PUBLICIDADE

Turismo

Sinal verde para o turista dirigir no exterior

Brasileiros devem ficar atentos às regras de trânsito de cada país. Carteira internacional pode ser um grande facilitador



Chevrolet Celta


Citroen Gran Picasso Franca


Chevrolet Aveo Miami


Maurício Maganhotto e a curiosa experiência de dirigir na Inglaterra
Alugar um carro no exterior é uma boa alternativa para ter mais liberdade de ir e vir. Mas quem pretende dirigir lá fora precisa estar atento à habilitação e as regras de trânsito do país que se vai visitar. Para começar, é recomendável te

Em Londres, a “complicada” mão-inglesa: o volante fica do lado direito e o motorista sempre deve trafegar nesse lado da via
r a Permissão Internacional para Dirigir (PID). O documento é uma versão da carteira de motorista brasileira e é exigido em 100 países que firmaram acordo na Convenção de Viena, criada em 1981 para facilitar o trânsito viário internacional e garantir a segurança nas rodovias.

Mesmo sendo oficialmente obrigatório nos países que participam da Convenção, na prática cada país estabelece normas próprias para serem aplicadas aos estrangeiros no trânsito. Em Portugal, por exemplo, a CNH brasileira é aceita sem nenhum problema, assim como nos países participantes do Mercosul. Já no Japão, os estrangeiros não podem dirigir nem com a Permissão Internacional em mãos. Em Aruba e na Jamaica, os limites de idade para se dirigir são diferentes dos impostos no Brasil.

Para fazer a carteira internacional, basta ir, com o documento brasileiro (válido), ao Detran e pagar uma taxa de R$ 44. Com a PID em mãos, o turista não pode esquecer de colocar na bagagem um pouco de bom senso e educação para dirigir no exterior. “Os conceitos de direção defensiva e comportamento solidário são universais e devem ser aplicados levando em conta a especificidade cultural de cada país”, lembra Maria Aparecida Farias, coordenadora de Habilitação do Detran –Paraná. Vale lembrar ainda que, em muitos destinos, a fiscalização e punição são muito rigorosas e respeitar limites de velocidades nas vias é fundamental.

Mão-inglesa

Não custa lembrar. Há países em que a mão de direção é invertida em relação à adotada no Brasil. Popularmente conhecida como “mão-inglesa”, em que o volante fica do lado direito e o motorista sempre deve trafegar nesse lado da rua, ela é adotada em países como Reino Unido, África do Sul, Austrália, Índia, Nova Zelândia, Tailândia, Hong Kong e Japão. “Até a gente se acostumar a dirigir do lado contrário, é meio complicado, principalmente porque tem que mudar a marcha com a mão esquerda. Fora isso, o mais importante é prestar atenção na educação que eles têm no trânsito. Dar seta, por exemplo, já é o suficiente para os outros motoristas esperarem você mudar de pista ou estacionar”, conta o joalheiro Maurício Maganhotto, que já teve a experiência de dirigir na mão-inglesa.

O teste de capacidade de adaptação do turista pode ser ainda maior em outros destinos. Nas Ilhas Virgens Britânicas e no arquipélago Turks e Caicos, no Caribe, o volante fica à esquerda do veículo, mas o condutor deve trafegar pela direita. Já na Mongólia, a situação é inversa: o motorista, sentado à direita, como nos carros ingleses, segue pelo lado esquerdo na rua.

Serviço:

Mais informações sobre a emissão da Permissão Internacional para Dirigir (PID) no Detran-PR, no telefone 0800-643-7373 ou no site (clique aqui).

Países onde a Permissão Internacional para Dirigir (PID) é, oficialmente, obrigatória:

África do Sul, Albânia, Alemanha, Angola, Argélia, Argentina, Austrália, Áustria, Azerbaidjão, Bahamas, Barein, Belarus (Bielo-Rússia), Bélgica, Bolívia, Bósnia-Herzegóvina, Bulgária, Cabo Verde, Cazaquistão, Chile, Cingapura, Colômbia, Coréia do Sul, Costa do Marfim, Costa Rica, Croácia, Cuba, Dinamarca, El Salvador, Equador, Eslováquia, Eslovênia, Estados Unidos, Estônia, Federação Russa, Filipinas, Finlândia, França, Gabão, Gana, Geórgia, Grécia, Guatemala, Guiana, Guiné-Bissau, Haiti, Holanda, Honduras, Hungria, Indonésia, Irã, Israel, Itália, Kuwait, Letônia, Líbia, Lituânia, Luxemburgo, Macedônia, Marrocos, México, Moldávia, Mônaco, Mongólia, Namíbia, Nicarágua, Níger, Noruega, Nova Zelândia, Panamá, Paquistão, Paraguai, Peru, Polônia, Portugal, Reino Unido (Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales), República Centro-Africana, Congo, República Checa, República Dominicana, Romênia, San Marino, São Tomé e Príncipe, Seichelles, Senegal, Sérvia e Montenegro, Suécia, Suíça, Tadjiquistão, Tunísia, Turcomenistão, Ucrânia, Uruguai, Uzbequistão, Venezuela e Zimbábue.

Onde basta apresentar a habilitação brasileira com o passaporte:

São os que participam do Princípio de Reciprocidade – Angola, Argélia, Austrália, Canadá, Cabo Verde, Cingapura, Colômbia, Coréia do Sul, Costa Rica, El Salvador, Equador, Estados Unidos, Gabão, Gana, Guatemala, Guiné-bissau, Haiti, Holanda, Honduras, Indonésia, Líbia, México, Namíbia, Nicarágua, Nova Zelândia, Panamá, Portugal, Reino Unido (Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales), República Dominicana, São Tomé e Príncipe e Venezuela.

Números

US$ 159/semana

É o valor do aluguel de um Chevrolet Aveo, em Miami (EUA).

US$ 739/semana

É quanto custaria a locação de um Citroën Gran Picasso, na França.

US$ 429/semana

Seria o valor do aluguel de um Chevrolet Celta, no Uruguai.

Fonte: Avis

PUBLICIDADE