i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Conexão Brasília

Foto de perfil de Conexão Brasília
Ver perfil

Entre o jeitinho de Lula e o jeitão de Dilma

  • PorAndré Gonçalves
  • 06/08/2013 10:38
Entre o jeitinho de Lula e o jeitão de Dilma
| Foto:

AFP

Em fevereiro de 2009, Beto Richa (PSDB) havia acabado de se reeleger prefeito de Curitiba e foi ao Palácio do Planalto para uma audiência com o então presidente Lula. Era de se esperar um encontro tenso, já que o tucano havia feito 78% dos votos contra 18% de Gleisi Hoffmann na disputa eleitoral de cinco meses antes. E, na audiência, estava o marido de Gleisi, Paulo Bernardo, então ministro do Planejamento.

Richa saiu da conversa feliz da vida. Não porque Lula garantiu mais recursos para o Paraná ou coisas do gênero, mas porque teve o ego devidamente massageado. “Era Beto pra lá, Beto pra cá… Ele fez de tudo para me deixar à vontade. Fiquei impressionado com o carisma e a simplicidade do presidente”, disse o paranaense, em entrevista na época.

Lula talvez tenha sido o presidente brasileiro que mais soube fazer a política do afago, do jeitinho. Já a sucessora, Dilma Rousseff, faz a política do jeitão.

Quase todo parlamentar da base aliada reclama do “atendimento” da presidente. A maioria, aliás, da falta desse “atendimento”.

Ontem, Dilma realizou uma rara reunião com líderes da base aliada no Congresso. Pelo jeito, tentou construir um mecanismo de diálogo para evitar a “pauta-bomba” que está montada para os próximos dias.

Se vai conseguir, é outra história. O difícil é acreditar que ela vai mudar o jeitão de lidar com os políticos. Errada ou não, o fato é que todos os que hoje reclamam da falta de traquejo da presidente sempre souberam que ela é assim.

No aspecto temperamental, nem eles nem os eleitores compraram gato por lebre em 2010.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.