Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Sua fome pode ser sede! Confira dicas para evitar a gula fora de hora

O corpo emite sinais claros de quando o que você está sentindo é fome ou uma simples vontade de beliscar qualquer lanche — geralmente calórico

A fome, geralmente, não é exigente. Seu organismo não pensa: "que fome de lasanha da vovó". Isso é vontade de comer. Foto: Bigstock.A fome, geralmente, não é exigente. Seu organismo não pensa: "que fome de lasanha da vovó". Isso é vontade de comer. Foto: Bigstock.

Não tente enganar seu corpo. Ele sabe muito bem quando o que você está sentindo é fome de verdade e quando é simplesmente uma vontade de comer qualquer bobagem calórica, ou um prenúncio da gula.

Deixar-se jogar nos docinhos e coxinhas, só para matar essa vontade, coloca toda a rotina das boas refeições na berlinda.

O risco é de que gere um aumento de peso indesejado e você confundirá ainda mais o que é fome e o que é gula.

A fome, geralmente, não é exigente. Seu organismo não pensa: “que fome de lasanha da vovó”. Isso é vontade de comer.

Quando é fome, o estômago ronca, a pessoa sente cansaço, apatia, dor de cabeça e boca seca, e tudo que surgir pela frente é uma refeição em potencial.

Neste momento, é importante se perguntar há quanto tempo você não come e preparar a próxima refeição — com alimentos não calóricos, de preferência.

“Essa vontade de comer, que não é fome, pode surgir por diferentes motivos. Às vezes os neurotransmissores, como a serotonina, reduzem e vem a vontade de comer. Isso acontece quando as mulheres estão na TPM e geralmente sentem aquela vontade por um doce. Quase sempre a vontade está ligada a algo calórico, um carboidrato. Ou pode acontecer no fim de tarde, a partir das 16 horas, seja pela baixa da serotonina ou porque este é o horário que você se acostumou a beliscar alguma coisa”, explica a nutricionista Gisele Pontaroli Raymundo.

>> Assine a Gazeta do Povo: Onde os valores fazem parte da notícia! <<

A vontade de comer também é estimulada por aquilo que os outros estão comendo ou sugerem comer.

“Você acabou de almoçar, mas sente uma vontade de doce. Isso é só uma vontade, porque você está satisfeito, comeu bem. Passa em frente à vitrine de uma doceria, vê o bolo e vem aquela vontade. O principal cuidado, para evitar esse tipo de situação, é atender aos períodos em que passa muito tempo sem comer e sempre manter lanches saudáveis preparados”, sugere a nutricionista Jennifer Partika.

Dicas para evitar a gula fora de hora

Está sentindo a vontade surgir de repente? Prepare seu corpo e mantenha a rotina alimentar adequada e saudável com as seguintes sugestões das especialistas:

1) Prepare o dia conforme as refeições e não se esqueça dos lanches. Deixe frutas secas, Definir imagem destacadasanduíches saudáveis e sucos preparados para quando chegar a hora do lanche e procure evitar beliscar entre essas refeições e lanches programados. Quanto mais rotina tiver, e quanto mais lanches levar junto, melhor para evitar a vontade de comer.

“Com a rotina, a pessoa sabe que dali uma hora ela vai comer a fruta que está na bolsa e isso evita que ela coma alimentos mais calóricos, fora de hora, só pela vontade”, reforça Jennifer Partika.

2) Fome pode ser sede. Não é incomum que as pessoas confundam fome ou vontade de comer com sede. Antes de se jogar no docinho, tome um copo de água gelada, suco ou chá e espere. Se a vontade passar, ótimo. Se não, era fome mesmo e vale pensar na próxima refeição.

“A alternativa é sempre tomar água gelada antes. Além de incluir mais água na vida, o que é muito benéfico, a pessoa descobre se era fome ou não. A água gelada gera uma contração nos sensores e parece que mata melhor a sede, mas isso é uma questão individual. Há quem prefira água na temperatura ambiente, que também é indicado”, diz Gisele Pontaroli Raymundo.

3) Fique atento aos horários da gula. Geralmente os períodos logo depois do almoço e no fim do dia, a partir das 16 horas, são momentos ideais para a vontade de comer qualquer coisinha aparecer. Lembre-se desses momentos e esteja preparado para tomar um gole de água gelada, comer uma barrinha de chocolate meio amargo ou mesmo ensinar o cérebro que agora não é a hora certa de comer.

4) Ensine o cérebro da hora certa. Embora não seja fácil, você doutrina o corpo a sentir fome (ou vontade de comer) nas horas certas pelo menos duas vezes ao ano – se você morar em uma região do Brasil adepta do horário de verão. Logo, você sabe que a sensação de fome constante dura pouco tempo, no máximo algumas semanas. A sugestão é começar aos poucos, intercalando lanches saudáveis e nutritivos.

5) Conte para a nutricionista todas as refeições – inclusive os lanches. Não é por vergonha, nem por medo, que a maioria das pessoas não conta às nutricionistas todas as refeições e lanches que fazem durante o dia. Isso porque elas não se lembram ou nem consideram que aquela coxinha no fim do dia, entre um expediente e outro, possa contar como ‘refeição’. Para que o profissional da nutrição possa ajudar a montar uma rotina adequada para a alimentação, é importante que o paciente faça o relato de tudo que come – inclusive dos lanches e beliscos fora de hora.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário