Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Anvisa aprova dois novos medicamentos para o tratamento da psoríase

De causa desconhecida, a psoríase forma lesões escamosas na pele, que se relacionam ao sistema imunológico do paciente

A doença costuma se manifestar em surtos e n]ao tem cura. (Foto: Bigstock)

Dois novos medicamentos foram incorporados ao tratamento da psoríase no Brasil. Aprovados no fim de março pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os remédios são indicados a pacientes com psoríase, que obtiveram, ou não, resultados com os tratamentos anteriores.

>> Overdose de chocolate acontece, mas pode ser prevenida

O Tremfya, cuja substância é o guselkumab, trata-se de um produto biológico novo, indicado ao tratamento de adultos com psoríase em placas, ou as lesões secas e com escamas na pele.

O medicamento pode ser administrado a pacientes em estágios de moderado a grave da doença, e que são candidatos à terapia sistêmica ou fototerapia.

Já o Otezla, cujo fármaco é o apremilast, é um medicamento sintético também destinado para controle da psoríase crônica em placas, de moderada a grave,  e voltado aos pacientes que não tiveram respostas a outros tratamentos, ou que são intolerante a outras terapias sistêmicas ou fototerapias.

Pacientes com artrite psoriásica ativa podem se beneficiar do Otezla, especialmente quem mostrou intolerância à terapia com medicamentos antirreumáticos modificadores da doença.

Psoríase: o que é?

Embora seja uma doença comum – estima-se que ela afete mais de 2,5% da população mundial e 1,5% da população brasileira, segundo dados da Anvisa – a causa ainda é desconhecida pelos médicos especialistas.

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a psoríase é uma doença autoimune e que está bastante associada ao sistema imunológico, bem como à suscetibilidade genética e interação com o meio.

Em momentos de maior estresse, por exemplo, a pessoa com a doença pode apresentar os sinais clássicos da psoríase: a escamação da pele. São comuns manchas espessas e escamosas na pele, que surgem em qualquer lugar do corpo e, em casos mais graves, podem acometer também as unhas.

As áreas mais propensas a surgir os sinais da psoríase são cotovelos, joelhos, umbigo, área da barba e couro cabeludo. As placas causam coceira e sensação de queimadura no local.

Os sintomas são aliviados a partir dos tratamentos, que envolvem medicamentos de uso tópico ou oral e terapia de luz. A psoríase não é contagiosa e, infelizmente, não tem cura.

A psoríase evolui em surtos, com períodos em que a doença fica mais aguda e em outros que os sintomas apresentam considerável melhora.

Artrite psoriásica x psoríase

Pessoas com psoríase podem vir a desenvolver a artrite psoriásica, uma doença reumática que pode acometer uma a várias articulações. A doença pode deixar o paciente incapacitante e causar danos nos olhos, por meio de conjuntivites e uveítes.

O tratamento da psoríase ajuda no controle da doença e reduz o impacto na qualidade de vida do paciente.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário