Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Pulseira que dá choque promete mudar hábitos como fumar e comer mal

Objetivo da pulseira é facilitar a mudança de comportamentos, sejam eles uma melhora na alimentação ou parar com o hábito de fumar

Pulseira oferece choque de 50 a 450 volts para mudar hábitos "errados"Pulseira do choque promete auxiliar em mudanças de hábitos como parar de fumar, parar de falar palavrão, melhorar a alimentação e até acordar mais cedo. (Foto: reprodução do site da empresa).

Na tentativa de acabar com hábitos considerados “errados”, uma empresa norte-americana criou uma pulseira que dá choques. Se a ideia é parar de fumar, toda vez que a pessoa fizer um movimento com o braço que lembre o ato de colocar o cigarro na boca, a pulseira dispara.

O mesmo vale para quem quer mudar a alimentação, acordar mais cedo, parar de falar palavrão ou mesmo diminuir o tempo que passa procrastinando.

>>> Estudo associa doença cardíaca à dificuldade em perdoar

Chamada de Pavlok (nome que remete ao fisiologista russo Ivan Pavlov, conhecido pelos estudos em condicionamento), a pulseira emite de 50 a 450 volts, dependendo da escolha de cada usuário, além de soar um apito e vibrar.

Para receber o choque, a pessoa pode tanto programar a pulseira para os movimentos “suspeitos” através de um aplicativo no celular, quanto aplicar ela mesma, toda vez que estiver fazendo algo que queira abandonar.

A pulseira custa cerca de R$ 760 (US$ 199), não é a prova d’água e não deve ser usada em crianças, animais de estimação, mulheres grávidas ou pessoas com problemas cardíacos.

Pulseira oferece choque de 50 a 450 volts para mudar hábitos "errados"

Já imaginou mudar os hábitos na base do choque? Uma empresa norte-americana criou uma pulseira exclusiva para isso (Foto: Bigstock)

Choques funcionam?

Embora os clientes da Pavlok aprovem os resultados da medida, e afirmem que a mudança de hábitos ocorre em poucos dias, esse não é consenso das especialistas em psicologia e estudiosas do comportamento humano ouvidas pelo Viver Bem.

“Condições agressivas [como a pulseira que dá choques] funcionam muito pouco e por pouco tempo. A punição física é muito antiga e abandonada pela psicologia há décadas. Até me chama atenção as pessoas desenvolverem uma coisa que é tão antiga”, explica Claudia Lúcia Menegatti, psicóloga e professora do curso de Psicologia da PUCPR.

Além de não obter os resultados esperados de forma concreta, usar uma punição como forma de mudança de comportamento pode trazer outros problemas, como ansiedade e raiva.

“Toda punição tem um risco de ter subprodutos como ansiedade, raiva e desenvolver outros comportamentos. Por exemplo, se eu quero mudar minha alimentação, mas hoje tem uma festa que eu não quero perder, eu tiro a pulseira. Ou diminuo a voltagem, torno aquilo uma brincadeira. Esse procedimento, isoladamente, pode ter um efeito apenas temporário, caso não esteja envolvido com associações positivas”, explica a psicóloga Claudia Lúcia Menegatti. 

O usuário da pulseira também pode associar outros comportamentos compulsivos, conforme lembra Mariana Salvadori Sartor, psicóloga, mestre em Análise do Comportamento e doutoranda em Psicologia Clínica pela USP, e professora do curso de Psicologia da Universidade Positivo:

“Vai ser uma mudança de sintoma. A pessoa quer parar de fumar, por exemplo, e pode se engajar com outros comportamentos que produzem a mesma reação que o cigarro produzia. Ela continua compulsiva, mas o objeto muda. Agora ela pode ser aquela pessoa que não sai da academia. Ela pode até ficar mais saudável por um tempo, mas em um momento ela se esgota fisicamente, e o padrão continua o mesmo”, diz.

Pulseira oferece choque de 50 a 450 volts para mudar hábitos "errados"

Pulseira oferece choque de 50 a 450 volts para mudar hábitos “errados” (Foto: reprodução do site da empresa).

Como mudar de hábitos sem precisar do choque

Hábitos como comer e fumar são determinados por uma série de variáveis muito diferentes, e se relacionam com as emoções, com o contexto em que a pessoa está inserida. Não são, portanto, fáceis ou rápidos de mudar.

“A psicologia agressiva [como a pulseira que dá choque] é vista com cuidado pelos especialistas. As mudanças mais efetivas têm relação com a mudança do contexto da pessoa. Por exemplo, ir para a academia com uma companhia funciona mais do que ir sozinho, porque ela não vai só para fazer exercícios, mas para encontrar um amigo”, explica Claudia Lúcia Menegatti, psicóloga.

É um erro ainda pensarmos na mudança de hábitos como uma ação que exige uma força de vontade interna, que possa ser feito sem nenhuma ajuda, ou que precise ser rápido, conforme lembra Mariana Sartor, psicóloga.

“É um sintoma da cultura atual, de querer tudo rápido, uma mudança rápida. Devemos entender que uma mudança de hábito é mais complexo do que simplesmente punir aquele comportamento. Se a pessoa quer mudar, isso demanda esforço e organização, que vem de fora também. A estratégia da pulseira, embora tente mudar o contexto, é pouco provável que mude o comportamento”, explica Mariana Sartor, psicóloga.

Outra situação que provoca uma mudança de hábito, mas que não é tão desejada pelos praticantes, que é o “susto”.

“A pessoa tem uma emergência cardíaca, entra em contato com o sentimento da finitude. Isso se torna tão agressivo, mais que um choque de uma pulseira, que transforma os hábitos da pessoa, antes tão prazerosos, em um significado mais assustador”, diz Menegatti.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário