i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Comportamento

Pai lança livro com desenhos feitos para interagir com filha autista

\"O Grande Desafio das Pequenas Coisas\" traz desenhos e poemas e está em financiamento coletivo pelo Catarse

  • PorFolhapress
  • 21/08/2018 04:00
Foto: Reprodução/Facebook.
Foto: Reprodução/Facebook. | Foto:

O fotógrafo e ilustrador Lucas Tannuri, 37, sempre fez de seus desenhos uma forma de se comunicar com as crianças. O que ele não imaginava é que as ilustrações seriam a maior forma de interação entre ele e sua filha, Marina Tannuri, 7.

Portadora de TEA (Transtorno do Espectro Autista), há um ano Marina lhe entrega objetos e, juntos, pai e filha brincam e criam desenhos.

“Eu sempre pedia que ela me dissesse o que faria com os objetos. Alguns desenhos eu fiz como ela disse e outras vezes eu criei para mostrar a ela outras possibilidades.”

Da interação entre pai e filha surgiu o livro “O Grande Desafio das Pequenas Coisas”, com financiamento coletivo pelo site Cartase. A contribuição mínima é R$ 35 e pode ser feita até o dia 18 de setembro.

Foto: Reprodução/Facebook.
Foto: Reprodução/Facebook.

Além das ilustrações, o livro traz poemas feitos por Tannuri e pelo escritor Rodrigo Vulcano Zanil.

Segundo o fotógrafo, o projeto começou de forma despretensiosa, pois tinha mesmo a intenção de ser uma forma de comunicação entre ele e sua filha. A ideia era fazer com que Tannuri entrasse no mundo de Marina e, ela, por sua vez, ampliasse a comunicação com o pai.

“Era um tipo de diálogo entre tantos outros estímulos e tantas outras atividades que a gente faz. E essa questão do objeto surgiu sem querer.”

O livro

Marina começou, então, a lhe entregar objetos e pedir que ele fizesse desenhos. Para estimular cada vez mais a filha, Tannuri incentiva-a a falar que tipo de desenho queria. Depois de algum tempo, ele começou a postar as imagens na internet e as pessoas foram se identificando.

“O primeiro desenho que eu fiz foi com um J vermelho, que é o dançando na chuva. Acabei postando isso no Instagram porque fica divertido ter o objeto junto com o desenho. Todo mundo começou a achar legal e pedir mais.”

As redes sociais foram o termômetro que fizeram o fotógrafo decidir lançar o livro. Ele conta que chegou até mesmo a parar de postar os desenhos, pois achava que era algo muito íntimo entre ele e a filha. No entanto, muitas pessoas começaram a pedir mais.

Foto: Reprodução.
Foto: Reprodução.

Foi quando voltou a postar a sua produção e surgiu a ideia do livro. “A ideia foi amadurecendo, pensamos em lançar no Catarse, porque veio de algo coletivo, então, seria por meio de um financiamento coletivo.”

O desafio de ser pai

Após amadurecer a ideia de lançar o livro, Tannuri, que também é pai de Gael, 1, diz que começou a criar um conceito para as ilustrações.

“A peça sempre vai ser a mesma, o que muda é o contexto que está em volta. É o que a gente como pai tenta fazer e é o que a gente acredita que uma sociedade bacana possa ter. Conseguindo fazer um bom contexto a gente consegue acolher tudo”, afirma.

>> Quando “passou da hora” da criança dormir com os pais? Piangers responde 

O fotógrafo conta que a intenção é levar a sociedade a uma reflexão sobre os relacionamentos entre pais e filhos. “A Marina está muito feliz. Não é um livro sobre autismo, é um livro sobre comunicação, é um livro sobre interação de um pai com uma filha. É um convite ao lúdico, uma brincadeira.”

Para ele, a ideia do objeto no desenho se tornou algo tão forte, pois remete ao fato de chamar os pais para o mundo concreto, de estar junto e sair um pouco do mundo virtual ao qual estamos tão ligados hoje.

“A gente está tentando quebrar um bloqueio de situações autistas que a gente possa viver hoje em dia. É muito comum em casos de pais e filhos neurotípicos ter momentos autistas. Chegar em casa, cansado do serviço e, depois, pega o celular, fica no sofá e acaba não brincando com o filho ou a filha, e nosso livro é um convite para quebrar essa barreira.”

LEIA TAMBÉM:  

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.