i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Moda e beleza

Brasil ainda não achou seu lugar no setor têxtil

Celaine Refosco falou sobre a cadeia têxtil no país atualmente e da responsabilidade do criador de moda

  • PorFlávia Schiochet, especial para a Gazeta do Povo
  • 27/06/2012 15:23
Brasil ainda não achou seu lugar no setor têxtil
| Foto:

Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), o Brasil emprega 1,7 milhão de pessoas diretamente e 8 milhões indiretamente no setor. “O Brasil é o único país no Ocidente a possuir a cadeia têxtil completa, ou seja, do plantio do algodão até a produção de botões e finalização. O que queremos com isso?”, questionou Celaine.

Responsabilidade do criador

Citando a indústria de Santa Catarina, onde fica o Instituto Orbitato, a palestrante falou que, apesar dos avanços em tecnologia para produzir em massa, há um novo pensamento atual: produzir menos e com mais qualidade, pensar em um produto autoral e com identidade. Para os criadores de moda presentes na plateia, ela pediu para que não percam a noção do processo têxtil como um todo. “Estudamos tanto e acabamos esquecendo de como fazer o básico, como uma modelagem de gola ou punho de camiseta. É preciso saber como as coisas são feitas, os preços, onde é produzido”, alertou.

Para ela, o Brasil está crescendo e “deixando de ser terceiro mundo”, mas ainda não parou para pensar em investimentos de suma importância, como educação e o que fazer com tudo que conquistou. “Tenho medo de virarmos um país ‘novo rico’, que tem poder aquisitivo, mas não sabe o que consumir, não saber reconhecer o valor das coisas”, disse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.