Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
(Foto: Bigstock)
(Foto: Bigstock)| Foto:

Esofagite eosinofílica é o nome da doença que, frequentemente, é confundida com a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) pelos seus sintomas parecidos. O próprio diagnóstico só é feito quando as pessoas não respondem ao tratamento padrão para a DRGE, através dos medicamentos inibidores da bomba de próton, e possuem alergias a leite de vaca, trigo, ovo, soja e peixes ou frutos do mar. Isso porque a doença pode ser desencadeada por essas alergias alimentares.

A esofagite é uma doença que acomete o esôfago, mediada por mecanismos imunológicos, e que forma inflamações e disfunções no local. Dentre os sintomas mais comuns estão vômitos, disfagia ou a dificuldade para deglutir, dor abdominal e dor torácica. Embora a doença possa acometer todas as faixas etárias e gêneros, é mais comum em adultos do sexo masculino. 

Leia mais

Zé Gotinha e Carreta Furacão ensinam crianças sobre vacinação

Brad Pitt não bateu nos filhos, mas abuso emocional também causa danos

Rede de hoteis “super econômicos” vai cobrar diária de 2 dólares

Para um diagnóstico mais preciso da esofagite, é preciso ter critérios clínicos e histopatológicos, através de uma biópsia de esôfago – já que não existe um exame específico para reconhecer a doença.

“São considerados os sintomas clínicos sugestivos, associados à presença na mucosa esofágica de menos de 15 eosinófilos, visto pela endoscopia digestiva alta e pela biópsia de esôfago, além da exclusão de outras doenças”, explica Norma Rubini, vice-presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) e palestrante do 43º Congresso Brasileiro de Alergia e Imunologia que acontece em Curitiba, a partir do dia 28 de setembro.

Tratando com comida

Como boa parte das pessoas com esofagite eosinofílica apresentam alergia alimentar, o tratamento principal contra a doença é feito através de uma dieta restritiva e o uso de medicamentos corticoides. Ou seja: corte no leite de vaca, alimentos com trigo, ovo, soja e peixes ou frutos do mar.

Até o momento não existe uma cura para a doença, mas o tratamento atual consegue controlar os sintomas, melhorando a qualidade de vida do paciente. Para o futuro, pesquisadores estão procurando novas formas de controlar a doença, com o uso de anticorpos monoclonais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]