i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Advisors

Foto de perfil de Advisors
Ver perfil

Um local para você ter uma visão aprofundada do mundo da inovação e do empreendedorismo

Redes sociais

STF e a suspensão de contas em redes sociais: como lidar com o poder digital?

  • Por Anderson Godz
  • [27/07/2020] [20:10]
STF e a suspensão de contas em redes sociais: como lidar com o poder digital?
| Foto: Unsplash

Vemos, em nosso cotidiano, o surgimento cada vez maior de contradições oriundas do avanço da tecnologia e da inovação. Por esses dias, emergiu mais um capítulo dessa recente discussão quando, na última sexta-feira (24), o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu suspender as contas no Twitter e Facebook de aliados do presidente. Ao mesmo tempo, a Advocacia-Geral da União (AGU) pediu à Corte a suspensão dessas decisões judiciais. Esse é mais um caso que evidencia os atuais tempos polarizados, em que poucos conseguem analisar ou agir sobre essas contradições com o distanciamento necessário.

O episódio nos leva à reflexão: o avanço tecnológico não é imoral, mas sim amoral. Significa que ele não é bom ou ruim, mas pode ser usado para coisas boas e ruins. Por todos. E quando me refiro a todos, não estou falando apenas do governo ou de personalidades e outras instituições públicas, como o próprio Supremo. Refiro-me a empresas privadas, sociedade, a mim e a você.

Tudo o que estamos vivendo é muito novo e muito rápido. Poderíamos relativizar a questão e dizer que a situação é mais crítica em um país em desenvolvimento como o Brasil, mas até nos Estados Unidos as autoridades não sabem como lidar com a empresa-Estado de Mark Zuckerberg. Encontramo-nos num vácuo legal ocasionado por instituições do “velho poder” e suas enfadonhas e pesadas estruturas formais, que não dão conta de agir diante de rápidas inovações causadas por empresas digitais e globais - batizei, inclusive, esse vácuo de Timing to Legal em livro que escrevi sobre o tema.

Vivemos uma era de hiperexposição, causada muito por conta das redes sociais. Nunca antes nos expusemos tanto quanto agora, por conta própria - olha aí mais uma contradição de conectar o mundo. E é muito devido à hiperexposição que verificamos, também, o fenômeno da hiperpolarização. Ocorre que essa polarização, muitas vezes, não é 100% “fechada”.

No caso da ação do STF, o episódio rendeu críticas vindas de diversos setores da sociedade. O blogueiro Leonardo Sakamoto, por exemplo, conhecido por seu posicionamento à esquerda, discordou da decisão da Corte quanto à ação dos blogueiros que defendem o presidente. Para Sakamoto, em texto publicado em seu blog, “a decisão do ministro Alexandre de Moraes de pedir o bloqueio da forma com que foi feita abre um precedente ruim. Com consequências de longo prazo”.

Como bem lembrou a Gazeta do Povo em editorial, a liberdade de expressão “requer amplo gradiente de legalidade, que se traduz em grande tolerância ao que se diz e a como se diz também. Isso inclui muitas expressões que podem ser sumamente desagradáveis”.

É preciso lembrar que a plataforma por onde circulam os novos modelos empresariais, o smartphone, surgiu há pouco mais de 10 anos, e foi popularizado em muito menos. Sejam as autoridades norte-americanas ou a alta gestão brasileira, bem como os conselhos empresariais, poucas pessoas tiveram tempo de viver profundamente esses novos empreendimentos a ponto de conseguir guiar empresas, instituições ou mesmo países.

Estudamos essas contradições em Gonew.co, buscando compreender e encontrar novas formas de lidar com o poder e a governança. Nosso Master em Governança & Nova Economia não se configura apenas no centro gravitacional dessa discussão no país, mas é, também, um generoso espaço ao contraditório quanto ao avanço da tecnologia e dos novos modelos de negócio.

Esse é justamente o cerne da questão: o poder digital não se dará por meio da regulação ou da tecnologia isoladas, até porque muitos outros avanços tecnológicos ainda estão por vir. Responderemos a esse desafio com uma sociedade preparada e bem informada, a fim de manter liberdades e responsabilidades em qualquer forma de expressão — inclusive as digitais.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • H

    Helio de Souza

    ± 0 minutos

    Caro colunista, esse seu "discurso" não passa de uma estratégia relativista. A realidade dos fatos é muito claro ,o STF impondo uma censura e ponto final. Querer atenuar ou justificar essa aberração com essa narrativa de "Tempos polarizados" é uma desonestidade intelectual.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alexandre

    ± 54 minutos

    Ditadura do judiciário. (STF)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    TIAGO DANTAS

    ± 2 horas

    Supremo vergonhoso formado por 11 ministros que tem capacidade e idoneidade questionáveis só poderia resultar em censura. Ao invés de encampar uma campanha contra desinformação e de valorização da instituição qual pertence o sinistro de Moraes preferiu dar ordens pensando que tem poder supremo. Coitado... Já encontraram outra forma de continuar ESCREVENDO.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.