i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Como lidar com a frustração de perder mais uma Copa do Mundo

As crianças são as que mais sofrem, por não saberem lidar com os sentimentos. Pais devem aproveitar o momento para ensinar sobre perda e limites aos filhos

  • PorRoberta Braga, especial para a Gazeta do Povo
  • 06/07/2018 13:50
O craque Neymar Jr. em campo. Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo
O craque Neymar Jr. em campo. Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo| Foto: Gazeta do Povo

O brasileiro torceu, gritou, criou memes, mas infelizmente não deu, o sonho do hexa foi adiado mais uma vez: por um placar de 2 x 1 a seleção brasileira foi derrotada na Copa do Mundo da Rússia pela Bélgica nas quartas de final. O futebol é uma paixão tão grande no Brasil que é difícil lidar com a frustração. Elaborar esse sentimento de perda é difícil e os torcedores mais fervorosos sofrem verdadeiramente. Choro, raiva e tristeza são as reações mais comuns.

Segundo a psicóloga Laurema Suckow de Castro, se apostamos todas as nossas fichas em algo para nos trazer realização, a chance de frustração é muito grande. “Estamos vivendo um momento no país com muitos problemas sociais, políticos e econômicos. As pessoas buscam algo para dar alegria, e o futebol surge como um alívio, uma chance de ficarmos felizes”.

Ela ressalta ainda que o fato de termos perdido o jogo do 7×1, para a Alemanha, na Copa do Brasil, em 2014, também aumenta esse sentimento de frustração. “O brasileiro está com aquele trauma que ainda não foi cicatrizado. Aquilo foi algo muito chocante e acredito que os brasileiros estavam esperando uma revanche para poder transcender aquele sentimento e seguir em frente”, diz.

A psicóloga explica que a maior parte das pessoas consegue elaborar  o sentimento de perda e tristeza. “A pessoa sabe que é um jogo, um esporte e que perder faz parte. Ela fica triste, claro, mas logo isso passa e ela retoma seus afazeres e sua vida sem maiores problemas.” Entretanto, as pessoas que são mais imaturas irão sentir a derrota com mais força. “Nos níveis mais exagerados, vemos alguns torcedores que se envolvem tanto com o futebol que podem chegar a quebrar coisas, brigar e gritar. Em geral, isso acontece com pessoas menos maduras, que não tiveram limites na infância e, com isso, nesses momentos acabam repetindo comportamentos infantis”.

Pais devem conversar com as crianças

Por serem mais imaturas, as crianças sentem tudo com mais intensidade e com o futebol não é diferente. Os jogadores são verdadeiros ídolos para os pequenos e muitos não aceitam a perda com facilidade. “Em geral, as crianças são o reflexo dos pais: se os pais são mais calmos, as crianças tendem a também agirem com mais tranquilidade.” Entretanto, a psicóloga ressalta que essa geração atual de crianças costuma ser mais mimada, a ter tudo o que pedem e não serem acostumadas a ouvir muitos não. “As crianças que não receberam limites dos pais, terão mais dificuldade de assimilar a derrota.”

Caso os pequenos respondam com agressividade, Laurema aconselha os pais a agir. “Os adultos têm que atuar na hora, para que não passem dos limites. Pode deixar a criança sentir raiva e tristeza, mas se isso extrapolar e ela quiser quebrar algo ou brigar é o momento de intervir. Dar limites é fazer com que a criança aprenda a lidar com a frustração mais tarde. Então, os pais podem aproveitar esse momento difícil e ter essa conversa, explicando que existem coisas que fogem do nosso controle. Isso fará com que a criança venha a ser um adulto mais saudável.”

LEIA TAMBÉM:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.