaço para novos costumes.

A mudança completa exige 66 dias. É o que aponta um estudo de Jane Wardle, do University College de Londres, publicado no European Journal of Social Psychology. A verdade é que tudo depende de fatores como insistência, perseverança, habilidades, das variáveis psicológicas da personalidade e do interesse.

Começar uma dieta, conseguir perder peso, se exercitar e largar o cigarro estão entre as maiores juras da virada, assim como são as primeiras a serem descumpridas. Identificou-se? A seguir, confira dicas para retomar o foco e cumprir seus planos para 2017.

Parar de fumar

Se você jurou que acenderia o último cigarro na noite do dia 31, mas não aguentou passar vontade é preciso lembrar: só consegue abandonar o cigarro quem muda o comportamento e busca alguma forma de ajuda. A meditação pode ser uma boa aliada do desapego, de acordo com estudo anunciado no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, algumas horas de meditação podem diminuir o inchaço e aumentar a atividade do cérebro em áreas de autocontrole.

Para retomar a meta você pode fazer a parada imediata — em que cessa totalmente de uma hora para outra – e que, para os especialistas, deve ser sempre a primeira opção. Ou a parada gradual – em que se reduz aos poucos o número de cigarros fumados por dia. Tentar parar sozinho muitas vezes leva o fumante a se sentir diante de um obstáculo que parece intransponível. Ajuda profissional – psicológica e medicamentos – pode ser definitiva na hora de acabar com o hábito quando a dependência é muito grande.

Se você fuma logo após o café ou almoço, substitua o cigarro por outro hábito: mastigue canela em rama, cravo ou cristais de gelo, que desviam a atenção da vontade de fumar. Pare com o cafezinho, pois a cafeína causa sensibilização cruzada que estimula o desejo de fumar. Quem quer parar de fumar deve beber bastante água para desintoxicar da nicotina. Praticar esportes ajuda a substituir a sensação de prazer dada pelo cigarro. Incluir na dieta alimentos que combatem a ansiedade e o estresse, como maracujá, alface e espinafre, que sejam antioxidantes e que mostrem como o paladar mudou podem ajudar, quem estiver disposto, a parar de fumar. Somente passados 12 meses sem fumar uma pessoa é considerada não fumante.

Leia mais:

>>> A meditação pode ajudar você a parar de fumar

>>> O que acontece quando você para de fumar

Fazer dieta

A dieta do bom humor, proposta pela americana Susan Kleiner, PhD em nutrição, relembra o óbvio: que um estilo de vida saudável e ativo combate a depressão, nos deixa mais dispostos e leva naturalmente à perda de peso. E lembra que passar fome dá mau humor. Em seu livro, a autora separa os alimentos em aqueles “que dão bem-estar” e os “que dão mal-estar”. E adivinha quem são os vilões? O açúcar, o amido refinado, a gordura e o álcool, é claro. Já entre os mocinhos, encontram-se as frutas vermelhas, a linhaça, o gengibre e principalmente os peixes, ricos em Ômega-3.

Nunca comece uma dieta radical na segunda-feira. Para colocar hábitos mais saudáveis na rotina em 2017, a primeira regra dos especialistas é “vá devagar”. É comum achar que os resultados da alimentação saudável apenas aparecem se a dieta for radical, e se começar na segunda-feira. Isso é um mito e a ansiedade pode, inclusive, prejudicar a mudança da rotina. É interessante estimular o consumo de alimentos que deixam as pessoas mais calmas e tranquilas, como o alface que tem substâncias comprovadas que acalmam. O espinafre é outro exemplo, que tem a deficiência associada à depressão, e os alimentos com vitaminas do complexo B atuam no sistema nervoso. Até mesmo o carboidrato é importante neste momento, fundamental para dar energia.

Derivados do leite desnatados com geleia ou frutas picadas e chocolate meio amargo também são alimentos que equilibram a ansiedade no início da mudança de hábitos e podem ser consumidos sem problema. Lembre-se de tomar bastante água.

Leia mais:

>>> WhatsApp pode ajudar na sua dieta! Veja como!

>>> Sem exagero: saiba os prós e contras de dietas restritivas

Fazer exercícios

Achar a atividade física mais adequada para você passa, inclusive, pela sua personalidade – e o personal trainer deve saber disso. Só assim você vai conseguir fazer algo prazeroso e não só por obrigação. Exercícios aeróbicos, como corrida e natação, ajudam na queima de gordura durante a prática. Depois, no descanso, o gasto energético é muito pequeno se comparado a exercícios de intensidade intervalada, os chamados Hiit. Calçar os tênis e correr todos os dias na primeira semana de janeiro, portanto, pode não ser tão efetivo para ter uma vida mais saudável quanto caminhar e intercalar a corrida aos poucos.

Incorporar os novos hábitos na rotina demora, pelo menos, seis meses, conforme explica a personal trainer Ana Cristina Huber, e a pessoa passa por quatro estágios importantes durante a mudança. Em primeiro lugar, a pessoa olha os exercícios, mas acredita que eles não valem a pena ou que servem aos outros, mas não para ela. Em seguida, passa a considerar as recomendações dos médicos, dos familiares e amigos de que talvez aquela atividade seja uma boa ideia.

Os aplicativos móveis, como pulseiras inteligentes e smartwatches, lideram a lista de tendências fitness para 2017, promovida todos os anos pelo Colégio Norte-americano de Medicina Esportiva. Para que ajudem, de fato, na perda de peso é preciso a orientação de especialistas, pois sozinhos tendem a atrapalhar, conforme estudo da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, divulgado em setembro no Journal of American Medical Association (Jama).

Leia mais:

>>> 4 dicas para mudar de atitude e sair do sedentarismo

>>> 5 dicas antes de escolher a academia

 

8 recomendações para você