Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

O sobrenome deles é moda

Paulo Martins e Nereide Michel, coordenadores do PBC, têm um longo relacionamento com a moda paranaense




Além de trabalhar incansavelmente na coordenação geral do PBC, o produtor de moda Paulo Martins e a jornalista Nereide Michel participam do cenário fashion paranaense há mais de duas décadas. Dessa forma, vêm acompanhando o desenvolvimento do setor de um ponto de vista privilegiado. A história profissional de Nereide e Paulo se mistura com a evolução do cenário da moda no Paraná. A dupla vem dando visibilidade aos profissionais da área e promovendo estilistas e marcas comprometidos com design, identidade, criatividade, qualidade e inovação.

Da criação do Viver Bem da Gazeta do Povo, por Nereide, e realização de produções para o caderno por Paulo, até a idealização e con­­cretização dos eventos Curitiba Fashion Art e Pa­­raná Bu­­­­siness Collection, eles estiveram presentes em momentos-chave da moda paranaense. Nesta edição, Paulo Martins e Nereide Mi­­chel apontam o que, para eles, se traduz em alegria, satisfação e sucesso na moda paranaense. Eles revelam pensamentos e compartilham concepções sobre temas fundamentais na moda e na vida. Estão na pauta a felicidade – tema da quinta edição do Paraná Business Collection – e o momento de conscientização do planeta em prol de atitudes sustentáveis e conscientes, entre outros assuntos.

O que Paulo pensa sobre…

Emoção

Também pode ser traduzida por sensibilidade para quem assina uma coleção ou trabalha em qualquer outro setor do mercado da moda como produção, assinatura de trilha sonora, ambientação de espaço em eventos, iluminação… Nenhum resultado em lançamento de roupas e acessórios, principalmente em passarela, será positivo se não capturar a emoção da plateia.

Vocação

Moda, modismo. O apelo glamuroso da moda atrai falsas vocações… O lado charmoso de roupas e acessórios observado nas passarelas e nas vitrines, na verdade, resulta de muito trabalho – e com contas a pagar no final do mês –, um fator desestimulante para quem “não nasce” para enfrentar as dificuldades que o mercado apresenta, para quem quer ser bem-sucedido nele.

Sustentabilidade

Não por acaso, é a palavra-chave dos tempos atuais. O desequilíbrio ambiental e o desperdício de bens de consumo coletivo são preocupações que devem estar presentes no cotidiano de todos. Consequentemente, a moda também assume sua responsabilidade nesta questão, pesquisando novos materiais, lavagens antipoluentes, tingimentos naturais – e vestindo, de fato, a camiseta do ecologicamente correto.

O mercado está de olho nestes lançamentos, agregando valor extra aos produtos com o selo de responsabilidade social, o que significa que vale a pena investir no segmento.

Informação

Ler e estar aberto para absorver o novo devem fazer parte do dia a dia de quem se envolve com moda. Até porque a preocupação em buscar conhecimento ajuda a formar um espírito crítico e analítico – atitude que dinamiza a evolução do mercado. Designers, empresários da área da confecção, profissionais ligados aos lançamentos de coleções, jornalistas que têm o papel de passar informações coerentes aos seus leitores, não podem dispensar a pesquisa para fundamentar o seu trabalho.

Inovação

No tempo das cavernas, aquecer e proteger o corpo com uma pele de animal era o máximo em elegância. Depois vieram diferenciais necessários para atrair a atenção e firmar liderança. Basta seguir a história da evolução do vestuário para perceber que o que se vestia ontem já não se integra totalmente ao guarda-roupa dos anos 2000. Pode ser inspirador, mas os laboratórios hoje estão cada vez mais presentes no lançamento de roupas e acessórios que ajudam a viver melhor num cotidiano que exige cada vez mais eficiência, desempenho acelerado e… carteirinha de saúde em dia!

O que Nereide pensa sobre…

Sensibilidade

Moda não é uma simples construção de um vestido, bolsa ou bijuteria. Ela capta influências e interferências que estão ao seu redor – e nem tão próximas assim, pois a internet espalha rapidamente atitudes e comportamentos de qualquer parte do mundo. Estão aí os escritórios de pesquisa de tendências que comprovam que “tudo e todos” servem de base para criar coleções que vão agradar em cheio o consumidor porque refletem as suas expectativas.

Identidade

Comer pinhão, refrescar-se com uma gengibirra gelada, cantar “Mocinhas da Cidade”, reconhecer Poty nos azulejos espalhados pela cidade: quem nasceu aqui – ou escolheu Curitiba para viver e já absorveu o “leitê quentê” no falar – sabe como faz diferença, no lançamento de uma coleção de moda, o apelo que fala diretamente às coisas do nosso cotidiano. Todos esses elementos identificadores, multiplicados pela riqueza cultural do Paraná, representam muito para a moda paranaense. Foi justamente esta constatação que nos motivou a criar o Prêmio João Turin de Incentivo aos Novos Designers. O objetivo é estimular novas gerações de designers a pesquisar e se inspirar na cultura paranaense para o desenvolvimento de roupas e acessórios. Identidade regional é um dos itens mais valorizados pelo mercado globalizado.

Você tem que acreditar nos seus objetivos. Nossa Senhora da Luz dos Pinhais é a padroeira de Curitiba, cidade onde nasci, e que já traz no nome inspiração para uma moda com identidade regional: a santa da árvore-símbolo do Paraná. E que Ela espalhe a luz sobre nós, fiéis ardorosos da evolução da moda paranaense! Já o Paulo é devoto de carteirinha de Nossa Senhora do Rocio, a padroeira do Paraná. Ele não dispensa o ritual de agradecer pelas graças concedidas durante a semana de celebração da Mãe de Cristo no seu santuário em Paranaguá.

Inclusão social

A moda tem, na inclusão social, uma das melhores oportunidades para provar que ela nada tem a ver com o descartável e o supérfluo. Exemplo é o destaque nacional alcançado pela estilista paranaense Leny Pereira, que desenvolve coleções para deficientes físicos. E quem não se comove com a perfeição dos pontos trançados nas agulhas de crochê pelos dedos das deficientes visuais do Instituto dos Cegos do Paraná?

Formação

A atual fase de crescimento do setor têxtil do Paraná é exemplo de como é importante a formação de mão de obra especializada para dar suporte ao aumento da produtividade. Além do volume maior de peças que saem das indústrias, há também um maior número de coleções que resultam da preocupação com qualidade e estilo. Hoje, o mercado da moda paranaense necessita tanto de costureiras e modelistas como de profissionais que estão sendo formados pelos cursos especializados – que, no nosso estado, já são mais de 20, tanto no nível técnico quanto no superior.

8 recomendações para você

Deixe seu comentário