Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Idade de quem sofre com acne passa dos 14 para 11 anos, indica estudo

Os dados foram divulgados em estudo da Persistence Market Research, nos EUA; o mercado dos cosméticos para o combate à acne deve crescer quase 50% em oito anos

Foto: Bigstock

A idade média dos jovens que sofrem com acne baixou. Se o normal era que espinhas e cravos começassem a surgir nos adolescentes a partir dos 14 e 15 anos, os problemas relacionados à pele oleosa parecem afetar agora os mais novos, na faixa dos 11 e 12 anos, segundo uma pesquisa norte-americana da Persistence Market Research (PMR). De acordo com o órgão norte-americano, pelo menos 20% dos jovens convivem com a condição em quadros moderados a graves.

De acordo com Nadia Almeida, dermatologista do Hospital Pequeno Príncipe, os primeiros sinais de espinhas nas crianças que ainda não chegaram à puberdade podem corresponder às lesões pré-acne. “As crianças, principalmente as meninas por conta da menstruação, têm uma alteração hormonal na pré-adolescência que é comum até os 14 anos”, explica. Até essa idade, é normal que a pele comece a ficar mais oleosa e apareçam alguns cravos e espinhas, mas nada exagerado, segundo a especialista.

Nessa época, a dica é apostar na limpeza da pele para controlar a oleosidade. A especialista sugere lavar o rosto, o peito e as costas – regiões mais afetadas pela acne – com sabonete suave de duas a três vezes ao dia. Mas atenção aos excessos: caso a pele seja limpa de modo exagerado, existe o risco do efeito rebote, quando o corpo passa a produzir mais gordura.

Automedicação

A pesquisa da PMR também fala sobre o aumento da automedicação para os próximos oito anos. Dos US$ 4,9 bilhões movimentados mundialmente em 2016 para tratar cravos e espinhas, estima-se que o número salte para US$ 7,3 bilhões até 2025. Mas até que ponto os cosméticos são eficazes no combate à acne?

Para a dermatologista, não vale a pena investir nesse tipo de produto. “As propagandas geram muita expectativa, mas eles não têm efeito”, explica. Por ser classificada como doença, a acne deve ser tratada com o acompanhamento de um dermatologista. Mesmo assim, a especialista afirma que quase todos os adolescentes têm o hábito de compartilhar medicações entre si. “Cada pessoa precisa de um tratamento adequado.”

Nunca fazer:

Por mais que seja tentador, não se deve espremer espinhas e cravos. A manipulação pode resultar em manchas, cicatrizes e contaminações. A dermatologista também não recomenda fazer limpezas de pele sem indicação médica, pois existe o risco de aumentar as lesões.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário