Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ser organizado é uma virtude, mas o problema começa quando este hábito se transforma em um ritual e passa a gerar desconforto e sofrimento para quem o pratica. Foto: Bigstock.
Ser organizado é uma virtude, mas o problema começa quando este hábito se transforma em um ritual e passa a gerar desconforto e sofrimento para quem o pratica. Foto: Bigstock. | Foto:

João organiza metodicamente seu armário. Em cada gaveta e prateleira, há uma lógica que orienta a disposição dos itens e ele se incomoda quando essa ordem é perturbada.

Maria não consegue sair de casa sem conferir se desligou o fogão. Antes de ir trabalhar, ela volta para se certificar, acende e apaga algumas vezes as chamas, até ter certeza de que está tudo certo.

Você conseguiria identificar qual destes dois personagens fictícios teria mais probabilidade de apresentar um transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) ou será que ambos podem ser qualificados como simples manias?

>> Receba informações exclusivas! Assine nossa newsletter!

De acordo com o psiquiatra Luiz Fernando Petry, o comportamento que descrevemos para Maria é o que mais tende para o obsessivo-compulsivo, uma vez que não necessariamente há uma lógica por trás dele. Não há, é claro, nada errado em se certificar de que todas as bocas do fogão estão desligadas antes de ir para o trabalho.

O problema começa quando este hábito se transforma em um ritual e passa a gerar desconforto e sofrimento para quem o pratica — ou seja, Maria perde meia hora todos os dias acendendo e apagando a chama do fogão. Neste caso, ela poderia ser diagnosticada como um distúrbio psiquiátrico de ansiedade que é bem real: afeta quatro milhões de brasileiros, segundo estimativas da OMS.

Segundo o psiquiatra, aquilo que popularmente se chama de mania tem mais a ver com um comportamento rigoroso e metódico. “Geralmente, é uma questão de personalidade — umas são mais rígidas e outras menos, mas elas encontram uma lógica que justifica o porquê de fazerem as coisas daquele jeito — seja porque facilita decisões, porque economiza tempo, entre outros. Em geral, as manias não incomodam a pessoa que faz. Quem se incomoda são os outros”, explica.

O que muda quando se trata de um comportamento obsessivo-compulsivo é que o indivíduo simplesmente não consegue agir de outra forma sem acreditar que algo de muito negativo vai acontecer.

“Nas síndromes obsessivas compulsivas, o que acontece é um fenômeno chamado obsessão, que é bem mais complexo, em que a pessoa tem um cenário de pensamentos e medos ou preocupações com coisas que parecem absurdas, e que geram uma imensa angústia. E assim desenvolve de maneira intuitiva um grupo de comportamentos que aliviam essa sensação”.

>> Excesso de disciplina, mania de limpeza e obsessão por combinar cores podem significar transtorno mais grave

Em muitos casos, as atitudes quase ritualísticas de quem desenvolveu o TOC estão relacionadas com medos reais, expressos de maneira exacerbada. “Ele pode, por exemplo, estar associado à necessidade que o indivíduo tem de controlar algum tipo de impulso, normalmente violento”.

Por exemplo: a pessoa vê uma faca, começa a ter pensamentos invasivos de que ela pode ter a vontade de pegar a faca e usá-la para machucar alguém. “Para evitar isso, ela cria intuitivamente um ritual para ter certeza de que aquele pensamento vai embora”, exemplifica o psiquiatra.

Outro aspecto que pode induzir a esses comportamentos é algum acontecimento impactante ou transformador na vida dos sujeitos, conforme detalha a psicóloga Tatiane Maraschin Fermiani. “Muitas vezes, a pessoa sofre um trauma — como, por exemplo, ser assaltado na rua —, e aí começa a desenvolver rituais de segurança, como trancar a porta várias vezes”.

Por outro lado, a mania pode ser apenas um traço de personalidade ou estar atrelada a outras condições “Dentro da psiquiatria, o termo mania é usado dentro de outros transtornos, como o transtorno bipolar, que tem o momento de depressão, em que a pessoa está com o humor deprimido e/ou o humor eufórico e a mania”, elucida ela.

Dreaming woman using spray cleaner on wooden surface. Sad and tired girl cleaning furniture, housework and chores concept, copy space
Dreaming woman using spray cleaner on wooden surface. Sad and tired girl cleaning furniture, housework and chores concept, copy space

Como saber se você tem TOC e como tratar?

As únicas pessoas que podem diagnosticar um transtorno obsessivo-compulsivo são os psicólogos e psiquiatras, já que não existem exames que possam detectar essas doenças e, portanto, isso é feito por observação clínica. Apesar disso, é possível antecipar se uma pessoa pode estar desenvolvendo ou já ter desenvolvido o TOC e precisa de ajuda observando algumas perguntas:

• Há uma lógica ou justificativa para esses comportamentos?
• Os comportamentos acontecem para melhorar a vida da pessoa ou causam sofrimento ou danos para o seu dia a dia?
• Essa pessoa sofreu algum trauma que possa ter motivado esse comportamento?

Se a resposta for que não há um raciocínio lógico e as atitudes repetitivas ou ritualísticas do indivíduo têm justificativas absurdas e quase místicas, ou ainda, esses comportamentos atrapalham a vida da pessoa, é hora de procurar ajuda.

“O TOC abrange um certo número de tipos e sintomas, mas que têm a mesma natureza. São pensamentos intrusivos que geram angústia, tem a ver com dúvidas absurdas, sortilégio, ou seja, a pessoa diz ser azarenta, agourenta, é um pensamento mágico ou místico que em geral não tem nada a ver com a religião que a pessoa pratica”.

Outro aspecto para ficar de olho, segundo a psicóloga Tatiane, é o contexto de saúde mental do indivíduo. “Os sintomas do TOC não são exclusivos deste. Muitas vezes, há o que a gente chama de comorbidade, que são outras condições associadas. O transtorno de ansiedade, por exemplo, traz também a questão de organização, e isso vai se agravando e junto com a ansiedade a gente tem o TOC também. Caso a pessoa já tenha um transtorno ou a depressão, ela pode vir a desenvolver o TOC também”.

A definição de um tratamento vai, segundo os profissionais, depender da identificação dessas comorbidades e da gravidade do TOC. Em alguns casos, a abordagem selecionada pelos profissionais é medicamentosa, mas em muitos deles há a opção de tratamento com psicoterapia e exercícios, ou uma associação destes métodos terapêuticos com algum tipo de medicação.

LEIA TAMBÉM

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]