Pesadelos todas as noites podem indicar doenças graves, como Parkinson

Apneia do sono, infecções, doenças cardíacas e até mesmo doenças degenerativas, como o Mal de Parkinson podem ter como sintomas os pesadelos. Fique atento!

Pesadelos com frequência são sinais de doenças mais graves (Foto: Bigstock)

Ter pesadelos com muita frequência pode indicar problemas graves de saúde, como apneia do sono, Mal de Parkinson, doenças cardíacas, infecções e até mesmo a menopausa. A má qualidade do sono, que se manifesta em pesadelos, deve ser compartilhada com os médicos, embora poucas pessoas lembrem de avisar os profissionais.

A apneia do sono é um distúrbio grave, em que a pessoa tem dificuldades para respirar durante a noite e inclusive interrompe a respiração por alguns segundos, diversas vezes durante a noite. Em um estudo realizado pela Universidade de Swansea, no Reino Unido, em 2011, foram avaliados os sonhos de 47 homens com apneia. Aqueles com sintomas mais graves da doença relataram terem mais pesadelos “emocionalmente negativos e desagradáveis”, mostrando uma relação entre os sonhos com a saúde dos participantes.

Assim como a apneia, algumas infecções, doenças cardíacas, Mal de Parkinson e mesmo a menopausa também apresentam os pesadelos como sintomas, de acordo com informações da Luciane Mello, especialista do sono, responsável pelo Ambulatório de Ronco e Apneia e pelo serviço de Polissonografia do Hospital Federal da Lagoa, no Rio de Janeiro. “A frequência de sonhos ruins é motivo de preocupação e é importante ter um acompanhamento médico”, explica a especialista.

Atividades que “previnem” os pesadelos

Alguns hábitos podem ajudar na “prevenção” dos pesadelos, enquanto outros podem prejudicar a noite de sono. Lembre-se de cortar alimentos ricos em cafeína antes de dormir, como café e refrigerantes a base de cola. Mantenha distância de todo tipo de bebida alcoólica e da nicotina do cigarro.

Praticar exercícios físicos ajudam a reduzir os pesadelos, além de proporcionar sonos mais tranquilos. Evite também tomar remédios para dormir e procure cuidar dos níveis de estresse e ansiedade antes de deitar.

LEIA TAMBÉM

>> Colocar o bebê para dormir em caixas de papelão é moda em países desenvolvidos

>> Aparelho que simula limitações físicas ajuda a entender dificuldades dos idosos

>> Pílula anti-HIV é liberada pelo SUS e começa a ser distribuída em Curitiba

8 recomendações para você

Deixe seu comentário