Latam troca de avião e deixa pelo menos 60 passageiros sem embarcar para Curitiba

Caso aconteceu em um voo que viria do Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos; passageiros receberam R$ 600 de indenização

Voo LatamO voo LA4571 decolou com pouco mais de meia hora de atraso. Foto: VisualHunt.

Pelo menos 60 passageiros que viriam de São Paulo para Curitiba não puderam embarcar no voo LA4571 da Latam na tarde do último domingo (21). O avião, que partiria do Aeroporto Internacional de Guarulhos às 16h10, precisou ser substituído por um de menor capacidade.

De acordo com leitores do Viver Bem, a Latam ofereceu R$ 600 para que alguns passageiros aceitassem mudar o voo por outro que partiria três horas mais tarde. Através de uma nota, a companhia confirmou a necessidade da troca da aeronave – um A321 por um A320 – para uma manutenção corretiva; por isso, a restrição de embarque de alguns clientes.

“A companhia lamenta os transtornos e ressalta que prestou toda a assistência aos passageiros, que seguiram para o destino final nos voos disponíveis ao longo do dia”, informou a nota.

>> De bagagem perdida ao cancelamento: como pedir indenização nos problemas com voos

A Latam não confirmou o número exato de passageiros afetados. Mas, segundo as especificações da frota informadas no site oficial, o A321 comporta 220 passageiros, enquanto o A320 tem capacidade para 156.

O que diz a lei

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), as companhias aéreas são obrigadas a informar imediatamente os clientes sobre atrasos, cancelamentos de voo e preterição de passageiros – como o que ocorreu no fim de semana.

A Resolução nº 400/2016 estabelece que a empresa deverá oferecer aos passageiros opções de reacomodação em outro voo, reembolso integral ou execução do serviço por outro meio de transporte. Além disso, a companhia também deve prestar assistência material quando cabível.

As outras companhias aéreas que operam rotas domésticas também foram procuradas pela reportagem para comentar as medidas adotadas. A Gol informou que o procedimento é comum em casos de manutenção não programada ou overbooking, com a indenização aos passageiros que aceitem trocar de voo voluntariamente.

Já a Azul afirmou, através de uma nota à imprensa, que não realiza a prática do overbooking. “No entanto, caso haja preterição ao passageiro por alguma razão, a companhia cumpre rigorosamente os artigos 23 e 24 da Resolução 400 da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil)”, completa.

E a Avianca informou que a preterição de passageiros pode ocorrer em situações pontuais, como manutenções não programadas, em que há a necessidade de troca de aeronaves. “Nessas circunstâncias, a empresa sempre trabalha para remanejar todos os clientes da maneira mais rápida possível, oferecendo todo o suporte necessário a seus passageiros. A Avianca Brasil destaca ainda que as manutenções não programadas são procedimentos, embora indesejados, às vezes necessários em operações aéreas, para garantir a segurança dos passageiros e colaboradores, prioridade número um da companhia”, conclui em uma nota enviada à reportagem.

LEIA TAMBÉM:

8 recomendações para você

Deixe seu comentário