i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Vacina de febre amarela é contraindicada para idosos; entenda o que mudou na dose

Risco de efeitos adversos da vacinação aumentam na faixa etária acima dos 60 anos de idade

  • PorAmanda Milléo
  • 12/01/2018 04:00
Vacinação contra febre amarela não precisa de reforço - uma dose é suficiente para proteção completa (Foto: Raquel Portugal / Fiocruz Imagens)
Vacinação contra febre amarela não precisa de reforço - uma dose é suficiente para proteção completa (Foto: Raquel Portugal / Fiocruz Imagens) | Foto: Raquel Portugal

O avanço na circulação do vírus da febre amarela tem assustado os moradores de estados e regiões próximas a Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo.

Só em São Paulo, foram registradas 13 mortes decorrentes da doença. O Paraná não é considerado um estado em risco pelo Ministério da Saúde, exceto a região oeste.

Quem recebeu a vacina contra febre amarela em algum momento da vida ainda está protegido, seja qual for o tempo decorrido da imunização, e não é mais necessário o reforço da dose.

“A vacina está no calendário nacional de vacinação nas regiões em que o Ministério da Saúde considera de risco para a febre amarela. Nessas regiões, o ministério vacina todos os moradores de rotina. Se a sua região não é de risco, a vacinação só deve ocorrer se você for viajar para alguma região do país em risco ou para algum país que exija a imunização”, explica Isabella Ballalai, médica pediatra e presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Quem não deve tomar

Há, ainda, contraindicações na aplicação da vacina. Pessoas acima dos 60 anos de idade devem evitá-la, visto que nesse grupo o risco de reações adversas é maior. “A vacina da febre amarela é uma das mais seguras e, ainda que muito raramente, um caso para 3 milhões de doses, pode levar a um evento adverso grave que é a doença ser causada pela vacina”, reforça a médica.

A recomendação da SBIm, portanto, é a não vacinação de pessoas acima dos 60 anos que não vivam em regiões de risco de infecção ou que não viajem para essas regiões. “Vacinar por vacinar não deve acontecer nesse grupo”, alerta.

Da mesma forma, gestantes e bebês antes dos nove meses de idade também devem evitar, a não ser que o risco de adoecer pela febre amarela seja maior.

Vacina: uma vez na vida é suficiente

A mudança no reforço da vacina contra febre amarela, de a cada 10 anos para uma dose única, foi sugerida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e adotada no Brasil em 2017. Essa nova orientação se deve não pelo surgimento de uma nova vacina, mas porque estudos indicaram que uma dose é suficiente para a proteção total.

“O que mudou foi a percepção da proteção ao longo prazo. Diante da literatura e dos resultados práticos com a vacinação no mundo todo, podemos confiar que uma dose única é suficiente contra a febre amarela”, explica Isabella Ballalai.

Febre amarela: sinais e sintomas

Doença infecciosa aguda, de 10 dias de duração, em média, e com gravidade variável, a febre amarela é causada pelo vírus RNA e transmitida via picada de mosquito. A doença não é transmitida entre pessoas ou entre pessoas e macacos.

Dos sintomas mais comuns, febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômitos e dores no corpo são as mais comuns, além da icterícia, quando a pele e olhos ficam amarelados, e hemorragias via gengivas, nariz, estômago, intestino ou pela urina.

O tratamento se dá apenas para cuidar dos sintomas e a forma mais eficaz de prevenção é através da vacina.

LEIA TAMBÉM

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.