i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Eduardo Ribeiro

Foto de perfil de Eduardo Ribeiro
Ver perfil
Combate à corrupção

A Lava Jato e o ataque dos incoerentes

Como a maior operação de combate à corrupção corre o risco de se tornar símbolo de oportunismo eleitoral

  • Eduardo RibeiroPor Eduardo Ribeiro
  • 11/08/2020 12:10
Lava Jato
Operação da Policia Federal| Foto: Foto: Gazeta do Povo

Em março passado, a Lava Jato completou seis anos. Neste período, a operação estampou capas de jornais, de revistas e foi assunto contínuo na televisão, no rádio e em outros meios de comunicação. Há razão de ser. Pela primeira vez em nossa história, a atuação conjunta de Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário conseguiu destrinchar uma teia de esquemas de corrupção e influência praticados há décadas em nosso país, que assaltaram os cofres públicos e que mantinham uma estrutura de poder engenhosamente blindada da Justiça.

Não vamos nos enganar, não fosse a conjuntura que reuniu um determinado grupo de procuradores, delegados e juízes, é muito provável que tudo tivesse passado para a história apenas como um esquema de lavagem de dinheiro em um posto de gasolina qualquer, em manchetes encerradas em notas curtas nos jornais.

Em mais de 70 fases, a operação alcançou a condenação de centenas de criminosos e conseguiu devolver ao tesouro parte dos valores roubados. As investigações ramificaram-se em dezenas de outras, revelando uma rede interminável de conexões constituídas para assaltarem o bolso do cidadão. Daí que, por óbvio, a prisão de figurões da república, outrora intocáveis, tenha conferido prestígio às ações e alta aprovação popular.

A Lava Jato mexeu com o ápice do poder e, como toda ação, sofre agora uma reação daqueles interessados em anular o seu legado.

Seu fim é uma demanda natural de certos grupos políticos, pois, mais que uma força-tarefa contra a corrupção, a Lava Jato é um símbolo nacional de luta contra a impunidade e o patrimonialismo. Partidos tradicionais envolvidos no escândalo da Petrobras, como PT, PMDB e PP, além de diversos membros do Centrão, alvejam sistematicamente a operação desde que as investigações chegaram às suas cúpulas, procurando de todas as formas desmoralizá-la e questionar seus meios.

Mais recentemente, entretanto, estes críticos, a maioria investigados, réus e condenados na Justiça, parecem estar ganhando aliados muito inesperados: políticos que se elegeram em 2018 justamente sob a bandeira da Lava Jato e do combate à corrupção.

Desde sua saída do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o ex-juiz Sergio Moro, principal ícone da Lava Jato e elencado pelo PT como inimigo número um de Lula, agora tem sido excomungado também por bolsonaristas e aliados do governo, que o consideram um traidor por não aceitar as interferências do Presidente da República no comando da Polícia Federal.

Sobrou também para Deltan Dallagnol, o procurador federal e coordenador da Lava Jato em Curitiba tem sido alvo de diversas representações no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), presidido por Augusto Aras, Procurador-Geral da República indicado por Jair Bolsonaro, e que recentemente proferiu declarações insinuando que atuará para que a continuação do modelo de combate a corrupção instaurado pela força-tarefa, ou aquilo que ele chamou de lavajatismo, “não perdure”.

Essa união improvável de frentes até então adversárias pode colocar em xeque tudo o que foi construído até agora, minar a credibilidade das nossas instituições e desmantelar qualquer possibilidade de futuras operações.

É claro que diversas outras medidas precisam ser tomadas para reduzirmos a corrupção em nosso país, como o fim do foro privilegiado, uma legislação penal mais rigorosa, sobretudo com prisão em segunda instância, a autonomia da Polícia Federal, e a redução do poder dos políticos – com privatizações, instituições fortes e muito menos burocracia. Mas a falta de apoio e respeito dos poderes à maior operação anticorrupção da nossa história é uma péssima sinalização.

É dever de todo brasileiro que quer um Brasil sem corrupção e impunidade fazer a sua parte, defender a Lava Jato e exigir o mesmo dos seus políticos, especialmente aqueles que foram eleitos com essa bandeira.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Matusalém

    ± 3 dias

    Todos já sabiam que haveria uma forte reação dos que estão entrincheirados no poder. A única maneira de mudar este triste curso é elegendo políticos realmente sérios e comprometidos com a causa do combate à corrupção!! Não acredite em palavras ao vento e promessas, pesquise e conheça o passado dos candidatos que você pretende votar em 2020 e 2022.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Adriano Benetti

    ± 3 dias

    Parabéns pelo artigo, simplesmente preciso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Emiliano augusto bastos coutinho

    ± 3 dias

    Certissimo Eduardo

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]