O perigo mora em casa: conheça as plantas e flores exóticas usadas na decoração do lar

Algumas espécies podem levar ao coma, e crianças de 1 a 4 anos são mais vulneráveis a intoxicações

Copo de Leite, embora comum na decoração das casas, pode ser tóxico (Foto: Bigstock)

Para quem já passou da idade em que escovar os dentes e tomar banho eram as maiores preocupações do dia, brincar com plantas desconhecidas parece algo sem sentido. Mas para as crianças, tudo é sinônimo de aventura. Flores e folhas que decoram a casa e o jardim, por exemplo, podem ser tão atrativas quanto um pacote de balas para os pequenos. O problema é que muitas dessas espécies são tóxicas. O simples contato com a pele pode causar alergias e, quando ingeridas, algumas podem levar ao coma e até à morte.

De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde do Paraná (Sesa-PR), dos 125 casos de intoxicação notificados no estado entre 2014 e 2015, 63 foram em crianças de até 12 anos de idade. Em Curitiba, 60% das intoxicações por plantas tóxicas ocorrem em crianças até 4 anos de idade. Segundo a Sesa, esta é a faixa etária de maior risco. “Na maioria dos casos são intoxicações acidentais, geralmente por ingestão de parte da planta. O ambiente predominante acontece na própria residência, mas há o risco de acontecer em escolas”, explica Juliana Clelia Cequinel, bióloga da divisão de zoonoses e intoxicação da Sesa.

Cores vibrantes e formatos diferentes instigam a curiosidade dos pequenos, por isso é preciso alertá-los de que plantas não são brincadeira. A dica é manter as espécies tóxicas fora do alcance das crianças e animais domésticos, mas o aviso também vale para os adultos. Juliana recomenda não comer folhas, frutos e raízes desconhecidos, além de ter cuidado na hora de podar as plantas do jardim. “Como o látex dos galhos pode causar irritação na pele, a dica é descartá-los longe de casa”, recomenda.

Socorro

Em casos de ingestão, não provoque vômitos. Juliana explica que em vez de melhorar, isso pode piorar o quadro clínico da intoxicação. Procure assistência médica de imediato e, se não souber a espécie, leve um pedaço da planta – isso ajuda a identificar a toxina mais rapidamente.

O centro de Controle de Envenenamento do HC está disponível 24h à população através do telefone: 0800-410-148.

Fique atento!

Conheça algumas dessas plantas e os perigos que podem causar à saúde.

COMIGO-NINGUÉM-PODE

Nome científico: Dieffenbachia picta Schott
Família: Araceae

Por fazer parte da decoração de muitas casas, é líder em intoxicações. A ingestão e o contato podem causar náuseas e vômitos, diarreia, inchaço dos lábios, boca e língua e até mesmo asfixia. Em contato com os olhos, há risco de lesões na córnea.

BICO-DE-PAPAGAIO

Nome científico: Euphorbia pulcherrima Willd
Família Euphorbiaceae

Conhecida como a “Flor do Natal”, é popular em ornamentos nesta época do ano. Sua seiva leitosa, entretanto, não é nada amigável. Causa lesões na pele e mucosas, inchaço dos lábios, boca e língua e também afeta a visão.

ESPIRRADEIRA

Nome científico: Nerium oleander L.
Família: Apocynaceae

Tudo o que a Espirradeira tem de bonito, tem também de perigoso. Todas as suas partes são tóxicas, desde a seiva leitosa (látex), que causa irritação na pele e mucosas, à ingestão. Quando ingerida, libera uma substância que afeta o miocárdio, podendo causar distúrbios cardíacos e levar à morte.

COROA-DE-CRISTO

Nome científico: Euphorbia milii L.
Família: Euphorbiacea

Comum em diversas casas de Curitiba, a Coroa-de-Cristo pode prejudicar a visão e até mesmo causar cegueira por conta de sua seiva leitosa.

ANTÚRIO

Nome científico: Anthurium andraeanum Linden
Família: Araceae

Levante a mão quem nunca visitou uma residência que não tivesse uma flor dessa como decoração. Não parece ser tão perigosa, mas quando ingerida, pode causar coceira e lesões no trato digestivo, além de vômito e asfixia.

MAMONA

Nome científico: Ricinus communis L.
Família: Euphorbiaceae

É muito perigosa por conta de uma substância chamada ricina presente na semente. Sua ingestão irrita o trato gastrointestinal, causa vômitos e diarreia, hipotensão e arritmia. Os sintomas podem levar a uma desidratação grave, insuficiência renal e até ao coma.

Foto: BigStock

HORTÊNSIA

Nome científico: Hydrangea macrophylla
Família: Saxifragaceae

Quando ingeridas, suas delicadas flores podem causar convulsões, dores de barriga e vômitos. Dependendo da quantidade ingerida, pode levar ao coma.

Foto: BigStock

TINHORÃO

Nome científico: Caladium Bicolor Vent
Família: Araceae

Usada como decoração, a ingestão e o contato podem causar sensação de queimação, inchaço de lábios, boca e língua e salivação abundante. Em contato com os olhos, pode provocar irritação e lesões na córnea.

COPO DE LEITE

Nome científico: Zantedeschia aethiopica Spreng.
Família: Araceae

Também utilizada em arranjos ornamentais, esta flor é capaz de causar os mesmos sintomas que o Tinhorão e a Comigo-Ninguém-Pode. As três têm o mesmo princípio ativo, o oxilato de cálcio, que intoxica tanto pelo contato com a mucosa quanto pela ingestão.

8 recomendações para você

Deixe seu comentário