PUBLICIDADE

Turismo

Miami deixa de ser destino mais visitado por brasileiros nos EUA

Balanço aponta que o aeroporto de Orlando bateu recorde de passageiros em 2017, e ultrapassou a quantidade de turistas que visitam Miami

O Aeroporto Internacional de Orlando possui orientações em português e funcionários fluentes no nosso idioma. Foto: Divulgação.

Miami é o destino queridinho dos brasileiros? Não mais, pelo menos desde o ano passado. Um levantamento divulgado nesta semana aponta que o Aeroporto Internacional de Orlando bateu recorde de passageiros em 2017 e ultrapassou a quantidade de pessoas que pousam e decolam em Miami, até então o terminal mais movimentado da Flórida. O aumento foi de 6,52% em relação a 2016, com 44,6 milhões de passageiros, principalmente turistas brasileiros.

Segundo a Autoridade de Aviação da Grande Orlando, este crescimento aconteceu por causa do aumento de voos que chegam ou partem do aeroporto da cidade. Só em 2017, houve um incremento de mais de três milhões de assentos no mercado. Se o aeroporto MCO, como é mais conhecido, é a porta de entrada para os parques temáticos da Disney, Universal e outros, os brasileiros são alguns dos seus principais usuários.

De acordo com o agente de viagens Leandro Saldanha, da agência Cannes Turismo, a venda de pacotes de viagens para Orlando teve um aumento de 50% em 2017 na comparação com o ano anterior. Em 2016, a crise econômica brasileira e as incertezas políticas fizeram muita gente adiar a viagem de férias. No entanto, “estamos otimistas com o ano de 2018”, explica ele ao relatar que a constante queda na taxa de juros pode aumentar a venda de pacotes para Orlando.

O aeroporto bateu recorde de passageiros em 2017, com 44,6 milhões chegando ou partindo de Orlando. Foto: Divulgação

Já a agente de viagens Pryscilla Porrua explica que o câmbio foi um dos principais motivos para os brasileiros voltarem à Flórida. “A queda no preço do dólar ajudou muito a aumentar a procura por Orlando”, conta. E isso fez com que muitos brasileiros pudessem viajar para lá pela primeira vez.

É o caso da jornalista curitibana Lorena Oliva, que está em Orlando curtindo as férias. Ela e a família passaram dois meses organizando a viagem, e estão passando cerca de três semanas entre Orlando, Tampa e Miami. “Eu achei que nunca fosse conseguir o visto, que fosse uma coisa muito difícil, mas deu certo e foi o primeiro destino que pensamos”, conta ela.

Lorena diz que realmente há muitos brasileiros passeando por Orlando, seja nos parques temáticos ou nos imensos shoppings da cidade. Todos, inclusive ela, se impressionam com a variedade de programas disponíveis e a organização da cidade. A começar pelo aeroporto, que tem muitas indicações em português, funcionários fluentes no nosso idioma e uma decoração que remete ao clima tropical. “Mas, me emocionei mesmo foi no Magic Kingdom, tudo muito perfeito, não imaginava”, diz a jovem.

A jornalista Lorena Oliva está viajando pela primeira vez à Disney, e levou a família junto para conhecer. Foto: arquivo pessoal.

O programa que a jornalista organizou em Orlando reflete bem o que os brasileiros desejam quando vão para lá. Leandro Saldanha explica que os parques sempre foram um grande atrativo, mas que isso vem mudando nos últimos anos. “É difícil uma família que não aumente o período de férias para poder ir às compras, geralmente eles direcionam de dois a três dias para isso”, explica. São pessoas principalmente da classe média, que veem lá oportunidades de compras que, mesmo com a conversão do Dólar para o Real, são mais em conta do que no Brasil.

A média de gastos dos brasileiros em Orlando varia muito, com uns gastando mais e outros menos. Mas, em média, um pacote de dez noites com passagens aéreas na classe turística, hotel, locação de veículo, seguro viagem e ingressos para os parques, fica em torno de R$ 5.500 a R$ 7.000 por pessoa.

O Brasil em Orlando

Apesar da grande procura dos brasileiros por Orlando, especialistas dizem que o movimento ainda está longe do que já foi em um passado não tão distante. A agente de viagens Milene Martins explica que, até 2015, as viagens para lá eram mais frequentes. “Houve sim um aumento significativo na procura, mas ainda não se compara ao que já foi. Eu tinha clientes que viajavam duas vezes por ano para lá, e hoje no máximo uma ou nem isso”, conta. Segundo ela, o movimento ainda está em 30% do que já foi no passado.

Quem mora em Curitiba chegou a ter um voo direto para Miami operado pela American Airlines, entre os anos de 2014 e 2016. No entanto, a companhia cancelou a frequência diária que mantinha. O voo, que durou dois anos, partia do Aeroporto Internacional Afonso Pena às 21h15, fazia escala em Porto Alegre, e seguia para a Flórida. Já a volta era direto para Curitiba. Na época, a companhia afirmou que o cancelamento se deu “para garantir o melhor aproveitamento de sua frota e tripulação em toda a sua rede de voos e maximizar a sua rentabilidade”. Em outras palavras, o voo não teve mais demanda suficiente.

O complexo de parques temáticos da Universal Studios Florida é um dos mais visitados pelos turistas brasileiros. Foto: Universal Studios/divulgação

Há atualmente quatro companhias aéreas que operam voos diretos entre o Brasil e Orlando: Azul, Latam, Delta e American Airlines. A Gol também voltará a operar a rota direta, mas apenas a partir de novembro. Outras ainda levam os brasileiros por conexões em capitais da América Latina, como a Avianca (Bogotá, Colômbia), a Aeroméxico (Cidade do México), Aerolineas Argentinas (Buenos Aires), Copa Airlines (Cidade do Panamá), as subsidiárias regionais da Latam (Santiago, Chile e Lima, Peru), e as norte-americanas United (Washington e Houston, EUA) e Air Canada (Toronto, Canadá).

Entre as atrações mais procuradas pelos brasileiros em Orlando, estão os parques temáticos do Walt Disney World, Universal Studios, Sea World e Busch Gardens, no município de Tampa (135 quilômetros de distância); a base de lançamento de foguetes e museu espacial da Nasa em Cabo Canaveral (87 quilômetros de distância); os grandes shoppings, como os de descontos Orlando Premium e Prime Outlets e os centros Florida Mall e Mall At Millenia.

LEIA MAIS:

PUBLICIDADE