Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Pesquisadores usam canabinoide contra Alzheimer e sociedade faz alerta

O composto foi capaz de impedir a progressão da doença que foi simulada em uma fase inicial

Os resultados da administração do canabinoide, segundo os pesquisadores, foram considerados “bem positivos”. Foto: Bigstock.Os resultados da administração do canabinoide, segundo os pesquisadores, foram considerados “bem positivos”. Foto: Bigstock.

Tratar sintomas do Alzheimer utilizando um composto canabinoide foi o objetivo de um grupo de pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP).

O resultado foi que a equipe conseguiu reverter parte do déficit cognitivo em ratos que foram induzidos a simular estágios iniciais da doença. Os resultados forma publicados na revista científica Neurotoxicity Research.

Para os experimentos foi usado o composto sintético ACEA (Araquidonil-2′-cloroetilamida) em animais em que receberam no cérebro a droga estreptozotocina (STZ), que provoca uma deficiência no metabolismo dos neurônios. Em seguida, foram aplicados teste da memória nos ratos, com o reconhecimento de objetos. As informações são da Agência Brasil.

O estudo acontece assim: são postos objetos novos no ambiente onde estavam os animais. Os ratos que não estavam sob o efeito da droga exploraram mais os locais com as novidades.

Enquanto isso, aqueles animais com Alzheimer mantiveram o mesmo interesse por todo o ambiente. Os testes foram repetidos com o intervalo de uma hora e de um dia, para avaliar memória de curto e longo prazo.

Bons resultados
A partir daí, os ratos passaram a ser tratados com o ACEA, uma forma sintética de um dos compostos extraídos da cannabis. Ele se liga ao receptor CB1, presente especialmente no hipocampo, parte do cérebro relacionada à memória e que é afetada pelo Alzheimer.

Segundo a coordenadora do estudo, professora Andréa Torrão, os resultados da administração do canabinoide foram “bem positivos”.

De acordo com a pesquisadora, foi verificada uma “reversão do déficit cognitivo”. Isso significa, diz ela,  que o composto foi capaz de impedir a progressão da doença que foi simulada em uma fase inicial.

Andréa disse que o ACEA tem sido usado por diversos grupos de pesquisa no mundo, porém, ainda existem aspectos não investigados, que a equipe do Instituto de Ciências Biomédicas tentou avaliar.

“Ele foi bem descrito mais recentemente. Mas tinha muitas outras perguntas, lacunas, que a gente queria entender”, enfatizou.

Apesar dos bons resultados, as pesquisas com o canabinoide no instituto foram paralisadas. “Os complexos canabinoides estão muito caros para a gente importar com os cortes de verbas que tem sido feito nos últimos anos”, ressaltou a pesquisadora.

Por isso, o grupo tem usado outras substâncias que agem em outros aspectos do Alzheimer.

Posicionamento 

Apesar das pesquisas, o posicionamento da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) é contrário à indicação e prescrição de canabidiol ou qualquer outro derivado canabinoide para tratamento do alzheimer ou de alterações de comportamento relacionadas a ela, segundo informe distribuído recentemente.

“Até o presente momento, não há qualquer evidência científica oriunda de estudo clínico robusto que sustente tal indicação ou que tenha avaliado seus potenciais riscos e efeitos colaterais em idosos portadores da Doença de Alzheimer”, diz a advertência.

Segundo a sociedade, por regulamentação do Conselho Federal de Medicina (Resolução 2.113/14), o uso do canabidiol é permitido apenas em casos de epilepsia refratária em crianças e adolescentes. A SBGG ressalta que se deve “ter cautela com experimentações de novas condutas em cenários que não os de pesquisa, principalmente em indivíduos vulneráveis, como os acometidos pela Doença de Alzheimer”.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário