i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Gota também é doença de mulher

Menopausa aumenta a incidência da doença reumática

  • PorAmanda Milléo
  • 15/10/2015 05:00
Gota também é doença de mulher
| Foto:

Para algumas doenças, como a gota, as mulheres têm uma vantagem evolutiva sobre os homens. Os hormônios estrogênio e progesterona ajudam a eliminar uma quantidade maior de ácido úrico em comparação ao organismo masculino, reduzindo a hiperuricemia, excesso do ácido na circulação, principal sinal da doença. Com a menopausa, porém, o efeito protetivo some e a doença reumatológica passa a fazer parte da realidade feminina.

Ao contrário do que se imaginava, a doença não é exclusiva de pessoas que exageram na bebida alcóolica ou na alimentação, conforme explica o reumatologista espanhol Fernando Perez-Ruiz, do Biocruces Health Research Institute. Embora o álcool, quando metabolizado pelo fígado, se transforme em ácido úrico e mariscos e carne vermelha possam alterar os níveis, os fatores de risco mais importantes são envelhecimento, uso de medicamentos que elevam os níveis do ácido, como aspirina e diuréticos, e ter doenças associadas, especialmente nos rins.

“A doença não está renascendo e nem cresceu a prevalência, mas aumentou a consciência dos médicos e da população para a gota. Estamos envelhecendo e isso nos coloca em risco. Mesmo que o paciente se comporte como um monge e não coma ou beba em exagero, o impacto disso nos níveis de ácido úrico não passa de 15%”, afirma Perez-Ruiz.

Sinais

A concentração excessiva de ácido úrico na corrente sanguínea faz com que se precipitem cristais em determinados pontos nas articulações, formando os conhecidos tofos da doença. “A inflamação gera desgaste da cartilagem e lesão no osso. A pessoa que não reduz os níveis de ácido úrico tem crises repetitivas, com dores e desconfortos”, explica Geraldo da Rocha Castelar Pinheiro, coordenador da Comissão de Gota da Sociedade Brasileira de Reumatologia e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.