Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Homens são mais “frescos” que as mulheres quando sentem dor?

Mesmo sendo mais sensíveis que os homens, por razões hormonais as mulheres são também mais resistentes à dor

A explicação é científica para os homens sofrerem mais que as mulheres quando afligidos pela dor. Foto: Bigstock.A explicação é científica para os homens sofrerem mais que as mulheres quando afligidos pela dor. Foto: Bigstock.

“Durante o parto, as mulheres entendem a dor que um homem sente quando está com febre”. Já ouviu essa piada? De acordo com neurologistas e especialistas na área, essa brincadeira não reflete a realidade.

Isto porque diferentemente do que diz o senso comum, as mulheres são sim mais sensíveis à dor e sentem em maior intensidade incômodos que podem passar despercebidos pelos homens.

A explicação está nos hormônios femininos, como o estrogênio, que além de controlar a ovulação, também intensifica sensações como a dor e a irritabilidade.

Entretanto, justamente por sentirem dor em maior intensidade, as mulheres ficam também mais resistentes a ela.

A resistência feminina está ligada ao fato de elas passarem por mais episódios dolorosos ao longo da vida – que incluem partos, crises de enxaqueca, cólica menstruais e acometimento por doenças crônicas – apesar de também evidenciar uma questão cultural, explica o coordenador do Grupo de Dor do INC (Instituto de Neurologia de Curitiba), Daniel Benzecry de Almeida.

“Desde cedo a mulher desenvolve uma rotina de assistência médica, com idas ao ginecologista, por exemplo, algo muito diferente do comportamento masculino. Por isso e por passar vários episódios de dor, ela se conhece melhor e tem uma proteção para saber até que nível a sensação é aceitável. O que a mulher sente é mais forte, mas ela também tem uma melhor percepção da gravidade. Já o homem tende a perceber a dor de forma mais dramática”, resume.

Os estudos médicos na área provam que a ocorrência de doenças e sintomas dolorosos na mulher é realmente mais frequente. A Sociedade Brasileira do Estudo da Dor, por exemplo, diz que 15% das mulheres sofrem com cólicas menstruais excruciantes, suficientemente fortes para as deixarem de fora das atividades diárias como ir à escola ou ao trabalho.

A dor do parto, que também é relatada por 95% das mulheres, quando comparada a outras condições dolorosas através do questionário de dor de McGill, recebe pontuação maior do que a dor do câncer ou de uma fratura óssea.

“A cefaleia, por exemplo, atinge o dobro de mulheres do que os homens. Em doenças crônicas como a fibromialgia, essa proporção pode ser até nove vezes mais comum entre elas”, diz Almeida.

Falando tecnicamente

Para a Sociedade Brasileira de Estudo da Dor, as alterações hormonais explicam a maior parte dos motivos pelos quais as mulheres sofrem mais. Isto porque “aumentam a expressão do fator de crescimento neural e o número de sinapses excitatórias no hipocampo”, segundo a instituição. Traduzindo, o estrogênio é capaz de potencializar tudo o que elas sentem.

“Ainda faltam muitas respostas para conhecer exatamente como os hormônios influenciam diretamente nisso. Mas vamos entender dessa forma: se eu pegar um alfinete e picar meu dedo, o estímulo vai chegar ao meu cérebro, percorrendo um caminho”, exemplifica o neurologista do INC. “Só que nesse trajeto podemos sentir a picada de forma mais forte, se estivermos gripados ou com febre. Esse fenômeno é a sensibilização. A teoria mais aceita é de que os hormônios ativam esse mesmo mecanismo e, através dos receptores, fazem as mulheres sentir mais dor”, finaliza.

Hábitos saudáveis diminuem a sensibilidade

Antes de se dar por vencida, saiba que sentir mais dor não é sinal de que as doenças nas mulheres são mais graves. O incômodo causado com a sensibilização, no entanto, não deve ser desprezado e pode ser diminuído através de exercícios físicos rotineiros, alimentação regrada e meditação.

Sofrendo com fibromialgia há quatro anos, a palestrante Lynna Dutra, 34 anos, conta que aprendeu a conviver com as fortes dores, mas reclama que a sensação, aliada à confusão mental causada pela fibromialgia, prejudicam seu lazer.

>> Maracujá, alface e espinafre: conheça a dieta para parar de fumar

“Gosto muito de ler, estudar e me comunicar. Passei a ter dificuldade em assimilar aquilo que leio, em dias de crise.” Ela tenta driblar os dias mais difíceis usando essas técnicas. “O emocional tem um impacto muito grande. No dia a dia, sabemos que quem sofre com dor tem que estar exprimindo ela de uma forma aparente, se não as pessoas acham que é algo leve”, lamenta.

“A maioria tenta compreender a dor baseada em sua experiência pessoal, mas quem sofre com dor crônica sabe que é como se não existisse um filtro entre a sensação e o cérebro”, resume.

Companheira de diagnóstico, a cabeleireira Simone Alves, 48 anos, diz que descobriu a doença há nove anos, mas até chegar a este ponto sofreu com incompreensão do ex-marido, que não conseguia entender da mesma forma que ela, o nível de sensibilização.

“A mulher sente mais, mas é mais forte para suportar a carga”, comenta. “A gente se abre mais facilmente para relatar o que sentimos e corremos atrás dos recursos para atingir um equilíbrio, na alimentação e no estilo de vida”, continua.

“Já os homens, em geral, são menos pacientes e costumam não buscar ajuda para melhorar a dor. Isso entra muito na particularidade entre os sexos”, finaliza.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário