Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Hálito com gosto de acetona indica jejum prolongado ou é sinal de diabetes

Quem passa muito tempo sem se alimentar força o organismo a liberar os chamados “corpos cetônicos”, que geram a halitose

Hálito de acetona: quando surge e como tratar?Alteração no hálito pode indicar problemas de saúde, como diabetes descompensado (Foto: Bigstock)

Quem adere a uma dieta low carb pode não saber, mas o hálito tende a mudar. Com gosto metálico, que lembra a acetona, ou às vezes mais adocicado, a halitose cetônica é apenas um reflexo das alterações que o organismo teve de fazer para se adaptar à falta de glicose ou a um jejum prolongado.

>> Spray nasal é o mais novo tratamento contra a depressão grave

Ao cortar os carboidratos de uma dieta, ou ficar muito tempo sem comer, o corpo fica sem a principal fonte de energia e tende a buscar pela glicose por outras vias. Uma delas é a quebra dos ácidos graxos, ou as gorduras, que acabam levando à liberação dos chamados “corpos cetônicos”. São esses que geram o hálito de acetona (ou cetônico).

“O hálito fica parecido com a acetona, aquela usada para a retirada do esmalte, ou metálico. A sensação adocicada é mais comum em casos de hipoglicemia, que pode acontecer com os diabéticos, quando a doença não está bem controlada”, explica Claudia Christianne Gobor, vice-presidente da Associação Brasileira de Odontologia, seção Paraná e presidente da Associação Brasileira de Halitose. 

Como evitar

O hálito de acetona não é causado por nenhum alimento específico, mas pela falta deles. Assim, o tratamento mais indicado, conforme lembra Gobor, é evitar longos períodos sem se alimentar — e incluir a variedade dos grupos nutricionais no prato, inclusive os carboidratos.

“Alimentar-se a cada três ou quatro horas, e sempre ingerir líquidos. Chá, suco, água, ajudam a fazer uma limpeza na boca”, sugere a especialista. 

A fama das dietas sem carboidratos fez com que a halitose cetônica aparecesse com mais frequência no consultório de Diego Malucelli, médico otorrinolaringologista do Hospital Otorrinos Curitiba.

“Essa não é a causa mais comum, as principais causas de halitose ainda estão relacionadas à higiene oral, ou alterações dentárias, gengivites, saburra lingual. Alguns medicamentos também acabam por reduzir a salivação e isso pode levar ao mau hálito”, explica o especialista. 

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário