i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Educação e Mídia

Foto de perfil de Educação e Mídia
Ver perfil
FORMAÇÃO CONTINUADA

Inovação nos processos de formação continuada dos professores

  • Por Educação e Mídia
  • 11/03/2020 11:30
Inovação nos processos de formação continuada dos professores
| Foto:

Inovar nunca foi tão necessário ao ser humano quanto na era digital.  Atualmente, tornou-se quase uma obrigação no mundo do trabalho, sendo o grande desafio da inovação, criar novas respostas para resolver antigos problemas.

Em se tratando de educação esse é um nó ainda não desfeito. O ensino tradicional, as formas de avaliação, a invisibilidade nas práticas pedagógicas sobre o desenvolvimento do cidadão ético e crítico, ainda são uma característica nas escolas brasileiras, todos sabemos. Velhos problemas!

Temos visto iniciativas de superação dessas dificuldades, com iniciativas que ocorrem de maneira isolada, ainda não sistêmicas e que não abrangem o todo da educação, mas servem aos educadores como referências, possibilidades para a mudança. Nem tudo está perdido e há muito sendo feito.

Mas como eu, professor de sala de aula, posso inovar, mudar minha prática? Onde posso buscar ajuda?

A preocupação sobre quem educa o educador remonta aos idos do século XVIII, com Karl Marx. Assunto tão importante, foi motivo de reflexões de educadores brasileiros como Darcy Ribeiro e Paulo Freire que junto com uma série de pesquisadores do mundo todo iniciaram um novo campo de estudo sobre a formação de professores.

A formação continuada, aquela que acontece em serviço, após a formação inicial da graduação, é uma importante ação para que o professor consiga construir as melhores estratégias para a superação das dificuldades que encontra no dia a dia das salas de aula.

A ajuda vem de diferentes fontes: dos colegas, dos docentes nos cursos de aperfeiçoamento, dos livros, dos vídeos, das comunidades formadas nas redes sociais, da experiência que acumulamos durante nossa vida profissional e pessoal, dos documentos que norteiam a prática pedagógica e tantos outros mais que cada um de nós pode elencar.

A formação continuada sofreu grande impacto com o advento da internet. Diferentemente dos tempos nos quais uma pessoa mais experiente era a fonte mais provável de aperfeiçoamento, hoje em dia, a quantidade de materiais e pessoas que podemos encontrar no mundo virtual, abrem um universo imenso de oportunidades. É possível, por exemplo, conhecer o que instituições de referência em inovação educacional estão apresentando, discutindo, sem sair de casa. É possível conhecer o que pesquisas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts em Cambridge, nos Estados Unidos, estão apontando e quais recursos tem sido usado em diferentes países do mundo. Assistir palestras de autores renomados gratuitamente, assim como conversar com professores de diferentes realidades do Brasil e do mundo, é outra oportunidade que a internet oferece.

A abrangência das possibilidades formativas é imensa, do tamanho do planeta. O repertório do professor pode se ampliar profundamente utilizando os conteúdos que a rede mundial apresenta. Porém, encontrar bons conteúdos requer um olhar crítico, uma vez que o mundo da internet está repleto de equívocos também. Talvez aqui se encontre um dos grandes desafios da atualidade para a formação continuada: saber como selecionar os melhores conteúdos e estratégias para que os estudantes aprendam. É possível fazermos isso?

*Texto escrito por: Estela Endlich, Doutoranda em educação pela Universidade Federal do Paraná. Coordenadora de Tecnologias Digitais e Inovação na Secretaria Municipal da Educação de Curitiba.

**Quer saber mais sobre educação, cidadania, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Acompanhe o Instituto GRPCOM também no Facebook: InstitutoGrpcom, Twitter: @InstitutoGRPCOM e Instagram: instagram.com/institutogrpcom

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.