i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Banheiro limpo e sem (tantas) bactérias é possível

Você dá descarga sem baixar a tampa? Troca a toalha de banho a cada semana? Deixa o lixo transbordando? Então preste atenção às dicas

  • PorAgência RBS
  • 14/07/2015 00:52
Banheiro limpo e sem (tantas) bactérias é possível
| Foto:

O vaso sanitário precisa ser limpo duas vezes por semana com água sanitária. (Foto: Bigstock)

A maioria dos nossos hábitos de higiene é realizada em um dos ambientes da casa mais contaminados por microrganismos: o banheiro. Para evitar que essa exposição se transforme em atentado à saúde, é preciso manter cuidados com a limpeza e a disposição dos objetos.

As bactérias mais comuns nos banheiros são as enterobactérias, habitualmente encontradas no intestino, e as de pele, transmitidas por meio do contato. O primeiro grupo é um grande causador de infecções urinárias e gastrointestinais, enquanto o outro pode provocar infecções de pele como abscessos e furúnculos.

Veja dicas que podem ajudar a evitar esses tipos de contaminação:

VASO SANITÁRIO

Banheiro limpo e sem (tantas) bactérias é possível

Apesar de não ser o local mais contaminado de uma casa – a esponja para lavar a louça, por exemplo, pode armazenar ainda mais bactérias –, o vaso sanitário merece atenção. É por meio das fezes que muitas bactérias chegam ao banheiro e podem ser espalhadas no momento da descarga. Conforme o biomédico Roberto Martins Figueiredo, se não houvesse teto nos banheiros, uma bactéria poderia ser jogada até seis metros longe.

Por isso, é fundamental dar a descarga com a tampa fechada. Caso contrário, as bactérias podem ficar rodando pelo ambiente por cerca de duas horas, contaminando materiais utilizados na higiene pessoal.

A limpeza do vaso sanitário deve ser feita duas vezes por semana, pelo menos, com água sanitária. As pastilhas perfumadas, colocadas na parte interna do vaso, ajudam a desinfetar o local, mas não substituem a higienização com água sanitária.

Além disso, é importante manter o banheiro ventilado para afastar a umidade, que favorece a proliferação das bactérias.

LIXEIRA

Lixeira com pedal é a ideal.
Lixeira com pedal é a ideal.

O lixo do banheiro deve ser trocado frequentemente, nunca permitindo que transborde. Além disso, é indicado optar por lixeiras com acionamento por pedal, para evitar o contato com as bactérias acumuladas na tampa.

TOALHAS

Troque toalhas de rosto três vezes por semana.
Troque toalhas de rosto três vezes por semana.

A troca das toalhas depende da frequência de uso, mas o ideal é que não fiquem totalmente úmidas ou com sinas de sujeira muito aparentes. Em banheiros de família, geralmente compartilhados por duas ou mais pessoas, a recomendação é trocar as toalhas de rosto três vezes por semana.

A de banho deve ser de uso individual, com trocas duas vezes por semana, e o indicado é deixá-las estendidas, recebendo boa ventilação.

Nos banheiros públicos, evite utilizar os secadores de ar quente. Eles podem aumentar em 250% a propagação de bactérias nas mãos, devido ao ar do ambiente já contaminado que é sugado pelo aparelho. Nesses casos, dê preferência a toalhas de papel, com as com as quais o risco de contaminação pode diminuir em 40%.

Fontes: infectologista do Hospital Moinhos de Vento Tainá Fagundes Behle; médico infectologista do Hospital Conceição André Luiz Machado; e biomédico Roberto Martins Figueiredo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.