Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Ivete Sangalo quer mais um filho, mas adia a gestação por medo do zika vírus

Cantora não foi a única brasileira a deixar a gestação para o futuro por conta do aumento no número de casos de zika vírus

Cantora Ivete Sangalo disse ter adiado a vinda do segundo filho por medo do zika vírus (Foto: reprodução do Instagram da cantora)

Ivete Sangalo confidenciou que pretende ter um segundo filho no programa “Encontro”, da TV Globo, desta segunda-feira, 9. Segundo a cantora, os planos de engravidar foram temporariamente adiados por causa do aumento de casos de zika vírus no Brasil nos últimos anos, mas eles devem ser retomados em breve, pois Marcelo, de 6 anos, quer muito ter um irmão ou irmãzinha.

Leia mais

Confira os sintomas do zika vírus nas crianças

Vai passar as férias no Rio de Janeiro? Leve repelente!

Funchicórea pode ser insegura para bebês com cólica

Nasci para ser mãe. Descobri isso. Mas mosquitinho não quer saber de autógrafo não, quer descer o sarrafo em todo mundo. Então eu fiquei um pouco temerosa com isso, mas é um desejo muito grande”, confidenciou.

A cantora também afirmou que é muito preocupada com o bem-estar do filho e dos sobrinhos, que considera como se fossem filhos. “Eu acho engraçado: eu não saio de casa sem a sacola do ‘e se’: ‘e se chover’, ‘e se sentir fome’, ‘e se sentir sede’, ‘e se quiser tirar o chinelo’. Eu levo tudo na mochila”, comentou.

“Quando a gente tem um filho, a gente assina um contrato. Lê a primeira cláusula: ‘vai ser o maior amor da sua vida’. E você, cego, assina, e não lê o resto: ‘você perderá a sua paz para sempre”, brincou Ivete.

Domingo tem!!! #thevoicekids Meu coração se enche de amor e alegria! Assistam Foto linda de @isabellapinheiro

Uma foto publicada por Veveta (@ivetesangalo) em

Adiar ou não?

A cantora Ivete Sangalo não foi a única mulher brasileira a reconsiderar uma gravidez em decorrência do zika vírus. Em uma pesquisa divulgada no fim do ano passado pelo Journal of Family Planning and Reproductive Health Care, 56% das mulheres brasileiras entrevistadas (de um total de 2 mil) disseram ter evitado ou se esforçado para evitar uma gravidez em razão da epidemia de zika.

O aumento nos casos de microcefalia em bebês e sua relação com o zika vírus é o principal motivo pelo adiamento. Até 2016, o Brasil contabilizou cerca de 2 mil casos de microcefalia, uma grave anomalia cerebral, em recém-nascidos, potencialmente ligados ao vírus. O país é o mais afetado das Américas.

O receio e as tentativas de evitar uma gestação das mulheres que vivem no Norte do país (66%) são ainda maiores que as que vivem no Sul (46%), visto que a epidemia foi mais grave nesses estados. A pesquisa também mostrou que as negras (64%) e as pardas (56%) também são mais numerosas que as brancas (51%) ao adiar a gestação. Isso se dá, provavelmente, em razão do impacto mais significativo da epidemia “nos grupos raciais mais vulneráveis”, de acordo com os pesquisadores.

Nenhuma diferença foi observada, porém, em relação à religião. Para os autores do estudo, os resultados do estudo deveriam estimular o Brasil a “reavaliar sua política da Saúde em matéria de reprodução, com o objetivo de garantir um melhor acesso às informações e aos métodos contraceptivos”.

8 recomendações para você

Deixe seu comentário