i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

André Uliano

Foto de perfil de André Uliano
Ver perfil

Ruth Ginsburg era crítica da decisão que inventou “direito” ao aborto nos EUA

Apesar de ser contra a proteção penal da vida de seres humanos em gestação, a juíza recém-falecida da Suprema Corte americana afirmava que decisão do caso Roe Vs. Wade, que inventou um direito ao aborto em todo o país, foi muito ampla e apresentou fundamento jurídico equivocado

  • Por André Uliano
  • 19/09/2020 16:49
(FILES) In this file photo taken on September 20, 2017 US Supreme Court Justice Ruth Bader Ginsburg acknowledges applause as she  arrives to speak to Georgetown University law students in Washington, DC. – Justice Ruth Bader Ginsburg announced January 7, 2020 in a CNN interview, that she was cancer-free and that treatment for a malignant tumor on her pancreas had been successful. (Photo by NICHOLAS KAMM / AFP)
(FILES) In this file photo taken on September 20, 2017 US Supreme Court Justice Ruth Bader Ginsburg acknowledges applause as she arrives to speak to Georgetown University law students in Washington, DC. – Justice Ruth Bader Ginsburg announced January 7, 2020 in a CNN interview, that she was cancer-free and that treatment for a malignant tumor on her pancreas had been successful. (Photo by NICHOLAS KAMM / AFP)| Foto: NICHOLAS KAMM/AFP or licensors

No dia de ontem, 18 de setembro de 2020, a Suprema Corte Americana comunicou o falecimento da juíza daquele Tribunal Ruth Bader Ginsburg, aos 87 anos. Ela veio a óbito em virtude de um câncer metastático no pâncreas, contra o qual já lutava há algum tempo.

O Presidente da Corte, o juiz John G. Roberts, declarou: “Nossa Nação perde uma jurista de estatura histórica. Nós, da Suprema Corte, perdemos uma estimada colega. Hoje, nós lamentamos, mas com confiança de que as futuras gerações irão lembrar de Ruth Bader Ginsburg tal qual nós a conhecemos: uma incansável e resoluta campeã da justiça”.

Ginsburg serviu como juíza da Suprema Corte ao longo de mais de duas décadas, tendo sido a segunda mulher e a primeira judia a ocupar o cargo.

De perfil esquerdista, Ruth foi amiga de longa data do juiz conservador Antonin Scalia, falecido em 2016. Ambos ocupavam polos ideológicos opostos e escreveram inúmeros votos discordantes, mas a filha de Scalia afirmou que isso nunca os impediu de serem amigos: seu pai não deixava que diferenças ideológicas atrapalhassem as relações humanas. Quatro anos atrás, ao saber da morte do colega, Ginsburg disse que a Corte se tornaria um local mais pálido sem seu parceiro de debates.

Em razão da posição ideológica, Ginsburg defendia posições polêmicas, algumas delas vistas como radicais.

Mas mesmo ela reconhecia o equívoco do julgamento do caso Roe Vs. Wade, no qual, em 1973, a Suprema Corte Americana, de modo ativista e sem fundamento jurídico consistente, inventou que existiria um direito ao aborto até a 12ª semana de gestação, impondo essa visão a todos os Estados americanos. Lembre-se que nos Estados Unidos, em virtude do federalismo forte, legislar sobre direito penal é de competência dos Estados.

Apesar de ser contra a proteção penal do direito à vida de crianças em gestação, em visita à Faculdade de Direito da Universidade de Chicago, uma das mais tradicionais dos Estados Unidos, Ginsburg afirmou que, em termos jurídicos, a decisão no caso Roe foi longe demais, ao impor a legalização do aborto em todo o país, com base em um fundamento jurídico controverso, o direito à privacidade. Ela se disse desencantada com o legado deixado pela decisão.

Vacância abre oportunidade histórica para Donald Trump

Durante a corrida presidencial nos Estados Unidos, em 2016, o tema da indicação para a Suprema Corte ganhou enorme relevância. Segundo pesquisa de opinião, 70% dos entrevistados afirmaram à época que a escolha de juízes para a Suprema Corte era um elemento importante para a seleção do candidato, sendo que mais de 20% afirmaram que este era o tema decisivo.

A pesquisa mostra também que o assunto recebeu uma atenção muito maior após os últimos mandatos do Partido Democrata, o qual foi acusado de escolher juristas para promover agendas partidárias por meio do Judiciário.

Durante sua campanha, Trump afirmou que indicaria juristas com o perfil de Antonin Scalia, respeitado membro da Suprema Corte que faleceu poucos meses antes da eleição, deixando vaga a cadeira que seria preenchida por indicação do próximo presidente eleito. “Apontarei juristas que, como o juiz Scalia, protegerá nossa liberdade com o máximo zelo pela Constituição“, disse Trump em campanha. Muitas pessoas acreditam que essa sinalização contou muitos pontos favoráveis para o candidato.

Até agora, Trump indicou dois excelentes nomes para a Suprema Corte: em abril de 2017, Neil Gorsuch, jurista brilhante formado na Universidade de Columbia, com doutorado em Harvard e Oxford, autor de recente livro sobre como preservar uma saudável República; mais tarde, foi a vez de Brett Kavanaugh, professor de universidades como Havard e Yale, sendo esta última a universidade em que estudou.

Ambos são teoricamente adeptos do originalismo, corrente de teoria Constitucional que defende a Constituição, sendo contra o invencionismo autoritário dos juízes e Tribunais, ou seja, do chamado ativismo judicial.

Com a vaga deixado por Ginsburg, Trump indicará um terceiro nome, que deverá ser aprovado pelo Senado, visto que o partido do Presidente tem maioria na Casa.

Trump já anunciou os nomes que considera nomear. Recentemente, em comunicado oficial, Trump completou sua lista.

Durante sua fala, Trump disse que os americanos sempre viram sua Constituição como um documento escrito e que a América se tornou um país extraordinário por sua devoção ao Império da Lei, tendo pessoas do mundo todo ido para os Estados Unidos para partilhar da ideia de igualdade perante a lei, a qual teria inspirado os heróis do país a abolir a escravidão, a segregação racial e assegurar os direitos civis.

Por fim, Trump lamentou o crescimento de uma esquerda extremista que ameaça o tratamento igualitário perante a lei e os tribunais. Ele afirmou que caso esse movimento de radicais se torne majoritário na Suprema Corte irá fundamentalmente transformar os Estados Unidos, mesmo que sem um único voto do Parlamento. Alegou que tentariam abolir o direito de legítima defesa previsto na 2ª Emenda americana, silenciar a liberdade de expressão política, e obrigar os americanos a financiar abortos. Ainda: que destruiriam empregos e apagariam remissões a Deus; acabariam com as fronteiras e prejudicariam os Departamentos Policiais, blindando criminosos violentos. Ele chamou a atenção para o fato de que atualmente tudo isso só não acontece por diferença de um único voto, de modo que o próximo mandato será decisivo para a Suprema Corte e para os Estados Unidos.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Carmo Augusto Vicentini

    ± 5 dias

    Atrás de todo o verniz jurídico RBG não passava de uma ferrenha esquerdista, defensora de políticas nefastas (dentre muitas o assassinato de fetos), uma ferramenta ativa no processo de destruição dos pilares da civilização judaico-cristã ocidental. Se o inferno existir com certeza estará sentada no colo do capeta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Cético

    ± 5 dias

    Interessante essa critica de Trump ao ativismo judicial que tão bem se amolda ao STF brasileiro. Nós estamos em franca desvantagem porque o atual presidente tende a indicar um fundamentalista de sinal trocado, e ano um jurista, que é o que precisamos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • A

      André Borges Uliano

      ± 4 dias

      Espero que Bolsonaro indique um grande jurista.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Henrique

    ± 5 dias

    Interessante que Joe Biden tem essa mesma visão favorável em relação a essa juíza.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • A

      André Borges Uliano

      ± 4 dias

      Trump também fez comentários positivos após a morte dela. Creio que faz parte da boa educação e da civilidade. Isso não implica em concordar com tudo o que ela defendia, como, aliás, eu também não concordo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.