i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Repelentes caseiros e alimentos previnem a febre amarela? Veja mitos e verdades

Centenas de boatos não param de circular nas redes sociais sobre fórmulas naturais contra insetos; eficácia nem sempre é comprovada

  • PorMarina Mori
  • 25/01/2018 14:00
Fórmulas naturais ajudam a espantar mosquitos, mas não devem ser a única forma de prevenção. Foto: Bigstock.
Fórmulas naturais ajudam a espantar mosquitos, mas não devem ser a única forma de prevenção. Foto: Bigstock. | Foto:

Em um momento em que o país está travando uma batalha contra surtos de doenças transmitidas por picadas de mosquitos, não faltam dicas e recomendações do que fazer para afastar os insetos. Entre os repelentes naturais caseiros mais divulgados em grupos de WhatsApp e Facebook, alguns ingredientes têm sido eleitos os ideais. Segundo as recomendações dos especialistas da internet, alho, própolis e levedo de cerveja são infalíveis para manter os mosquitos longe da pele. Será mesmo?

Na verdade, não.  “Isso tudo é mito e nada tem comprovação científica”, esclarece a nutricionista e fundadora do site Não Conto Calorias, Marina Nogueira. Incomodada com a quantidade de mensagens e falsas correntes que vem recebendo em suas redes sociais sobre como prevenir a febre amarela, ela decidiu publicar um post em seu blog para desmascarar os boatos.

Suor

Quando consumidos, os alimentos em questão provocariam no corpo uma alteração no suor. Este, por sua vez, liberaria um “cheiro desagradável” capaz de espantar os mosquitos. O problema, segundo a nutricionista, é que, para fazer efeito, seria preciso ingerir quantidades absurdas de cada um deles. “Algumas gotinhas de própolis e dois dentes de alho não são suficientes para alterar o suor”, garante.

Além do mais,  é bem provável que alguém que tenha coragem de consumir uma cabeça de alho todos os dias ganhe como efeito colateral muita azia e mau hálito.

Mas não é só isso. Marina explica que, por mais que alguns alimentos possam de fato alterar o suor, essa mudança é muito rápida e transitória. “Estamos falando de minutos. É o tempo de o corpo metabolizar e jogar para o suor, depois tudo volta ao normal”, diz.

Alho, só para temperar a comida. O ingrediente não funciona como repelente natural. Foto: Gaelle Marcel / Unsplash
Alho, só para temperar a comida. O ingrediente não funciona como repelente natural. Foto: Gaelle Marcel / Unsplash

O mito da vitamina B

Talvez esta seja a mentira mais espalhada pela internet. A nutricionista reforça que não há comprovação científica de que suplementos vitamínicos do complexo B são capazes de alterar o metabolismo e agir como repelentes. Quem cai na lorota das correntes virtuais ou nas histórias “verídicas” de alguém-que-conhece-alguém-que-tomou-e-funcionou pode até correr o risco de desenvolver uma hipervitaminose.

“São raros os casos, mas, quando acontece, podem ocorrer problemas cardíacos com alteração de pressão arterial, parestesia e dores musculares”, alerta a especialista.

Repelentes naturais com plantas

A médica infectologista e epidemiologista Betânia Nogueira afirma que existem, sim, algumas plantas aromáticas capazes de afastar os mosquitos, como a citronela, o alecrim e a lavanda. Porém, elas não devem ser usadas como única prevenção. “Em uma situação de epidemia e de uma doença grave como a febre amarela, temos que confiar nos produtos que têm comprovação científica. Neste momento, não há recomendação para os repelentes caseiros”, afirma.

LEIA TAMBÉM

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.