Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Bigstock.
Foto: Bigstock. | Foto:

A promessa de dentes branquinhos de modo rápido, fácil e indolor está na pauta de muitas blogueiras e influenciadoras que passaram a indicar o carvão ativado como clareador dental, expondo experiências pessoais. Não se sabe exatamente quando o produto, que se apresenta como um pó de coloração negra, teve suas supostas propriedades clareadoras de dentes reveladas. Mas, como toda e qualquer experimentação, é preciso cautela na escolha. Nesse caso, há um ponto que não pode ser ignorado: não há comprovação científica da efetividade e segurança do método.

O produto, uma forma de carbono puro de grande porosidade, é utilizado para diversos fins, do tratamento da água à indústria de produtos alimentícios e farmacêuticos, graças ao seu poder de clarificação, desodorização e purificação em alguns processos, além de sua propriedade de remoção de impurezas.

>> Não é só quente e gelado, outros alimentos também provocam sensibilidade nos dentes 

Segundo a cirurgiã-dentista Stephanie Alves, da clínica Conceito Ki by Hirata e Higashi, além da falta de embasamento científico para endossar o uso do carvão ativado como clareador dental, sua ação abrasiva pode levar a danos irreversíveis, como desgaste, erosão e exposição da raiz dentária. Ela lembra que, em 2017, o The Journal of the American Dental Association, uma das publicações científicas mais importantes da odontologia, afirmou não haver evidências de que os produtos odontológicos com carvão ativado sejam seguros e eficazes para os dentes.

Por aqui, a Associação Brasileira de Odontologia (ABO) também repudia o uso ao afirmar que essas “receitas caseiras não têm capacidade de clarear os dentes”. Stephanie afirma que o carvão ativado é capaz, sim, de eliminar a placa bacteriana e manchas superficiais provocadas pela pigmentação de alguns alimentos. Porém, sua composição é altamente abrasiva, o que favorece a remoção da camada superficial do dente, arranhando e desgastando o esmalte dentário, deixando-o poroso, quebradiço e mais suscetível a cáries, especialmente no uso prolongado. “Essa camada de esmalte removida não tem como ser regenerada”, alerta.

Mais cáries

A cirurgiã-dentista Paloma Palma, diretora clínica e responsável técnica da clínica Oral Spa Concept, concorda que o carvão ativado tem potencial de estragar os dentes. “O principal risco é a corrosão e consequente quebra. Esse procedimento é altamente abrasivo e corrosivo, como se fosse uma lixa. Há um granulado no carvão ativado que deixa os dentes mais fracos e sensíveis na camada de esmalte, que age como protetor natural da dentição”, diz. Com “arranhaduras” no esmalte dental, fica mais propenso ao acúmulo de bactérias, levando ao surgimento da cárie.

Segundo ela, um clareamento realmente seguro, eficaz e duradouro é aquele prescrito e realizado pelo dentista após uma avaliação individual do paciente. “Há diferentes técnicas profissionais e uma delas vai ser ideal para cada caso. As pessoas têm que desconfiar das promessas milagrosas difundidas internet afora”, diz Paloma.

Antes e depois

Foto: Bigstock.
Foto: Bigstock.

É comum encontrar, nos perfis destinados a assuntos de beleza, uma infinidade de fotos comparativas no modelo “antes e depois”. Stephanie afirma que, no caso do carvão ativado para fins odontológicos, essas fotos comparativas não revelam a verdade. “Sem uma escala de cor mostrando o resultado, não é possível aferi-lo. Além do mais, normalmente essas fotos não são feitas nas mesmas condições de iluminação e posição, o que gera uma falsa expectativa nas pessoas”, avalia.

Como se proteger

Para não correr riscos desnecessários, a primeira conduta é não acreditar em tudo o que está na internet, especialmente em produtos ditos “milagrosos”. Antes de realizar uma experiência e ter resultados inesperados ou até mesmo catastróficos com a utilização do carvão ativado, recomenda-se buscar informações em fontes confiáveis, além de consultar um especialista.

LEIA TAMBÉM: 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]