i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Febre transmitida por carrapato de capivara mata estudante de 15 anos

Conhecida como febre maculosa, a doença é transmitida pelo carrapato-estrela, que se hospeda principalmente no corpo de capivaras. A morte aconteceu no litoral paulista

  • PorEstadão Conteúdo
  • 10/08/2018 14:15
Carrapatos encontrados em capivaras são os principais responsáveis pela transmissão da febre maculosa. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Carrapatos encontrados em capivaras são os principais responsáveis pela transmissão da febre maculosa. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo| Foto: Aniele Nascimento

A febre maculosa causou a morte de uma adolescente de 15 anos em Salto, interior de São Paulo. Esse é o 19º óbito causado pela doença no Estado desde abril deste ano. A estudante Laura Bertajoni Vicente morreu no último dia 29 de julho, mas a causa da morte só foi confirmada na quinta-feira (9) pela Secretaria de Saúde do município.

A doença é transmitida pelo carrapato-estrela, que se hospeda principalmente no corpo de capivaras. Conforme a família, a adolescente andou de bicicleta na orla de um lago da cidade onde teria sido registrada a presença desses animais.

>> Tutores estão deixando de vacinar seus pets contra a raiva: e isso pode ser mortal

A estudante morreu nove dias após surgirem os primeiros sintomas – a adolescente reclamou de dores de cabeça, segundo os familiares. Ela chegou a ser internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital de Campinas, mas o quadro se agravou.

No dia 24 de julho, durante a internação, Laura completou 15 anos e sua mãe postou em rede social uma homenagem à filha. A garota já estava em coma induzido. O atestado de óbito aponta choque séptico e faz menção à febre maculosa.

Somente na região de Campinas foram registradas 19 mortes pela febre este ano, conforme dados das secretarias municipais de saúde.

Americana tem o maior número de casos, com nove mortes confirmadas. A prefeitura interditou 15 áreas consideradas de risco, entre elas pontos turísticos e pesqueiros. Em Pedreira, foram confirmadas duas mortes este mês – um adolescente de 17 anos e uma mulher de 60. Paulínia, Limeira, Santa Bárbara d’Oeste, Cordeirópolis e São Pedro também confirmaram óbitos. Em Valinhos, um adolescente adquiriu a doença, mas se curou. A prefeitura instalou placas em locais de risco.

Mais casos

A morte da estudante em Salto indica que a doença está se espalhando no Estado. Um idoso de Sorocaba, de 77 anos, morreu no dia 21 de julho com febre maculosa, após pegar o carrapato numa área de pesca.

Conforme o médico infectologista Rodrigo Nogueira, da Vigilância em Saúde de Campinas, a partir da picada do carrapato, a bactéria causadora da doença infecta os vasos sanguíneos e a doença tem evolução muito rápida.

A chance de cura é maior quando a doença é diagnosticada no início, daí a necessidade de atenção quando as pessoas vão para áreas habitadas por capivaras.

O Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde do Estado informou que os números de febre maculosa este ano ainda são menores que em anos anteriores. Em 2016, foram notificados 64 casos e 37 óbitos e, em 2017, foram 39 casos e 32 óbitos.

Conforme o órgão, cabe aos municípios o trabalho de campo para controle da doença, bem como a investigação dos casos.

LEIA TAMBÉM:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.