Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Como ajudar um paciente em crise de diabete

Durante uma crise de hipoglicemia, tomar refrigerante, comer bala ou mesmo um saquinho de açúcar salva a vida e reduz sequelas

Bigstock

É comum pensar que o diabético não pode jamais comer açúcar. Mas, em um momento de crise é ele que deve ser usado para proteger o doente de entrar em coma ou ter sequelas no raciocínio e na memória.

Ter crises pela falta ou excesso de glicose no sangue não é mais algo tão comum, devido aos novos medicamentos e insulinas de longa duração. Quem corre mais risco de ter crises de hipoglicemia, quando o açúcar fica muito abaixo do normal, é o diabético tipo 1, que faz uso diário da insulina, produzida em poucas quantidades pelo pâncreas.

“As crises de hipoglicemia são divididas em leves e graves. As leves são mais frequentes, e logo que o paciente sente os tremores, sudorese e palpitação procura algo para elevar a glicemia, seja uma bala, suco ou porção de açúcar”, explica o professor da disciplina de endocrinologia da UFPR e presidente do Centro de Diabetes de Curitiba, Edgard Niclewicz.

Se o diabético começar a falar sem sentido, não conseguir raciocinar direito ou desmaiar, trata-se de uma crise grave. “O paciente pode não ter os sintomas de uma crise leve antes de partir para o desmaio, por isso é mais perigosa. Ele está bem e, de repente, fica pálido, não reconhece as pessoas e desmaia, podendo entrar em coma rapidamente”, diz Niclewicz.

Tatuagem salvadora
Ter consigo uma identificação da condição de diabético é importante na hora das crises. Mais efetivo que andar com um colar, pulseira ou cartão que diz “sou diabético”, é tatuar a mensagem no corpo. A moda envolveu diversos diabéticos, inclusive alguns famosos, como o músico Dado Villa-Lobos, do Legião Urbana, que traz no braço direito o nome, o tipo sanguíneo e a informação da doença. A Associação de Diabetes Juvenil lançou, em 2014, a campanha Identiarte que incentiva os diabéticos a tatuarem o círculo azul, símbolo da doença. Veja mais sobre isso neste site.

Tatuar a condição diabética é incentivado em campanhas. Foto: Divulgação

Tatuar a condição diabética é incentivado em campanhas. Foto: Divulgação

Agindo rápido

Ajude alguém em crise:

1 Se o diabético estiver desmaiado ou desacordado, busque algo doce como refrigerante não diet, suco natural ou algo fácil de engolir.
2 Perceba se a pessoa está deglutindo bem e se ela volta rapidamente ao normal.
3 Caso demore a acordar ou não consiga engolir, chame a emergência.
4 Se for crise de hipoglicemia, veja se ele carrega o kit com o hormônio glucagon e aplique para ela voltar a si.

Fontes: endocrinologistas Gisah de Carvalho, professora da UFPR e Edgard Niclewicz, do Centro de Diabetes de Curitiba

Kit glucagon
Bombas de infusão de insulina e insulinas de longa duração conseguem manter a regularidade do hormônio por até 24h. É importante que o paciente sempre carregue um kit, que tenha o contra regulador de insulina, o glucagon. Quando o diabético sentir os sintomas da crise de hipoglicemia, ele mesmo pode fazer a injeção do glucagon.

Açúcar neles
Quando os níveis de açúcar no sangue ficam acima do que a insulina é capaz de cuidar, o diabético passa a sentir sintomas parecidos com a hipoglicemia: confusão mental, fala estranha, desmaio, podendo entrar em coma. Quem estiver por perto e não souber se a crise é pela falta ou excesso de açúcar, não hesite: use o açúcar.

8 recomendações para você

Deixe seu comentário