Patrocínio

Hospital Pilar Instituto de Oncologia do Paraná

Quer mais resultado ao se exercitar? Treine no frio!

Perto dos 10 graus C os músculos ficam irrigados com mais sangue e ajudam a melhorar o desempenho esportivo

Em dias mais frios, quando a troca de calor com o ambiente fica mais fácil, o sangue pode priorizar a irrigação dos músculos e não da pele. Portanto, essas partes recebem mais oxigênio e nutrientes, o que ajuda a explicar o melhor desempenho. Foto: Bigstock.Em dias mais frios, quando a troca de calor com o ambiente fica mais fácil, o sangue pode priorizar a irrigação dos músculos e não da pele. Portanto, essas partes recebem mais oxigênio e nutrientes, o que ajuda a explicar o melhor desempenho. Foto: Bigstock.

Pode até ser difícil levantar da cama e encarar uma rotina de exercícios ao ar livre, mas a prática durante o inverno é muito recompensadora.

Isto porque, ao contrário do que o senso comum pode indicar, praticar esportes quando a temperatura está mais amena impulsiona o desempenho físico e melhora os resultados tanto na balança, como no cronômetro.


A explicação é razoavelmente simples e passa por dois pontos principais: o fluxo sanguíneo e o calor que nosso corpo gera durante a atividade.

“Quanto mais intensa é nossa prática, mais a temperatura interna aumenta. Em dias em que o clima está ameno, esse calor se dissipa mais facilmente para o ambiente”, explica o professor de fisiologia do exercício da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Bruno Moreira Silva.

Em dias quentes a pele precisa ser mais irrigada pelo sangue, para facilitar a troca de calor entre o corpo e o ambiente, o que causa uma competição pela irrigação com os músculos.

“O sistema cardiovascular funciona como um cobertor curto: a quantidade de sangue não é suficiente para atender todos os nossos vasos”, diz o docente, que também é membro da Sociedade Brasileira de Fisiologia.

“Então, em dias mais frios, quando a troca de calor com o ambiente fica mais fácil, o sangue pode priorizar a irrigação dos músculos e não da pele. Portanto, essas partes recebem mais oxigênio e nutrientes, o que ajuda a explicar o melhor desempenho”, fala o profissional.

Mas o que é ameno?

Para os estudiosos na área, cada organismo tem uma temperatura ótima para atender suas necessidades. Entretanto, o consenso é que essa faixa está entre os 8 graus C e 12 graus C, temperatura em que o corpo encontra facilidade para atingir seu ponto de equilíbrio.

Exercitar-se no frio pode dar melhores resultados. Foto: Bigstock.

Exercitar-se no frio pode dar melhores resultados. Foto: Bigstock.

“Em esporte como recreação, correr em uma temperatura de 10 graus C significa um desconforto menor”, diz o professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Sérgio Gregório da Silva, especialista em fisiologia do exercício.

O médico veterinário Marco Ostrowski que o diga. Para ele, é no verão que há mais desconforto ao correr. O atleta amador de 38 anos mantém uma rotina de exercícios que inclui corrida de rua e montanha, musculação, além de Pilates.

“Tudo que eu faço em uma temperatura mais baixa, faço com mais prazer. No inverno, posso fazer exercício em qualquer horário. No calor, só faço meus treinos quando já não tem mais sol ou dentro de uma academia, para fugir das temperaturas altas”, conta.

A seletividade não é apenas mero acaso. O médico veterinário explica que em dias mais quentes, quando sente a temperatura corporal aumentar muito, vê a diferença no tempo em que executa seus trajetos. “A intensidade da corrida muda. Se está muito quente, de duas uma: ou eu diminuo a velocidade para conseguir chegar até o final da corrida ou faço muito mais força para terminar no tempo planejado”, relata.

Frio rigoroso também não é ideal

O educador físico Leonardo Pontarolli explica que as alterações no clima são ainda mais sentidas por aqueles que praticam esporte amador.

>> Triclosan: componente de pasta de dente é associado à osteoporose em mulheres

“Para os atletas de performance, cada grau a mais ou a menos impacta porcentualmente em seu resultado e pode ser a diferença para uma medalha ou não. Mas são pessoas que estão adaptadas a trabalhar em uma linha de esforço mais exaustiva. Os amadores, não”, comenta. “Por isso que um dia mais quente pode acabar com a corrida de alguém”, explica.

Mas, se por um lado os termômetros acima dos 20 graus C já parecem pesadelos para alguns, temperaturas abaixo dos 7 graus C também podem significar um estresse para o corpo. Depois de ultrapassada a temperatura “ideal” para o treino, o corpo também passa a sentir efeitos negativos.

“Quanto mais frio, mais esforço seu corpo precisa fazer para se manter aquecido. Além disso, o índice de lesões, principalmente relacionadas à musculatura, também aumenta. Isto porque de fato temos uma rigidez corporal maior no inverno devido à contração dos músculos. Ficamos mais tensos para conseguir produzir esse calor extra”, resume o educador físico.

Flexibilidade e força: inimigas do frio

Essa tensão também é prejudicial para quem pratica exercícios que exigem flexibilidade, como ioga e pilates, ou que exigem muito da musculatura, como é o caso da musculação.

O mal-estar dos dias quentes atrapalha o exercício, tornando-se mais aprazível no frio. Foto: Bigstock.

O mal-estar dos dias quentes atrapalha o exercício, tornando-se mais aprazível no frio. Foto: Bigstock.

“Tudo que necessita de alongamento fica mais difícil no inverno, nos sentimos mais enrijecidos e travados. Quando a temperatura está maior temos mais flexibilidade e amplitude de movimento”, acrescenta o professor Moreira Silva, da Unifesp.

“O mesmo vale para o uso da força muscular. Daí vem a necessidade de um bom aquecimento em épocas mais frias, justamente para driblar isto”, arremata.

Outro segredo compartilhado entre os docentes é a rotina. “Não devemos deixar de praticar atividades físicas porque estamos incomodados com uma certa temperatura. Se praticamos com regularidade, passamos por qualquer estação sem sentir grandes diferenças térmicas”, aconselha o professor da UFPR, Gregório da Silva.

Exercite-se

Pratique exercícios ao ar livre, mesmo no inverno:
Os profissionais ouvidos pelo Viver Bem deram seis dicas fundamentais para manter a rotina de exercícios mesmo nos meses mais frios. Confira.

• Tome a vacina contra a gripe! O ar gelado ressaca as vias aéreas e as deixam mais propensas a infecções.
• Abaixo dos 10 graus C, use luvas e gorro. O corpo perde mais calor pelas suas extremidades.
• Hidratante e vaselina no rosto e braços são boas pedidas para evitar ressecamentos e irritações pelo ar gelado.
• Capriche no aquecimento! Passar mais tempo preparando o corpo é uma boa forma de evitar lesões causadas por enrijecimentos dos músculos.
• Beba água com a mesma frequência do que no calor. O corpo precisa de hidratação.
• Entretanto, evite pausas longas. Interrupções no meio do exercício fazem o corpo esfriar mais rápido no inverno e aumentam as chances de lesões.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário