i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Carneiro Neto

Foto de perfil de Carneiro Neto
Ver perfil
Opinião

Esperança de revolução no calendário morre na falta de ideias de dirigentes e CBF

  • Por Carneiro Neto
  • 03/04/2020 10:12
Esperança de revolução no calendário morre na falta de ideias de dirigentes e CBF
| Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Jamais alguém viu uma cabeça de bacalhau. O bacalhau deve ser o único peixe do mundo que já nasce sem cabeça, pronto para o consumo, e fica nadando lá no Mar do Norte, aguardando a Semana Santa.

Os pescadores, invariavelmente portugueses, o recolhem das águas e só têm o trabalho de salgá-lo ao comércio. Se alguém duvida, aqui fica a pergunta: você, caro leitor, já viu uma cabeça de bacalhau ?

Pois é, agora, no auge da crise provocada pela pandemia do coronavírus, com a bola parada no mundo inteiro, dirigentes, jornalistas e especialistas em geral discutem o calendário do futebol.

O mal formulado almanaque do futebol brasileiro, óbvio, pois na Europa a fórmula está pronta, ajustada e consagrada há décadas com amplo sucesso técnico e financeiro.

Mas dirigente de futebol no Brasil parece bacalhau: não tem cabeça. E, por não tê-la, consequentemente faltam idéias e algo que lembre inteligência na gestão dos clubes, na organização do calendário, na formulação dos campeonatos e torneios.

A exceção é a Copa do Brasil, uma competição enxuta, democrática, altamente rentável e com sucesso assegurado de público e crítica. O Brasileirão também poderia ser lucrativo, mas peca pela desigualdade técnica entre os competidores.

Essa realidade repete-se há várias temporadas quando, próximo do final do primeiro turno, observa-se cerca de oito times disputando as vagas para a Libertadores, mais quatro ou cinco tentando chegar pelo menos à Sul-Americana, dois ou três brigando diretamente pelo título e os demais no pau-de-sebo da luta contra o rebaixamento.

A única emoção praticamente garantida na parte de baixo é a de que sempre um dos chamados grandes clubes nacionais entra no rebolo e acaba caindo para a segundona.

Tornou-se uma enfadonha repetição, ainda mais agora que Flamengo e Palmeiras se distanciaram, economicamente, demais da maioria. Sem esquecer de que o nosso calendário é espremido pelos anacrônicos campeonatos estaduais além da superposição dos torneios continentais.

Mas, voltando à vaca fria, acompanhamos com interesse as discussões e propostas para a criação de uma folhinha mais racional para o nosso futebol.

O problema é que parece existir na porta de entrada da sala de reuniões da CBF o verso que Dante Alighieri viu inscrito às portas do Inferno na Divina Comédia: “Lasciante ogni eperanza, voi ch´entratea” – Deixai toda esperança, vós que entrais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.