Foto: Bigstock
Foto: Bigstock| Foto:

A menopausa é um fenômeno comum a todas as mulheres, algumas precocemente. Ainda que não menstrue e nem ovule, surgem algumas dúvidas a respeito da relação entre menopausa e capacidade reprodutiva. Conversamos com Almir Antonio Urbanetz, professor titular do Departamento de Tocoginecologia do setor de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e diretor de defesa profissional da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Paraná (Sogipa-PR), que esclareceu alguns pontos importantes sobre o assunto. Confira:

A partir de quais características é fechado o diagnóstico de menopausa?

O diagnóstico da menopausa é clínico e retrospectivo. A paciente deve estar com idade ao redor dos 50 anos e sem menstruação há pelo menos um ano. As características clínicas incluem ondas de calor notadamente no rosto, pescoço e peito (principalmente à noite, com vários episódios), acompanhadas de sudorese. Além disso, a mulher pode apresentar nervosismo, depressão, dor de cabeça, dor nas articulações, zumbidos, palpitação, dificuldade para dormir, vertigens e amortecimento nos membros. Quando a paciente foi submetida à retirada do útero, pode ser solicitado dosagens séricas do Hormônio Folículo Estimulante (FSH), que deve estar maior que 40 IU/l. Quando esse quadro clínico ocorrer abaixo dos 40 anos, é considerada a Insuficiência Ovariana Precoce ou Falência Ovariana Precoce (menopausa precoce).

Quais as principais causas da menopausa precoce?

As principais causas de menopausa precoce incluem doenças infecciosas (parotidite, varicela e outros), hereditárias, genéticas (ligadas ao X ou autossomos), formas alteradas de gonadotrofinas, aplasia congênita do timo, doenças autoimunes e iatrogênicas (radiação, quimioterapia e ooforectomia, que é a retirada de um ou dos dois ovários).

Ainda existe alguma chance de engravidar naturalmente neste período? A literatura médica tem algum registro?

Após a mulher entrar na menopausa de maneira definitiva, em torno dos 48 a 50 anos de idade, não há possibilidade de gravidez naturalmente. Em casos de Falência Ovariana Precoce, de 5% a 10% das pacientes podem engravidar espontaneamente. A gestante mais idosa no tempos modernos foi uma mulher que deu à luz quando tinha 57 anos e 120 dias nos Estados Unidos (porém, não estava na menopausa).

LEIA TAMBÉM

>>> Nova técnica de ensaios newborn captura o bebê com seu melhor amigo

>>> Entenda a importância do Teste do Pezinho para o desenvolvimento da criança

>>> Conheça os principais cuidados com o coto umbilical

O avanço nas técnicas de reprodução assistida permitem que uma mulher engravide mesmo após cessar as menstruações?

Com as novas técnica de reprodução assistida é possível que uma mulher engravide após a parada definitiva das menstruações, contudo, após ovodoação. Há relato na literatura de uma mulher indiana de 70 anos de idade que deu à luz gêmeos após ser submetida a uma reprodução assistida. O Comitê de Ética da Sociedade Americana para Medicina Reprodutiva defende que a gravidez na pós-menopausa seja desencorajada devido aos risco médicos e psicológicos envolvidos. A gravidez pode ter complicações como abortamento, diabetes gestacional, pré-eclâmpsia, Síndrome HELLP, parto prematuro, crescimento intrauterino restrito, feto com baixo peso e óbito fetal intrauterino.

Mulheres em menopausa precoce têm um prognóstico mais positivo para gestação em comparação àquelas com menopausa no tempo certo?

A gravidez tem sido observada mesmo em mulheres com menopausa precoce que utilizam contraceptivos hormonais orais. Os mecanismos para explicar essa maior ocorrência de gravidez após estrogenoterapia em mulheres com esse diagnóstico ainda são pouco entendidos, mas sugerem interferência dos estrogênios na regulação da população de receptores de FSH nos folículos ovarianos. O uso de gonadotrofinas para indução da ovulação nas formas em que haveria indicativo de função folicular não oferece bons resultados. A chance é semelhante à gestação espontânea. O tratamento de escolha para mulheres com menopausa precoce é a fertilização in vitro (FIV) com doação de oócitos. Mulheres com menopausa precoce espontânea (não iatrogênica) e cariótipo normal, têm chances similares de sucesso às mulheres que se submetem à FIV convencional. Portanto, sim, mulheres com menopausa precoce têm um prognóstico de gestação melhor em comparação àquelas com menopausa no tempo certo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]