Verdades Secretas é uma ofensa às modelos, dizem agências

Representantes do setor em Curitiba criticam a novela das 23 horas, escrita por Walcyr Carrasco

'Verdades Secretas', Grazi Massafera interpreta a modelo Larissa

A paranaense Grazi Massafera interpreta uma modelo invejosa na novela: “desserviço”. (Foto: TV Globo/Divulgação)

A novela Verdades Secretas, exibida às 23 horas pela TV Globo desde o dia 8, tem causado a maior polêmica no mundo da moda. O folhetim mostra o famoso ‘book rosa’ – catálogo de modelos que também são garotas de programa –, estereotipa profissionais da moda como drogados e homossexuais e retrata de maneira infiel o papel dos bookers – os agentes das modelos.

Para Douglas Henning, booker da Mega Model Sul, a trama é ofensiva aos profissionais da área e já está afetando o mercado. “Algumas meninas entram na agência novinhas, tem muita mãe me ligando preocupada”, diz. Durante todo o tempo em que está no mercado, Henning diz nunca ter presenciado nada relacionado a “book rosa”. “Modelos nem têm biotipo de garota de programa, não fazem o tipo gostosona. O que eles estão mostrando não é o mercado da moda, é o da prostituição”, comenta.

E há outros erros, ressalta. No episódio desta segunda-feira (15), a personagem Fanny Richard (Marieta Severo), dona de uma agência, decide quem será a modelo que abrirá o desfile. “Não temos esse poder. Um booker tem o papel de vender a modelo para o cliente, convencê-lo dos motivos que a fazem melhor do que as outras. Mas quem define tudo, se ela é ou não escolhida, qual o seu papel, roupa, maquiagem e posição no desfile é o cliente”, explica Junior Mendes, Diretor Administrativo da Casablanca Agência e Escola de Modelos.

Walcyr Carrasco também peca ao retratar todos os modelos masculinos como gays. “Lutamos para acabar com esse estereótipo de que modelo masculino é sempre gay e que as modelos são sempre prostitutas. Aí vem a novela e desconstrói todo o trabalho que estamos fazendo. Muita gente acredita no que vê na televisão”, diz Junior. E Henning completa: “modelos afeminados, com delicadeza ou trejeitos femininos, não conseguem emplacar no mercado. Eles precisam ser masculinizados, independentemente da orientação sexual. A vida pessoal não pode interferir na profissional”, finaliza.

Quer ser modelo? Confira as dicas de Douglas e Junior para escolher uma agência correta

PESQUISE
Saber mais sobre cada agência é muito fácil hoje em dia. Portanto, procure saber a história do local, se ele é credenciado ao sindicato da categoria e avalie até o site.

DESCONFIE
Tudo que é muito bonito merece um alerta. Nenhum profissional sério te diz que você pode ser a próxima Gisele Bündchen.

CONHEÇA
Faça reuniões em agências diferentes antes de escolher com qual vai trabalhar. Se você é menor de idade, vá com os pais, claro.

8 recomendações para você

Deixe seu comentário