Apenas 12% dos casos de asma no Brasil estão sob controle

“Não adianta distribuir o remédio se o paciente o utiliza da maneira errada”, dizem especialistas na doença

Para evitar ataques de asma, por exemplo, não adianta manter a casa livre de ácaros da poeira, ratos e baratas. Foto: Bigstock

De acordo com profissionais de saúde, os remédios existentes na rede pública, seja por meio de postos de saúde ou farmácias populares, são suficientes para tratar 90% dos casos de asma no Brasil.

Mesmo assim, segundo o membro da Comissão de Asma da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) José Eduardo Delfini Cançado, apenas 12% das pessoas asmáticas no país estão com a doença controlada, sem os sintomas.

>> RECEBA notícias de saúde no seu celular e fique sempre bem informado!

Para os especialistas, as razões para que 88% dos pacientes não estejam fazendo o tratamento correto se dá por falta de informação e conscientização sobre o tema.

Cançado explica que é preciso redesenhar a forma como se enxerga a doença no Brasil. “Não adianta distribuir o remédio se o paciente o utiliza da maneira errada”, explica.

Isso se dá, segundo a Coordenadora da Comissão de Políticas de Saúde da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), Norma Rubini, por falta de capacitação dos profissionais de saúde.

A lógica defendida pelos especialistas é que médicos, enfermeiros e assistentes sociais capacitados poderiam não só fazer o diagnóstico correto na origem, na medicina básica, como também se incumbir do acompanhamento da maior parte dos doentes que chegam aos postos e hospitais.

Além da pouca capacitação profissional existe também a falta de informação à sociedade. Apesar de a asma exigir tratamento a vida toda, muitos pacientes o interrompem quando a saúde deles melhora.

“Sentimos falta da educação sobre o assunto. É uma doença com grande impacto social e econômico no Brasil, mas muito pouco discutida”, diz Cançado.

Para Norma, é urgente definir estratégias para levar a informação a todo o país. E, de preferência, que sejam políticas de Estado, não de governo. Ou seja, que durem mais que apenas um mandato do Executivo.

LEIA MAIS

8 recomendações para você

Deixe seu comentário