Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Quais os parâmetros morais e médicos usados pela sociedade para decidir o que constitui uma droga lícita e uma ilícita?
Quais os parâmetros morais e médicos usados pela sociedade para decidir o que constitui uma droga lícita e uma ilícita?| Foto: Bigstock

Lá em 2010, nas priscas eras em que os esquerdistas mais caricatos brigavam com o PT, o  governo Jaques Wagner lançou uma campanha contra o crack com o seguinte slogan: "Crack é cadeia ou caixão". Aí, naturalmente, houve gritaria dessa esquerda contra Wagner. O outdoor ainda trazia um dedão do pé pra fora na bandeja do necrotério.

Por mais que conselhos porventura reclamem, a frase chama a atenção por ser perfeitamente concorde bom o bom-senso. Ex-cracudo é mais difícil de achar do que ex-prostituta. Até porque a prostituição em si mesma não mata; as prostitutas podem envelhecer e uma hora se aposentam. A menos que achem uma clientela freudiana com tara pela avó, que nesse mundo tem de tudo. Mas quem vai achar esses cracudos idoso daqui a umas décadas? Vão, com toda probabilidade, estar mortos.

A frase de que crack é caixão ou cadeia é evidente. É evidente para mim, é evidente para você, é evidente para o governador Jaques Wagner. E não pode deixar de ser evidente para quem resolve experimentar a primeira pedra.

Não seria o crack então uma forma deliberada de suicídio atenuada? Vejam que o perfil social do cracudo é bastante heterogêneo. É falsa a explicação de que a pobreza leva ao crack, porque nem todo cracudo é de família pobre e nem todo pobre é cracudo.

Drogas para ficar ligado

Talvez haja um tipo só que possamos hesitar em rotular como suicida. É quem começa a usar crack com o propósito determinado de ficar acordado por longas horas. Acontece que existem mil drogas, lícitas e ilícitas, capazes de fazer isso. O crack se torna atraente por causa do custo: é barato, então o caminhoneiro usa para passar horas e mais horas na estrada sem correr o risco de cair no sono. É uma péssima escolha, mas é uma escolha que podemos compreender sem apelar para o suicídio deliberado.

No caso do crack, há então gente que use apesar do vício e gente que use por causa do vício.

Gente endinheirada, quando quer virar a noite estudando, compra ritalina, um remédio de prescrição que quem quer consegue. Outra coisa que a ritalina tem em comum o crack é que ela vicia. Assim, há que se perguntar também se não há gente que compre ritalina por causa do vício, em vez de apesar do vício. Encher a cara de ritalina e virar a noite consumindo várias drogas numa boate não é coisa de quem quer viver muito.

Há ainda outra coisa em comum entre a ritalina e o crack. Este é um derivado da coca. Cocaína e ritalina foram introduzidos na população por médicos. O dr. Freud era um tremendo usuário de cocaína e achou, por um tempo, que os sentimentos que a droga traziam poderiam ser usados para curar problemas mentais. Perante os resultados desastrosos, ele desistiu. Outro médico que usava cocaína em si próprio e nos pacientes foi o dr. William Halsted. Servia-lhe bem como anestésico até deparar-se com efeitos desastrosos.

É curioso que tenham sido necessários efeitos colaterais desastrosos para que Freud deixasse de considerar o estado mental de um drogado algo bom em si mesmo, uma cura. A humanidade se droga desde que existe, mas nem mesmo um alcoólatra acharia que o estado mental de um bêbado seja considerado um estado ideal de normalidade. A humanidade se drogava em ocasiões festivas e em ritos religiosos, bem longe de qualquer situação que normalizasse o estado mental alterado.

Assim sendo, tenho duas perguntas. A primeira é: se a cocaína não tivesse efeitos colaterais físicos graves, será que o estado mental proporcionado por ela poderia ser considerado sadio? Se Freud achou que sim, é possível que seus discípulos também achassem. E se os seus discípulos também achassem, é possível que a psiquiatria e a psicologia os acompanhassem. Aí você, perante essa normalidade, entraria num consultório e diria “doutor, não me sinto eufórico hoje!”, ganharia um diagnóstico e receberia uma receita de cocaína.

A segunda pergunta é: se algo assim acontecesse nos dias de hoje, com drogas de efeitos colaterais físicos menos desastrosos, como descobriríamos que há algo muito errado?

41 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]