Nelson Leal Júnior, ex-diretor-geral do DER, órgão do governo do Paraná. Foto: Jorge Woll/DER-PR
Nelson Leal Júnior, ex-diretor-geral do DER, órgão do governo do Paraná. Foto: Jorge Woll/DER-PR| Foto:

(Colaborou Kelli Kadanus)

O ex-diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) Nelson Leal Júnior trocou de advogado. Desde o último domingo (22), quem encabeça a defesa dele na ação penal derivada da Operação Integração (48ª fase da Lava Jato) é o advogado Tracy Reinaldet, conhecido pela experiência que detém para fechar acordos de colaboração premiada com o Ministério Público Federal (MPF).

Ao lado do advogado Antônio Figuereido Basto, Tracy Reinaldet chegou a atuar, por exemplo, na delação do doleiro Alberto Youssef. Recentemente, Tracy Reinaldet abriu seu próprio escritório.

Quem também entrou na defesa de Nelson Leal Júnior é o advogado Gustavo Sartor, que recentemente obteve um acordo de colaboração premiada para Maria do Rocio Nascimento, na Operação Carne Fraca.

Ou seja, o ex-diretor-geral do DER contratou dois advogados com experiência em delações.

Não se tem certeza, contudo, se a troca de advogados significa, necessariamente, que há mais uma delação no forno. Até aqui, Nelson Leal Júnior, que está preso há dois meses, tem negado os crimes apontados pelo MPF.

Ao deixar a defesa de Nelson Leal Júnior, o advogado Beno Brandão justificou no processo que “foi contratado para o especial fim de defender os interesses do outorgante durante o inquérito policial, sendo que a relação não se estendeu para a defesa em sede de ação penal”.

A Operação Integração foi deflagrada em 22 de fevereiro último, ainda na gestão Beto Richa (PSDB). Em 2 de abril, o ex-DER foi acusado pelo MPF pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva, estelionato e organização criminosa. Dois dias depois, o juiz federal Sergio Moro o transformou em réu, ao acolher parcialmente a denúncia. O juiz Moro só rejeitou a acusação por corrupção passiva, e acatou as demais.

Outras 16 pessoas figuram como réus na mesma ação penal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]