Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Fake news: chá de erva-doce não substitui tratamento contra a gripe

Mensagem circulando pelas redes sociais indicaria benefícios extras da planta para o combate e prevenção do vírus

Erva doce não tem ação preventiva ou de tratamento da Gripe A. Foto: Bigstock.Erva doce não tem ação preventiva ou de tratamento da Gripe A. Foto: Bigstock.

Uma mensagem falsa que voltou a circular pelas redes sociais este mês incentiva o uso do chá de erva-doce no tratamento contra o vírus H1N1, responsável pela gripe A. No texto compartilhado pelas redes sociais desde o primeiro semestre de 2018, o autor informa que uma médica teria comprovado a eficiência do produto e que um infectologista do Hospital São Domingos recomendaria o uso do chá a cada 12 horas para matar o vírus Influenza.

>> Começou o outono: aproveite 7 frutas da estação que melhoram a imunidade e a digestão

“O chá de erva-doce tem a mesma substância que o medicamento Tamiflu, remédio que todas as vítimas da gripe A tomam”, afirma a mensagem.

No entanto, não há comprovação científica de que a erva-doce seja eficaz para essa finalidade ou que possa ser usada como medicamento no lugar do tradicional Tamiflu. Por isso, o Hospital São Domingos – localizado em São Luiz, no Maranhão – divulgou uma nota desmentindo a informação.

“Nenhum infectologista de nossa equipe recomenda o uso [do chá de erva-doce] como tem sido comunicado em postagens nas redes sociais”, escreveu.

Ainda segundo a instituição de saúde, todas as informações oficiais do hospital são publicadas em suas redes sociais com o aval dos profissionais envolvidos, o que não ocorreu com a suposta mensagem.

Chá de erva-doce apenas hidrata

O chá de erva-doce não contém a mesma substância encontrada no medicamento Tamiflu, de acordo com a Marta Fragoso, médica infectologista do hospital VITA, de Curitiba. E, contra a gripe, causada pelo vírus influenza, não há medicamentos que acabem com a doença — nem mesmo o Tamiflu.

A gripe é uma doença autolimitada, que finaliza os sintomas sozinha, e o antiviral pode contribuir na redução do tempo de viremia (ou o período que a doença está presente no sangue do paciente).

“É indicado que se tome [o antiviral] por cinco dias, dois comprimidos por dia, e isso é realmente efetivo, não o chá. Quando se tem uma gripe, o paciente pode tomar o chá de erva-doce, ou qualquer outro tipo de chá, como camomila, e ele estará se hidratando. Por ser uma substância quente, dá conforto e ajuda a pessoa a passar pelo período da gripe, que é autolimitado”, reforça a infectologista.

A única forma de prevenção mais eficaz contra a gripe está na vacinação — cuja campanha nacional terá início na primeira quinzena de abril (de 10 de abril a 31 de maio), de acordo com o Ministério da Saúde. “Quando você se vacina pelo serviço público, recebe a proteção trivalente, contra três cepas causadoras da gripe. No sistema privado, nas clínicas, recebe a quadrivalente, ou quatro cepas. Mas é possível ter formas mais leves da gripe, visto que a vacina protege contra as formas mais graves”, explica a médica.

De acordo com o MS, a vacina que será aplicada na população brasileira em 2019 sofreu alteração em duas cepas: cepas A/Switzerland/8060/2017 (H3N2) e B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87). A mudança se deve às orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as cepas circulantes pelo hemisfério Sul.

Para auxiliar na proteção, vale ainda reforçar condutas no dia a dia, como a higienização adequada das mãos com álcool 70, evitar aglomerações em ambientes não ventilados, e manter hábitos de vida saudáveis, como alimentação composta por frutas, verduras, proteínas e líquidos, além de exercícios físicos regulares. 

LEIA MAIS

8 recomendações para você

Deixe seu comentário