i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Bebê sofre reação ao protetor solar e fica três dias internado

Uso de protetor solar para bebês abaixo dos seis meses não é recomendado pelos dermatologistas. Veja como proteger seu filho do sol neste verão

  • PorAmanda Milléo, com Estadão Conteúdo
  • [04/01/2017] [13:12]
Mãe Jessie Swan publicou na página da marca sobre os efeitos do protetor solar na pele do filho de três meses (Foto: reprodução Facebook)
Mãe Jessie Swan publicou na página da marca sobre os efeitos do protetor solar na pele do filho de três meses (Foto: reprodução Facebook)| Foto:

Um bebê de três meses de idade passou três dias internado em um hospital na Austrália, depois que a mãe lhe aplicou um protetor solar. A criança não teria sido exposta ao sol, segundo a mãe Jessie Swan, mesmo assim apresentou erupções e manchas avermelhadas na pele do tórax, braços e rosto.

Leia mais

Janet Jackson, aos 50 anos, dá à luz ao primeiro filho

Gravidez muda cérebro de mulher até dois anos após o parto

A cada 650 crianças, uma nasce com lápio leporino no Brasil

A foto do bebê foi postada pela mãe nas redes sociais e a ONG fabricante do protetor solar se posicionou na página da marca, informando que os protetores solares infantis são formulados para as peles mais delicadas e que todos os produtos passam por rigoroso controle de qualidade. 

A ONG ressaltou que, pelo fato de haver diferentes tipos de pele, reações individuais podem ocorrer e é necessário fazer um teste de sensibilidade antes de fazer uso do produto.

O uso de protetores solares (ou qualquer substância diferente) por bebês abaixo dos seis meses de idade, porém, não é recomendado pela Academia norte-americana de Pediatria e nem pela Sociedade Brasileira de Pediatria. A pele do bebê ainda é muito sensível antes dos seis meses e a idade deve ser respeitada.

“Para que se diminua o potencial de causar algum tipo de irritação na pele, a recomendação é só depois dos seis meses de idade. Isso não quer dizer que uma criança de quatro meses não precise de proteção, mas deve ser uma proteção mecânica, física“, explica a médica dermatologista e pediatra Kerstin Taniguchi Abagge, presidente da Sociedade Paranaense de Pediatria e membro da Sociedade Latino Americana de Dermatologia Infantil.

A proteção mecânica pode ser feita através de roupas de manga longa com fotoproteção, bonés e até guarda sol com fotoproteção também. “Eventualmente, se a criança de quatro ou cinco meses se expor ao sol, pode usar o mesmo protetor solar para bebês, aquele recomendado para acima dos seis meses”, recomenda Abagge.

Não basta ser dermatologicamente testado. Se for necessário o uso do filtro solar, os pais devem ficar atentos aos produtos recomendados pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, que passaram por testes específicos e fazer o teste de sensibilidade:

“Antes de usar qualquer filtro solar, faça um teste em uma área pequena do corpo, seja atrás da orelha ou no cotovelo, que têm a pele mais fina. O corpo do bebê absorve muito qualquer substância química que passar nele. Se não der alergia e se a criança for maior, então usa o filtro”, explica a médica dermatologista Nádia Almeida, chefe do serviço de Dermatologia do hospital Pequeno Príncipe e médica orientadora de residentes em dermatologia da mesma instituição.

Riscos

Como a pele do bebê é mais delicada do que a pele de uma criança maior, é recomendado que se use o mínimo de substâncias – incluindo o protetor solar – para reduzir o risco de alergias.

“A reação mais comum é a chamada brotoeja. São bolinhas que se formam na pele e, normalmente, não estão relacionadas ao protetor solar, mas ao próprio suor da criança que ‘tampa’ e impede a respiração da pele. Quando os pais passam um protetor solar muito denso, espesso, a substância atrapalha a respiração, formando a brotoeja também”, explica a médica dermatologista Kerstin Abagge.

Se houver uma reação, a recomendação é para que se retire o protetor solar usado e use proteções físicas ou mecânicas, como roupas com fotoproteção, ou se escolha produtos mais fluídos, menos densos – a partir dos seis meses. “Se ficar vermelho, coçar e os pais repararem que toda vez que usam aquele protetor daquela marca tem reação, lava a pele e procura por marcas hipoalergênicas”, afirma Kerstin.

Respeite os horários

Evitar o sol entre 10 horas e 16 horas é importante aos adultos e crianças maiores, mas é essencial aos bebês e crianças pequenas. Mesmo nos horários de sol mais “tranquilo”, as recomendações de proteção mecânica (com bonés e roupas com fotoproteção) continuam, aliadas a alguns cuidados, conforme explicam as médicas dermatologistas Nádia Almeida e Kerstin Abagge:

– Seu guarda-sol tem fotoproteção? Caso não tenha, não adianta deixar a criança embaixo do guarda-sol, sem outra proteção mecânica. O guarda-sol que não for feito de um material denso como algodão e não tiver o bloqueador solar deixa os raios solares atingirem as crianças.

– Cuide com a areia. A areia reflete os raios solares, que queimam da mesma forma, se não houver uma proteção mecânica.

– Protetor solar antes do biquíni! Na hora de aplicar o protetor solar na criança maior, não se esqueça de fazer antes que ela coloque o biquíni ou a sunga. É comum passar o protetor de forma mais leve próximos do calção ou do maiô, deixando áreas desprotegidas.

– Reaplique. Passar um protetor solar fator 60 não significa que ele protegerá durante todo o período em que estiver na praia. Reaplicar é fundamental para a máxima proteção. Se a criança entrar na água, na volta é preciso reaplicar. Da mesma forma se ela suar muito ou correr demais na praia. A regra é: reaplique a cada duas horas ou cada vez que sair da água.

– Repelente x filtro. Os dois são absolutamente necessários, mas existe uma ordem na hora de aplicar. Como o repelente funciona pelo cheiro, o ideal é que se passe primeiro o filtro solar e, depois de fixado o protetor, aplicar o repelente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.