O cambista e a sua mulher (1514), de Quentin Matsys.
O cambista e a sua mulher (1514), de Quentin Matsys.| Foto: Wikimedia Commons

Parece que quando contaram a Salazar, então ditador de Portugal, que na Angola portuguesa se havia descoberto fartas jazidas de petróleo, ele teria suspirado “ah, mais essa, agora!”. Ele tinha razão. Isso de dinheiro é coisa muito boa quando não se o tem: quando vem em grande quantidade, faz muito mais mal que bem. Na melhor das hipóteses, dá enorme trabalho. É por isso que disse o Cristo que é mais fácil passar um camelo pelo buraco duma agulha que entrar um rico no reino dos Céus. E, ainda, disse Ele ao jovem rico, que já cumpria os 613 mandamentos da Lei de Moisés, que se quisesse ser perfeito deveria vender o que tinha e dar tudo aos pobres. O rapaz saiu chutando pedregulhos, pois a isto não estava disposto.

Já na caricatura de civilização em cujos estertores finais vivemos está tudo de cabeça para baixo. É por isso, aliás, que esta há de ter sido uma civilização tão rápida: começou ontem à tarde, no fim do século 18, e já está acabando. As civilizações longas, que perduram, normalmente têm o comércio, o dinheirismo e a busca de ouro como a mais porca e degradante das buscas humanas, infinitamente abaixo dos estudos e da busca do Sagrado, do ofício das armas e da agricultura. Na nossa história como civilização assim foi, com os três estados (clero, nobreza e plebe) exercendo estas funções e o comércio, de início e ao longo da maior parte de sua história, restrito àqueles que não faziam totalmente parte da sociedade, seja por razões religiosas (os judeus, que tampouco queriam misturar-se com cristãos), seja pelo nomadismo (os ciganos). Eles entravam pelas frestas das pedras do edifício civilizacional, por assim dizer.

Mas aos poucos as tentações do vil metal foram se imiscuindo na sociedade. Primeiro suscitaram o protestantismo, mormente o calvinista, levando às guerras de religião e ao aumento obsceno do poder dos governantes. Depois, aos poucos, foram corroendo e solapando as bases sociais até mesmo dos lugares em que a heresia não havia perturbado tanto. E eis que, no fim do século 18, com as revoluções Francesa e Americana, a burguesia subiu ao poder e, com ela, o que era o mais vil dos afãs humanos tornou-se coisa tida por boa e respeitável.

O que é a burguesia? Mais ainda, o que é a mente burguesa, e qual é a sua diferença em relação às demais formas de mente? A burguesia, ao contrário do que pretende Marx, não consiste apenas na propriedade dos meios de produção. Diria eu que, ao contrário, a burguesia consiste nos que são propriedade da produção, como processo e como objeto. A mente burguesa é uma mente escrava do que é material, uma mente que não consegue erguer os olhos da sarjeta onde correm as riquezas deste mundo. Para o burguês – tomemos Kant por exemplo –, a religião tem por fim precípuo garantir a ordem social de forma mais pacífica que o Batalhão de Choque. Daí, aliás, a briga de Marx (que adoraria acabar com a ordem social) e a religião. Pobrezinho.

Quando, todavia, seus lamentáveis seguidores bradam “arroz, feijão, saúde e educação” pelas ruas, eles nada mais estão fazendo que afirmar valores sumamente burgueses. Do mesmo modo, a União Soviética foi a substituição de uma sociedade decadente de modo clássico por uma sociedade perfeitamente burguesa, em que o trabalho, ou melhor, o Trabalho, o Trabalhador, a Produção, o Desenvolvimento e tantas outras besteiras burguesas tomaram o lugar do riquíssimo cristianismo oriental.

Uma sociedade que volta os olhos para a sarjeta, como a sociedade burguesa, é uma sociedade que nega ao homem o que o torna mais alto que si mesmo

Uma sociedade que preste, uma Civilização com “C” maiúsculo, digna de seu nome, não pode se basear na busca da riqueza material, por uma razão simples: esta é um mero sucedâneo, e diria eu mais, um sucedâneo satânico, da riqueza verdadeira, que consiste em fazer do homem um ser que olha para cima, um ser que está na companhia dos anjos e não das baratas. E mais ainda: o homem é chamado ao Infinito. Todo homem, em todo lugar, em toda sociedade. Mas uma sociedade que volta os olhos para a sarjeta, como a sociedade burguesa, é uma sociedade que nega ao homem o que o torna mais alto que si mesmo. Que lhe nega a “perfeição” que o jovem rico do Evangelho preferiu ele mesmo negar-se.

Devido às péssimas influências que nos vêm do Norte, é cada vez mais comum que encontremos gente que ache que “uma pessoa bem-sucedida” e “um ricaço” sejam sinônimos. Gente que olha para personagens patéticos, como Trump, Bezos, Soros, Sílvio Santos ou algum Odebrecht que esteja solto, e os vê como modelos. Gente que acha que o fim de semana serve para descansar e assim poder trabalhar melhor, sem entender que a verdade é o oposto: trabalhamos para podermos nos dedicar a algo muito mais alto, que é o ócio ao lado da família, a busca da sabedoria, do Sagrado, o culto a Deus, em suma, a tudo aquilo que nos tornará melhores. Que nos fará ser mais, ainda que tendo menos.

Mas assim é a mente burguesa. Ela não entende a família, a não ser como um aglomerado de bocas que tem por função ajudar um Trabalhador a aumentar sua Produção. As maiúsculas estão aí por serem estes ídolos. Não entende o Sagrado, ponto. Não entende o culto, a não ser como uma espécie de autoajuda. Essa pobre mente não entende o ócio a não ser como “descanso” (ou seja, tirar o cansaço para poder voltar refeito à Produção), sem perceber que primeiro deve vir o ócio, e só depois, e como consequência dele e voltado para ele, o neg’ócio, a negação do ócio. Tristes nos negamos ao ócio por um intervalo, mas apenas para que possamos depois entregar-nos melhor a ele, pois é nele que está tudo a que somos chamados a ser.

O mais triste da produção desta mente é algo de que tratei já neste mesmo espaço que a Gazeta do Povo generosamente me concede há tantos anos para que eu possa me dedicar a meu passatempo favorito, que é dar bicudas em bezerros de ouro. O que a mente burguesa produz é lixo. Monturos. Lixões, em enorme quantidade. Os arqueólogos do futuro, escrevi, nos conhecerão como “a Sociedade do Lixão”. Isto acontece porque para um ser chamado ao Infinito, como é o homem, é materialmente impossível saciar essa sua sede com o que é material. Mas não é materialmente impossível tentar, tentar sempre, visto que a pequenez da mente burguesa é incapaz de perceber alternativas. E por isso substitui-se o Infinito por infinitos telefones celulares, a substituir em um ou dois anos, no máximo, por outra infinitude semelhante em tudo à primeira, que vai para o Lixão. Substitui-se-o por infinitas fubecas total flex, com mais air bags que lugares, sendo que a detonação de unzinho que seja já o manda para o Lixão. Substitui-se-o por roupas de grife, por móveis planejados, por cremes para barba, cortes de cabelo, o diabo aquático, como diria Vicente Matheus. Eu nem sei o que essa gente tanto quer comprar, confesso.

A sociedade de consumo é apenas um infinito ersatz, um triste sucedâneo, que está muito mais longe do Infinito real que o pó de cevada torrada está do café do Sul de Minas. Afinal, entre o finito multiplicado ad nauseam e o Infinito, a diferença é infinita. Mas o pobre burguês – seja ele proletário, negociante, militar ou, horror dos horrores, clérigo – não consegue olhar para cima. Não consegue olhar para a frente. Ele olha apenas para baixo, para o chão de onde tirará suas patéticas “riquezas” (e dane-se a poluição gerada!), que tomarão forma de telefones e tantas outras estultícies com que gasta o dinheiro que não consegue deixar de ganhar e torrar.

E eis que para ele os Estados Unidos são um modelo, pois quem vai para lá e trabalha de sol a sol, de domingo a domingo, enche as burras de dinheiro! Lá o modelo burguês foi tão longe que, vejam os senhores que belezinha para a mente burguesa, tem-se um sério problema de obesos mórbidos viciados em pornografia. E mesmo a religião, por aquelas bandas, é perfeitamente suprida pelo deus-mercado! A seita em que Trump foi criado, diga-se de passagem, era chefiada em sua infância por Norman V. Peale, o autor de O Poder do Pensamento Positivo, o legítimo criador (humano, pois a meu ver isso vem de mais embaixo) da ideia de que se pode “atrair a riqueza” pensando nela incessantemente. É o avô espiritual de Edir Macedo (outro “bem-sucedido”, sem dúvida, para o burguês). Mas caso, claro, se prefira qualquer outro sabor do fenômeno religioso, lá tudo se há de encontrar. O deus-mercado garante.

Aqui, no Brasil, temos vários exemplares dessa triste mentalidade no governo; não me deixa mentir a iníqua lei que permite aos patrões negar aos empregados um dia que seja ao lado da família – e não venham me dizer que há um domingo obrigatório por mês, pois, se o domingo do marido e o da esposa não são no mesmo dia, não há dia algum para gozar da companhia familiar, o que deveria ser a causa pela qual se trabalha! Quem quer que não perceba que há algo além do material sofre dessa doença civilizacional, que é a mentalidade burguesa.

Vale notar, inclusive, que não é necessário que a pessoa perceba claramente o que há além; já é um passo adiante quando o poeta brada “a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e Arte; a gente não quer só comida, a gente quer saída para qualquer parte” além dessa mediocridade burguesa. A Arte é um reflexo do Sumo Bem, que é e deve ser o objeto final de todo culto religioso. Quem busca a Arte, quem busca a sabedoria, quem busca o Amor já está buscando, a seu modo, algo infinitamente além do alcance da mentalidade burguesa.

É por isso, senhores, que tenho mais facilidade em ver nobreza no hippie sujo que, entre goladas da cachaça mais barata, tenta criar beleza com conchinhas e fios de cobre que em qualquer um desses “bem-sucedidos” señoritos satisfechos (copyright Ortega y Gasset) com seus carrões e aifones, seus bolsos cheios e suas almas vazias.

20 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]