i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

A Protagonista

Foto de perfil de A Protagonista
Ver perfil

Podemos confiar no Facebook para checar Fake News? NÃO – entrevista com Paul Hilder, do Freedom from Facebook

  • PorMadeleine Lacsko
  • 22/05/2018 20:23
Podemos confiar no Facebook para checar Fake News? NÃO – entrevista com Paul Hilder, do Freedom from Facebook
| Foto:

Será que as agências de fact-checking são o alvo certo da polêmica envolvendo o controle de informações pelo Facebook? Não é o que pensam governos e entidades da sociedade civil que tiveram processos eleitorais comprovadamente manipulados no escândalo Cambridge Analytica, em que dados pessoais foram ilegalmente utilizados e a visualização de informações foi manipulada para favorecer os reais clientes da rede social: quem paga para vender produtos e ideias.

Um movimento que une, nos Estados Unidos, entidades da sociedade civil que vão de criadores de conteúdo a representantes de judeus e de muçulmanos está pedindo que a Federal Trade Comission (órgão que se assemelha ao CADE) quebre o monopólio da rede social. Chama-se Freedom from Facebook e tem o lema: “O Facebook tem poder demais sobre nossas vidas e nossa democracia. Está na hora de tomar esse poder de volta.”

Mark Zuckerberg depôs hoje no Parlamento Europeu em uma sessão de uma hora e meia transmitida ao vivo. Mais uma vez o CEO do Facebook pediu desculpas públicas: “Não temos feito o suficiente para garantir que estas ferramentas não são utilizadas para o mal. Peço desculpa por isso. Vai levar tempo para fazermos todas as mudanças que são necessárias”, explicou.

Uma das mudanças é contratar agências independentes de fact-checking para detectar Fake News e diminuir sua circulação. Aqui no Brasil a medida acabou gerando ataques contra as agências e até contra funcionários por desconfiança quanto à atuação ideológica no filtro de conteúdos. Mas será que este é realmente o principal problema? Não. É o monopólio do Facebook, que Mark Zuckerberg negou na audiência no Parlamento Europeu.

Nós existimos num espaço muito competitivo onde as pessoas utilizam várias ferramentas diferentes para comunicar. Em média, cada pessoa utiliza oito ferramentas diferentes. – disse o CEO do Facebook, sem mencionar que a empresa dele é dona de 4 dessas ferramentas, que representam 80% do mercado.

O manifesto do grupo deixa claro que pouco importam as empresas escolhidas para checar a veracidade das informações compartilhadas na rede, o problema é o monopólio dos dados e o que tem sido feito com eles pelo Facebook. Em última análise, é a rede social – e não suas contratadas – quem toma a decisão final sobre as medidas a serem aplicadas a respeito de Fake News e quem as dissemina.

A maioria de nós usa Facebook, Instagram, WhatsApp e Messenger. Eles são formas importantes de comunicação e conexão entre as pessoas.

Mas o Facebook e Mark Zuckerberg acumularam uma quantidade assustadora de poder. O Facebook decide unilateralmente as notícias que bilhões de pessoas no mundo vêem todos os dias. Ele favorece ou leva à falência potenciais competidores para favorecer seu monopólio, aniquilando a inovação e o poder de escolha. Ele rastreia quase todos os locais onde vamos na internet e, pelos nossos celulares, até onde vamos na vida real. Ele usa esse acumulado de dados íntimos para descobrir como nos viciar e também nossas crianças em seus serviços. E então o Facebook entrega tudo sobre a gente para seus verdadeiros clientes: virtualmente qualquer um que queira pagar pela habilidade de nos convencer a comprar, fazer ou acreditar em algo.

E está gastando milhões em lobistas corporativos, universitários e think tanks para garantir que ninguém atravesse seu caminho.

Chega.

Os cinco membros da Comissão Federal do Comércio, que é parte do nosso governo com a tarefa de fiscalizar o Facebook, pode tornar o Facebook seguro para a nossa democracia fazendo uma divisão das redes sociais, nos dando a liberdade de comunicar entre as redes e protegendo nossa privacidade.

Juntos, vamos garantir que eles façam.

Conversei, com exclusividade, com o porta-voz da Freedom for Facebook, o inglês Paul Hilder. Ele explica que o movimento “foi lançado como uma aliança de pessoas e entidades trabalhando para garantir que o poder excessivo do Facebook seja contido. Nós acreditamos que isso pode ser feito dando mais direitos aos usuários e quebrando o monopólio do Facebook – por exemplo, junto com o Instagram, WhatsApp e Messenger, ele tem hoje mais de 80% do mercado de mensagens em mídias sociais”.

Expliquei a ele a polêmica envolvendo as agências de fact-checking contratadas pelo Facebook no Brasil e como elas acabaram virando o alvo de todos os problemas no ano eleitoral.

Checagem de fatos sobre Fake News é uma coisa boa? Sim. É possível confiar num Facebook que não assume responsabilidades para fazer isso? Não. – sentencia Paul Hilder

Algumas pessoas pensam que o Facebook pode se tornar um monopólio mais responsável, mas a aparente cumplicidade no escândalo Cambridge Analytica e o padrão de repetidas falhas no respeito aos direitos dos usuários e ao bem público não inspira nenhuma confiança. – diz o porta-voz do Free from Facebook.

Para Paul Hilder, o ideal é que, no longo prazo, tenhamos plataformas que sejam de propriedade e controladas por seus usuários. “No curto prazo, precisamos de campanhas, regulações e um honesto escrutínio dos abusos de poder por estas plataformas não democráticas”, prega.

Organizações de vários países estão se envolvendo no movimento Freedom from Facebook e o porta-voz encoraja os brasileiros a organizar suas próprias ações e compartilhar suas ideias para soluções.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.