i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Turismo

Aeroportos do Paraná já sofrem com efeitos da greve e têm voos cancelados

Paralisação dos caminhoneiros dificulta o abastecimento de aeronaves em aeroportos paranaenses

  • PorCarolina Werneck
  • 24/05/2018 08:24
Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba/São José dos Pinhais. Foto: Antônio More/Gazeta do Povo.
Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba/São José dos Pinhais. Foto: Antônio More/Gazeta do Povo.| Foto: Gazeta do Povo

Pelo menos dois aeroportos paranaenses podem ficar sem combustível já a partir desta quinta-feira (25):o Aeroporto Governador José Richa, em Londrina, e o Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu/Cataratas. Com a paralisação nacional dos caminhoneiros entrando hoje em seu quarto dia, o combustível necessário para os voos não está chegando aos aeroportos.

O Aeroporto Internacional Afonso Pena seguia operando normalmente e sem previsão de problemas até a manhã desta quinta-feira (24). Em Maringá a informação é de que o Aeroporto Silvio Name Junior não corre o risco de sofrer atrasos e cancelamentos pelo menos até o início da próxima semana. Até a publicação dessa matéria, o aeroporto de Cascavel não tinha confirmações sobre cancelamento dos voos.

Os aeroportos de Congonhas, em São Paulo, Recife, Palmas, Maceió, e o Santos Dumont, no Rio de Janeiro, divulgaram na tarde de ontem (23) que corriam o risco de ficar sem combustível para abastecer as aeronaves devido aos protestos.

De acordo com um relatório do Núcleo de Acompanhamento e Gestão Operacional (Nago) da Empresa Brasileira de Estrutura Aeroportuária (Infraero), tanto Londrina quanto Foz estão, realmente, em uma lista de aeroportos que têm estoque suficiente apenas até amanhã. Também fazem parte dessa lista os aeroportos de Goiânia, em Goiás, o de Teresina, no Piauí, o de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, e o de Ilhéus, na Bahia.

O que dizem as instituições

Procurada pela reportagem, a Infraero não quis dar informações sobre a situação de nenhum aeroporto, especificamente. O órgão se pronunciou somente por meio de uma nota em seu site. “A Infraero esclarece que seus aeroportos estão operando normalmente e que está monitorando o abastecimento de querosene de aviação por parte dos fornecedores que atuam nos terminais, além de estar em contato com companhias aéreas e órgãos públicos relacionados ao setor aéreo para garantir o fornecimento de combustível de aviação. Em caso de dúvidas, a Infraero recomenda aos passageiros que procurem suas companhias para consultar a situação de seus voos. Aos operadores de aeronaves, a empresa orienta que façam a consulta sobre a disponibilidade de combustível na origem e no destino do voo programado.”

Outros órgãos públicos e entidades privadas ligados à aviação civil também divulgaram notas a respeito da situação. A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) disse, na tarde de quarta-feira, que “haverá impactos para as operações aéreas nas próximas horas em decorrência da falta de abastecimento de combustível em alguns aeroportos brasileiros“. De acordo com a Abear, ainda não é possível “contabilizar o número de voos ou rotas impactadas”. Mesmo assim, a associação orienta os passageiros a se informar sobre a situação de seus voos junto às companhias antes de se deslocar aos aeroportos.

O mesmo conselho vem, ainda, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). “A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) recomenda aos passageiros com voos marcados para os próximos dias que consultem as empresas aéreas antes de se deslocarem para os aeroportos até que a situação se normalize.”

Latam flexibiliza regras

Das companhias brasileiras que operam no Paraná – Gol, Latam, Avianca e Azul – apenas a Latam já se posicionou oficialmente sobre o problema. Um comunicado em seu site informa que a companhia está flexibilizando as regras de remarcação em alguns aeroportos. “Para minimizar impactos aos seus passageiros, a companhia flexibilizará suas regras, oferecendo isenção da cobrança de taxa de remarcação da passagem para nova data à escolha do cliente, sem multas, em voos domésticos com partidas, chegadas ou conexões programadas para os aeroportos de Aracaju, Brasília e Recife nos dias 23 e 24 de maio. Os passageiros impactados por esta contingência podem entrar em contato com a Central de Vendas, Informações, Fidelidade e Serviços (4002-5700 nas capitais ou 0300-570- 5700 nas demais localidades do Brasil) ou procurar uma loja da companhia.”

LEIA TAMBÉM:

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.