Patrocínio

Hospital Pilar Instituto de Oncologia do Paraná

Como cortar as unhas de bebês (e adultos) corretamente para evitar que encrave

Seja pelo formato da unha, que predispõe ao dano, ou o corte errado, a unha encravada em bebês deve ser tratada para que não gere infecção

Unha encravada em bebês: o que fazer?Bebês também podem ter as unhas dos pés encravadas, especialmente o primeiro dedo; tratamento pode ser simples, com mudança na hora de cortar, a cirurgia (Foto: Bigstock)

Bebê com unha encravada? Acontece, e é uma situação relativamente comum. Seja por conta do formato da unha dos recém-nascidos e bebês, que predispõe ao problema, ou seja pelo corte inadequado feito pelos pais ou responsáveis, o momento de aparar as unhas da criança deve ser de atenção redobrada, afim de evitar lesões importantes e até infecções.

>> Alimento ou suplemento? Como e por que incluir o colágeno na rotina

No momento do corte das unhas, deve-se prestar atenção aos cantos e deixá-los intactos. Do contrário, a unha passa a crescer para o lado errado, e vem a encravar logo na sequência.

A forma correta de cortar as unhas do bebê é reta, sem cortar os cantinhos, permitindo que a unha cresça livremente para fora da pele“, explica Maraya Mainardi, médica dermatologista pediátrica do hospital Pequeno Príncipe.

Os sinais mais comuns de que a unha encravou são de inflamação e, entre os bebês, a indicação pode ser ainda mais sutil, como: “O bebê sente dor quando alguém manipula a região da unha, ou reage ao toque e, com o passar do tempo, se a inflamação continuar, pode formar uma bolinha, que é um granuloma”, reforça a dermatologista.

Tratamentos mais indicados

O tratamento da unha encrava em crianças vai depender do grau e estágio de inflamação. Se for em um estágio inicial, basta uma orientação adequada aos pais de como fazer o corte mais adequado e o manejo correto daquela unha.

Até mesmo uma massagem no local tende a facilitar o desencravamento, segundo Daniela Seidel, médica pediatra com ênfase em cuidados na pele da criança e do adolescente da Clinikids.

“Pode-se passar um óleo, aqueles de bebê mesmo, ou um creme hidratante em cima da unha e esfregar na pele em volta da unha. Os movimentos sempre do meio da unha para a lateral, pois assim ajudará a soltar a pele encravada”, reforça a pediatra.

Caso haja uma inflamação em um estágio mais avançado, é preciso avaliar se não há nenhuma infecção e, então, o tratamento inclui o uso de antibiótico tópico ou oral. Esses são cenários mais raros com bebês e crianças pequenas.

Nas unhas encravadas mais resistentes, que não apresentam melhora com o tratamento clínico, e haja um sofrimento e interferência no dia a dia, é possível fazer a indicação da cirurgia, mesmo entre crianças, embora seja bem mais incomum.

“No caso de uma cirurgia, não se arranca mais a unha. Hoje tem uma cirurgia específica, que faz o corte apenas do canto da unha que está encravado. É feita uma ablação da parte lateral do canto da unha, de forma que a unha passe a crescer livremente, sem encravar”, sugere a dermatologista Maraya Mainardi.

Qual unha merece mais atenção?

Em geral, a unha mais acometida no pé é o dedão ou o polegar e tende a afetar, com mais frequência, homens dos 10 aos 30 anos de idade. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, além do corte inadequado, outros fatores tendem favorecer o quadro de encravamento da unha (principalmente entre os adultos), como por exemplo:

Anormalidades na forma da unha;

Excesso de suor nos pés, deixando o ambiente úmido e machucando a pele ao redor das unhas;

Uso de sapatos apertados;

Uso de meias sintéticas.

Quando o caso da unha é simples, a aplicação de órteses ou chumaços de algodão que separam a espícula da unha da pele ao redor pode ajudar. Há ainda a indicação de banhos de imersão do pé em soluções com antissépticos e agentes secativos. Quem preferir, água quente e sal também tende a ajudar a reduzir a inflamação, de acordo com a SBD.

Se surgir o granuloma (ou aquelas bolinhas ao redor da unha encravada), além de sentir dor, a lesão sangra com mais facilidade e o tratamento deve ocorrer no consultório dos médicos dermatologistas. Para tratá-la, são indicadas aplicações de ácidos fortes ou a crioterapia, além de antibioticoterapia tópica realizada em casa. Caso não seja suficiente, o médico poderá indicar a cirurgia.

Não se retira mais a unha completa nos procedimentos cirúrgicos de unha encravada. Isso porque, certamente, a unha voltará a encravar ao crescer. 

“O tratamento cirúrgico visa desobstruir a passagem da unha, retirando até sua matriz e o canto que encrava, que poderá, então, crescer livremente. Há diversas técnicas, utilizando o fenol ou não, com ou sem pontos para fechar o defeito criado. Quando a intervenção é bem indicada e realizada nas condições ideais, as taxas de recidiva são baixas, desde que o paciente evite os hábitos que o levaram a desenvolver o problema”, reforça o site da SBD.

LEIA TAMBÉM

 

8 recomendações para você

Deixe seu comentário