Comissão Especial de Reforma Política aprovou o "distritão". Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados.
Comissão Especial de Reforma Política aprovou o "distritão". Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados.| Foto:

Na semana passada, a pressão da bancada religiosa impediu que o Congresso votasse uma medida impondo uma quarentena a líderes religiosos que queiram disputar eleições. A Comissão de Reforma Política da Câmara discutia um item que previa seis meses de afastamento do púlpito para padres, pastores, ministros e quaisquer outros sacerdotes antes da eleição. Os deputados evangélicos não deixaram nem que o assunto fosse a votação.

Hoje, um radialista que queira ser candidato, por exemplo, precisa abandonar o microfone seis meses antes do dia da eleição. mas pastores e padres podem usar o microfone até a véspera da votação. Não precisa haver estudos mais aprofundados para perceber que isso os coloca em uma posição de vantagem imensa em relação aos concorrentes. O sujeito que ouve o candidato não só fica exposto até o último minuto à pregação como associa o discurso do candidato à palavra de Deus.

Um dos pastores-deputados disse que não seria justo exigir dos religiosos a mesma quarentena que se pede hoje de um prefeito, por exemplo. Por conveniência parece ter se esquecido que a mesma cobrança acontece com os comunicadores. Não é à toa que a bancada evangélica tem hoje 87 deputados, mais do que qualquer partido. E com a legislação indo no caminho que vai, a tendência é aumentar ainda mais rápido.

A cada vez que os religiosos conseguem colocar mais representação no Congresso eles aumentam um pouco mais seu poder sobre a própria legislação eleitoral, cada vez mais favorável à sua permanência. Agora, o próprio Judiciário já demonstra preocupação com isso. Gilmar Mendes, do STF, disse que os tribunais precisariam diminuir a influência das igrejas sobre o processo eleitoral.

“Depois da proibição das doações empresariais pelo Supremo Tribunal Federal (STF), hoje quem tem dinheiro? As igrejas. Além do poder de persuasão. O cidadão reúne 100 mil pessoas num lugar e diz ‘meu candidato é esse’. Estamos discutindo para caçar isso”, disse à Reuters em março.

De fato, agora, com a proibição de financiamento de empresas, quem tem público cativo, que não depende de grandes recursos financeiros para chegar à população, vai ter uma vantagem imensa. E os pastores sabem disso. Tanto é que em 2016, primeira disputa depois da proibição do financiamento empresarial, o número de candidatos pastores subiu 25% no país.

Siga o blog no Twitter.

Curta a página do Caixa Zero no Facebook.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]